quarta-feira, 4 de julho de 2007

Carrazeda criou associação URBEANSIÃES pra dinamizar comércio tradicional

A revitalização da vila já está quase concluída - deverá estar finalizada no final de Julho - e é agora a vez de se apostar na dinamização do comércio tradicional.
Para isso, Câmara e Associação Comercial e Industrial locais uniram-se para criar uma Unidade de Acompanhamento do Comércio a que deram o nome de URBEANSIÃES.
A área de intervenção da nova associação contempla as ruas Luís de Camões e Marechal Gomes da Costa, mais as praças do Município e Lopo Vaz de Sampaio.
E os comerciantes têm de aderir para beneficiarem de vantagens que vão desde a formação a animação no tempo de Verão com, por exemplo, a iniciativa Comércio Vivo que vai levar à abertura do comércio à noite durante alguns dias do mês de Agosto.
A URBEANSIÃES é ainda uma forma de se obterem financiamentos para iniciativas de promoção do comércio que provêm em 75% do programa PRIME e os restantes 25% terão de ser arranjados pela URBEANSIÃES. "É óbvio que a associação vai ter dificuldades para obter esses 25 por cento, e está-se mesmo a ver para quem é que vai sobrar", prevê o presidente da Câmara de Carrazeda de Ansiães, Eugénio de Castro, deixando no ar que terá de ser a autarquia a financiar a restante verba para as actividades da nova associação.
O autarca carrazedense considera ainda que esta será uma forma de "revitalizar a parte comercial que na sede do concelho está um pouco, para não dizer muito, estagnada."
Estrela Barbosa, gestora da URBEANSIÂES, enumera mais actividades que estão previstas e que vão desde um "festival gastronómico que deverá ser feito em Outubro, e onde se pretende que os restaurantes confeccionem pratos feitos com produtos tipicamente da região, um boletim informativo ou um roteiro comercial para quem visita a vila", e que se espera que sejam cada vez mais.
O presidente da Associação Comercial e Industrial de Carrazeda de Ansiães acredita que "os comerciantes da vila vão aderir à URBEANSIÂES como renovaram a ligação à Associação Comercial e que foi superior aos 50 por cento de adesão dos nossos associados", refere Nuno Carvalho.
O projecto financiado é para um ano, mas todos esperam dar continuidade à recém-criada associação, que poderá chegar um dia a beneficiar todos os 150 comércios da vila de Carrazeda, ou mesmo os 200 de todo o concelho.
Jornal Terra Quente

1 comentário:

lampião disse...

Mais uma associação para ser controlada pondo uma "marionete" à frente e manobrando pela calada!