quinta-feira, 31 de maio de 2007

Daqui e dali... João Lopes de Matos

Polidesportivos

Tem-se assistido nos últimos anos à construção nas aldeias de recintos para a prática de vários desportos.
Mais uma vez estou em desacordo com a dispersão de meios.
A população nas aldeias (sobretudo a jovem) é muito diminuta e tende a diminuir. Não vejo como revitalizar esses actualmente pequenos povoados.
Em vez da edificação de polidesportivos dispersos parece ser preferível a construção de um único pavilhão desportivo na sede do concelho onde pode servir toda a camada juvenil que hoje nela se concentra.
É certo que as despesas com polidesportivos são de pequena monta.
E se em vez disso, e para além do que deva construir-se na sede do concelho, se concentrarem esforços em desportos vários a localizar, por exemplo, na Senhora da Ribeira, para servirem de apoio a uma localidade turística, onde as pessoas invistam em casas para passarem fins-de-semana e férias, aproveitando várias valências: - Douro (desportos náuticos) e montanha (desportos pedestres, ciclísticos, motorizados e radicais - Sívio)?

João Lopes de Matos

Douro mais policiado

Responsáveis da Polícia Marítima admitem que o Posto do Peso da Régua poderá receber mais agentes e a partir de amanhã, a PM terá também uma equipa em permanência na foz do rio Sabor com o Douro.
O Posto da Polícia Marítima do Peso da Régua é um exemplo da falta de agentes, já que existem apenas quatro elementos para patrulhar 142 quilómetros no rio Douro, entre a Barragem de Carrapatelo e Barca de Alva.
Porque a actividade dos agentes da Régua se intensifica no Verão, já que, no Douro, se chegam a cruzar cerca de 800 a 900 embarcações turísticas e de recreio por dia, o efectivo deste posto vai ser reforçado, durante os próximos quatro meses, com mais dois fuzileiros. A partir de amanhã, a PM terá também uma equipa em permanência na foz do rio Sabor com o Douro para garantir a segurança à pista de abastecimento dos aviões Canadair, de combate aos incêndios florestais. PJ

Distrito de Bragança na mira da ASAE

Fernando Serrasqueiro, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor na visita que efectuou recentemente a Mirandela, afirmou que o distrito de Bragança iria ser alvo de uma mega operação de fiscalização da ASAE – Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), no sector alimentar, nomeadamente em feiras de produtos regionais.
A operação será levada a cabo para detectar produtos que não cumpram as normas que estão estipuladas pelas legislações portuguesa e europeia. Desconhece-se os locais que nos próximos tempos serão o foco da atenção dos fiscais da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE ). NNordeste

Lojas do cidadão

«O anunciado encerramento de serviços públicos no distrito de Bragança pode ser compensado com a abertura de lojas do cidadão de segunda geração, onde será concentrado o atendimento de vários serviços do Estado. Trata-se de um novo conceito de loja do cidadão, que se propõe aproximar os serviços de todos os cidadãos através das novas tecnologias. Aquelas lojas podem incluir serviços do município e de vários departamentos do Estado, como conservatórias e Finanças.
Em qualquer um dos concelhos do distrito vai, por exemplo, passar a ser possível tirar um passaporte ou renovar a carta de condução. Actualmente, isso só é possível em Bragança. O sistema multisserviço permitirá, também, renovar a carta de caçador ou marcar uma consulta num centro de saúde ou num hospital.» JN

Sistema para reduzir fumadores nos serviços de saúde

A Sub-Região de Saúde de Bragança pretende ajudar todos os funcionários deste organismo a deixar de fumar. Um inquérito realizado aos 700 funcionários daquele organismo na Região, onde se incluem todos os funcionários dos Centros de Saúde, revela que 20 por cento destes trabalhadores são fumadores activos. Nesse mesmo inquérito quase metade dos fumadores manifestaram vontade de largar o vicio e a Sub-Região de Saúde de Bragança pretende ajuda-los a deixar de fumar. Brigantia

OMS: Dia Mundial sem Tabaco


O Dia Mundial sem Tabaco assinala-se hoje, quinta-feira, com iniciativas em todo o mundo para sensibilizar a população sobre os perigos do fumo, que mata uma pessoa a cada oito segundos.

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Divisão de Veterinária fica em Bragança

De acordo com despacho da Direcção Geral de Veterinária, que determina a distribuição geográfica dos serviços, Trás-os-Montes vai ficar com duas sedes da Divisão de Serviços Veterinários Regionais: uma situada em Bragança e outra em Chaves. No que toca aos núcleos de intervenção afectos à DIV de Bragança, Mirandela vai abranger, ainda, os concelhos de Vila Flor, Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta e Carrazeda de Ansiães.
lpveloso - intertoon

Apanha de cogumelos regulamentada

«Já há uma proposta para regulamentar a apanha de cogumelos silvestres.
O diploma aguarda aprovação do Governo e poderá entrar em vigor na próxima campanha.
Este regulamento vem disciplinar a apanha indiscriminada de cogumelos que constitui um risco para a preservação deste recurso natural já que a proposta de legislação define quando e como se devem colher.»RBA

Esperamos que quem fez a legislação saiba distinguir os cogumelos venenosos dos comestíveis!
Foto PauloT

Dia Mundial da Criança


DIA MUNDIAL DA CRIANÇA

Sexta-feira, 1 de Junho

10:00 Actividades lúdicas - Insufláveis (1.º Ciclo do Ensino Básico)
Teatro Infantil Transmontano - "O Sonho da Carochinha" (Pré-Escolar)

14:00 Actividades lúdicas - Insufláveis (Pré-Escolar)
Teatro Infantil Transmontano - "O Sonho da Carochinha" (1.º Ciclo do Ensino Básico)
Local:
Insufláveis: Praça do Município
Teatro Infantil: Salão do Bombeiros Voluntários

Organização: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães

Daqui e dali...

DRENe-se!
Portugal tem uma relação íntima com os bufos. Ou os bufos com Portugal, vá.
A PIDE não era apenas uma polícia política que chafurdava, perseguia, prendia e mandava matar. A PIDE era, sobretudo, o depósito da recolha pormenorizada das indiscrições e desvios, públicos e privados, que cidadãos anónimos, diligentes e respeitáveis, recolhiam acerca de vizinhos, amigos e conhecidos nas horas do seu vagar.
Os agentes da PIDE, encartados, só podiam ser do piorio - como foram - porque havia carradas de bufos à disposição. Na repartição, no gabinete, nas redondezas, na família e até no confessionário. Com um exército voluntário de verdugos, até eu montava uma polícia política com uma perna às costas. Em democracia e sem se dar por isso.(...)
De há uns tempos para cá que venho alertando aqui mesmo para a proliferação dos «pides» de gabinete e de corredor que por aí andam, esses sim, verdadeiramente perigosos e activos, especialistas em ar rarefeito. À beira deles, o PNR mete tanto medo como um gambozino.
Em democracia ou na falta dela, os bufos estão sempre à espreita de um passo em falso do colega do lado. Uns são de antigamente, outros aprenderam andando. Ah! E imitam-se uns aos outros. Um bufo de sucesso tem sempre um regimento por conta de bufos juniores, prontos a aprender com o melhor.
De uma maneira ou de outra, andam aí, empenhados no seu dever, apenas um tanto desorganizados. Os bufos não têm Ordem, nem sindicato.
Ainda. Não são um lóbi, não têm sede, nem estatutos. O que dificulta, pelo menos, a construção de uma base de dados sobre os maus comportamentos a vigiar. Mas ao menos o disfarce é garantido.
Não é estranho, claro, que no caso do professor Charrua apanhado a contar uma suposta anedota insultuosa sobre o Primeiro-Ministro se tenha falado de tudo menos do bufo ou dos bufos de plantão. Já se defendeu a demissão da directora regional e saiu-se em defesa do antigo deputado do PSD. Mas os bufos, impávidos e serenos, passam pelos pingos de chuva sem se molhar. Eficientes e discretos, como sempre.
E não se pode DRENá-los?
Miguel Carvalho, Visão

terça-feira, 29 de maio de 2007

Democracia

«A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) proibiu "qualquer tratamento autónomo de dados pessoais, relativos aos trabalhadores aderentes a greves, por considerar ser um procedimento discriminatório", dando provimento a uma reclamação do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (Ste) contra um despacho interno da Direcção-Geral de Impostos.» Público

ANEDOTA! - erros de ortografia servem para "avaliar diferentes competências"

O Gabinete de Avaliação Educacional justificou hoje a ausência de penalização de erros ortográficos na parte das provas de aferição dedicada à interpretação de texto com a necessidade de se "avaliar separadamente diferentes competências" da língua e "traçar estratégias distintas". Público

Linha ao abandono nos dois lados da raia

«A reabertura à circulação de comboios na Linha do Douro, entre o Pocinho e Barca de Alva, em Portugal, e no troço espanhol que lhe dá continuidade, até La Fuente de San Esteban, ainda não passa do plano das ambições. De um lado e do outro da fronteira somam-se intenções; porém, longe de serem executadas. Dependem da vontade política dos respectivos governos e, enquanto ela não chega, um património com 120 anos degrada-se a cada dia que passa.» JN

Daqui e dali... João Lopes de Matos

Liberdade de expressão
Há valores e princípios que regem a nossa vida social.
Estes valores e princípios devem ser respeitados.
Um dos princípios fundamentais é a liberdade de expressão.
Ela permite-nos formar juízos sem limites de pensamento e, mais que isso, exprimir esses juízos sem receio de ser prejudicado ou perseguido.
A liberdade de expressão traz consigo a tolerância perante os juízos expostos, sejam eles por vezes duros.
Há que deixar passar muita coisa e não ficar ofendido por tudo e por nada.
Parece-me, no entanto, que qualquer princípio tem os seus limites: os limites que resultam do respeito pelos outros princípios.
O pôr em prática destas ideias, contrárias, plenas de uma dialéctica permanente, é muitas vezes difícil.
Só direi que quando se puser a dúvida entre o aceitar ou o rejeitar há que optar pelo aceitar, entre a ofensa ou a frontalidade há que acreditar nesta, de molde a que a vida decorra sem peias, receios ou medos.
Tenho, porém, de convir que há situações em que é preciso tomar posição pelo menos através do questionar se a liberdade não estará a tornar-se ofensa não ligeira (que há que deixar passar) mas grave - a merecer uma apreciação da opinião pública (que se deseja aberta e tolerante) ou mesmo de uma entidade isenta, maxime, o juiz.
Direi ainda que tudo isto é altamente discutível e deve ser discutido.

João Lopes de Matos

Imigrantes aprendem português

«Os imigrantes que residem no concelho de Mogadouro vão aprender a língua e a cultura portuguesas. A iniciativa parte da autarquia local que está a organizar um curso de formação juntamente com o Instituto de Emprego e Formação Profissional.»RBA

Distrito não dispõe de consultas para disfunção sexual

«O distrito de Bragança não dispõe de uma consulta especifica sobre disfunção sexual.
Uma doença que afecta sobretudo os homens mais velhos. Desde esta segunda-feira que a Sociedade Portuguesa de Andrologia, conjuntamente com uma farmacêutica portuguesa, está a promover uma iniciativa para sensibilizar e informar a população sobre disfunção eréctil.»RBA

Está mal!

Apesar dos esforços do Conselho Executivo da E.B. 2, 3/S de Carrazeda de Ansiães, a DREN não liberta verbas para restaurar o pavimento apodrecido do pavilhão gimnodesportivo desta escola. Um perigo para a prática desportiva!

Retirada de serviços transforma Nordeste em "vestígio arqueológico"

«Os concelhos do distrito de Bragança podem passar a ser simples vestígios arqueológicos.
A afirmação é de José Brinquete, o líder da direcção regional de Bragança do PCP que acusa o governo de estar a promover o despovoamento da região através do encerramento de serviços.»RBA

Obras arrancam amanhã

Vila Pouca de Aguiar: Parque Termal de Pedras Salgadas vai ser requalificado
«As obras de requalificação do Parque Termal de Pedras Salgadas, em Vila Pouca de Aguiar, começam amanhã. O projecto é da responsabilidade da Unicer Turismo e poderá criar mais cerca de 100 postos de trabalho na região, a juntar aos 220 já ali existentes.»PJ

Estado é mau pagador!

Pagamentos em atraso voltam a deteriorar-se, com Estado a liderar
«O número de dias que famílias, empresas e Estado demoram a pagar as suas compras voltou a deteriorar-se durante os últimos 12 meses, com o pior exemplo a vir do sector público.» Público

Maus hábitos alimentares!

Maioria das crianças está 11 ou mais horas sem comer nada
«A esmagadora maioria (84,9 por cento) das 27.814 crianças com idades entre os seis e os dez anos inquiridas no âmbito de um projecto de educação alimentar está 11 ou mais horas em jejum. São muitas as que não têm por hábito comer nada antes de ir para a cama - e que por isso não ingerem qualquer alimento entre o jantar e a primeira refeição do dia seguinte.(...)
"É o dado mais preocupante." Significa que os mais novos "estão a ficar com um défice de açúcar no cérebro" - o que, explica, pode ter consequências ao nível da capacidade de concentração e do rendimento escolar dos mais novos.
Constata-se que o pequeno-almoço faz parte dos hábitos da grande maioria destes alunos do 1.º ciclo do ensino básico. Quase todos (98,5 por cento) dizem tomá-lo, a maior parte (93,4 por cento) em casa.E o que é que comem? Antes de mais, bolachas (54,1 por cento). A seguir pão com manteiga (47 por cento), fruta (37,3 por cento), bolos (26,6 por cento) e batatas fritas (11,6 por cento). Quase metade (47,2 por cento) dos inquiridos bebe leite com chocolate. Só um em perto de 28 mil alunos não consome alimentos com açúcar ao pequeno-almoço.» Público

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Epidural obrigatória 24 horas

«Até ao final do ano os hospitais de Bragança e Vila Real são obrigados a ter disponível a epidural 24 horas por dia.
Ambas as unidades de saúde não cumprem esse requisito, onde aquele tipo de anestesia não é ministrado ás grávidas durante a noite. A Administração Regional de Saúde do Norte vai exigir aos hospitais o cumprimento de uma série de medidas na área do serviço materno-neonatal.»RBA

Sub-Regiões dão lugar a agrupamentos de Centros de Saúde

«O Ministério da Saúde pretende acabar com as sub-regiões e criar agrupamentos de Centros de Saúde. Essa reorganização está em fase de preparação. Carlos Nunes, um dos elementos da Missão para os cuidados de saúde primários, garante que os Centros de Saúde ganham autonomia com esta mudança. “Para os cidadãos não vai haver grandes alterações”, diz, explicando que as mudanças se colocam ao nível da gestão.(...)
Estes agrupamentos vão ter em conta vários critérios um deles é o número de utentes que deve situar-se entre os 50 a 200 mil por agrupamento. Isso significa que no distrito de Bragança há necessidade de criar apenas um agrupamento mas podem surgir dois: “Alguns concelhos do sul do douro tem maior afinidade com esta região do que com a região centro e poderão nessa zona criar um agrupamento mas ainda nada está decidido, vamos ver”. (...) Brigantia

Festa da Rádio Ansiães - 20 anos

Campo de Escuteiros
Domingo, 3 de Junho
10:00 Abertura do espaço e início da transmissão em directo na Rádio Ansiães
11:00 Missa Campal em directo do Campo de Escuteiros
12:30 Almoço convívio
14:00 Actuação e entrevista dos artistas convidados
19:00 Fim das transmissões na Rádio Ansiães

Durante a tarde serão sorteados prémios

Linha do Tua reactivada no verão

«A REFER anuncia que a linha do Tua vai ser reactivada no fim do próximo verão.
Dentro de poucas semanas deverão mesmo ser adjudicados os trabalhos de reabilitação do troço danificado com a acidente ocorrido dia 12 de Fevereiro, em que uma carruagem caiu no rio Tua, matando três pessoas.
Segundo o jornal Público, a REFER estará mesmo a analisar propostas de seis empresas para realizar a recuperação da ferrovia.
A empreitada deverá custar entre 100 e 150 mil euros.
Estão previstas duas fases na intervenção, a primeira visa unir os carris no ponto do acidente e a segunda prevê o reforço estrutural das arribas e consolidação de taludes ao longo da linha.
Estes trabalhos só vão ser levados a cabo quando estiver pronto o estudo que a gestora de infra-estruturas ferroviárias mandou elaborar.
A recuperação imediata do material circulante deverá ocorrer durante os meses de verão.
A principal dificuldade prende-se com a falta de acessos ao local do acidente e ainda o facto de o espaço ser exíguo para efectuar várias manobras.
Já está decidido o desmantelamento da carruagem acidentada no leito do rio, podendo algum equipamento ser aproveitado para outras automotoras.»

O que se disse...

«"[...] compreendo o eng. Sócrates, quando jura que ninguém 'será sancionado pelo uso do direito da liberdade de expressão'. Só o prof. Charrua, varrido há um mês de funções. Os outros milhões de desordeiros são dificílimos de apanhar."»
Alberto Gonçalves, "Diário de Notícias", 27-05-2007

domingo, 27 de maio de 2007

Daqui e dali... João Lopes de Matos

Desertificação

É sabido que ao longo dos anos o nosso concelho se tem vindo a desertificar.
A vida era paupérrima e as pessoas, sobretudo a partir dos anos sessenta, começaram a tentar encontrar uma vida melhor, emigrando.
O fenómeno do abandono é imparável e tende ainda nos dias de hoje a acentuar-se mais.Como inverter a tendência?Há alguns paliativos, por vezes mediáticos: - está neste caso o pagamento de determinadas importâncias a quem tenha mais que um certo número de filhos.
A que recorrer então?
Com certeza que a instalação duradoura de pessoas assentará na criação de muitas estruturas na sede do concelho no domínio educacional, desportivo, cultural, etc…
Residirá também numa agricultura e pecuária modernas capazes de produzirem rendimentos razoáveis propiciadores de uma vida digna.
A instalação de algumas pequenas indústrias também será desejável.
No entanto, parece que o grosso do aumento de emprego consistirá no desenvolvimento turístico, aproveitando os montes, os pontos históricos e o rio Douro.
Esta modernização deverá ser incentivada e por vezes iniciada pela autarquia camarária e posta em acção pelos investidores particulares.
Se nada se fizer nestes domínios, a desertificação será cada vez maior.
A boa vontade da autarquia com subsídios e pancadinhas nas costas não levarão a lado nenhum.

João Lopes de Matos


Foto Rui Lopes

Fechos ameaçam Interior

«São 1313 as escolas básicas do 1.º Ciclo que não deverão reabrir no início do próximo ano lectivo. O JN teve acesso ao relatório produzido pelo Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo (GIASE), que sinalizou 614 estabelecimentos para fecharem só na Região Centro. Pelo país multiplicam-se os concelhos que ficarão apenas com uma, duas e três escolas - sempre no Interior. No Alentejo, aumentam os municípios que só ficam com as integradas a funcionar - caso de Barrancos e Gavião. As direcções regionais de educação alegam "não ter ordens" para se pronunciarem. O ministério mantém-se em silêncio. Os sindicatos revoltam-se contra o que consideram ser a "desertificação" do país.» JN

sábado, 26 de maio de 2007

Lixo mancha património mundial

«Imagine-se participante de um concurso televisivo. Pergunta Que tipo de objectos pode encontrar em pequenas lixeiras nas encostas do Alto Douro Vinhateiro? Diga tudo o que lhe vier à cabeça e verá que dificilmente vai errar uma. Uma guitarra desfeita, uma sanita partida, um cão morto, as calças que não servem, um pneu velho, os sofás que passaram de moda… A variedade não caberia neste texto, mas terá de caber nos camiões do grupo SUMA, que até ao final deste ano vai limpar os pontos críticos nas margens do rio Douro e seus afluentes. (...)
Limpeza em curso
O exemplo dado é apenas um dos muitos no Douro. Para acabar com estes atentados ambientais, Alfredo Carvalho dá a receita "As autoridades têm de lhes carregar com multas pesadas". Ora, de acordo com o Tenente Eduardo Lima, comandante do destacamento da GNR da Régua, as coimas aplicadas a quem depositar resíduos no meio ambiente "rondam sempre os 500 euros" para pessoas singulares. Mas o valor final varia consoante a gravidade da infracção e se houver reincidência. No caso de pessoas colectivas, a coima é multiplicada por cinco. "Com coimas pesadas as pessoas retraem-se mais", observa.
O problema das lixeiras clandestinas tem representado uma verdadeira dor de cabeça para os autarcas. (...)
O projecto de erradicação das dissonâncias ambientais do Douro é promovido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte e pelo Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos. O grupo SUMA tem nove meses para "eliminar a incúria e resgatar a dignidade" que é devida ao Alto Douro Vinhateiro, Património da Humanidade. Já foram limpos os pontos críticos dos concelhos de Lamego, Mesão Frio, Régua e Santa Marta de Penaguião. Neste momento os trabalhos decorrem em Vila Real, seguindo-se os municípios de Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Sabrosa, S. João da Pesqueira e Tabuaço.» JN

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Comissão Europeia reduz para metade área de vinha a ser arrancada

«A Comissão Europeia vai propor que a área inicialmente avançada de 400 mil hectares, em toda a União, para o arranque de vinhas seja reduzida para 200 mil hectares. (...) As compensações previstas para os 200 mil hectares, nos cinco anos, envolvem um custo total de 1070 milhões de euros, a atribuir de forma progressiva, isto é, em 2009 seriam atribuídos, em média, 1174 euros por hectare, podendo chegar a 2938 euros por hectare em 2013. Não está, ainda, definido quantos hectares de vinha terão de ser arrancados em Portugal no âmbito desta reforma. O ministro da Agricultura, Jaime Silva, afirmou que continuará a defender o princípio da subsidiariedade na aplicação deste normativo. Uma das questões que assegurou ir acautelar é que aqueles que foram apoiados na reconversão da vinha não sejam tentados, por estes apoios, a arrancar. É que, além destas ajudas, está previsto manter o pagamento das ajudas directas aos produtores das áreas abrangidas pela medida - um prémio máximo de 350 euros por hectare.
(...)Mas esta medida é um contra-senso com a decisão de liberalizar a plantação depois de 2013, agora arranca-se e depois deixa-se plantar, criticou o deputado Agostinho Lopes, do PCP. A comissária salientou que, dadas as regras comunitárias sobre as indicações geográficas, não será possível alargar essas áreas.
Os produtores criticaram também, sobretudo os que representam o vinho do Porto e o da Madeira, o fim de algumas das medidas, como é o caso dos apoios à destilação de álcool, essencial na produção destes vinhos licorosos. Mas esta abolição é algo que a Comissão pretende manter para dar cumprimento aos acordos da OMC.
Apesar das críticas, todos os intervenientes salientaram a urgência de se fazer uma reforma no sector e sublinharam a importância de se preverem apoios para a promoção.»
Ana Fernandes in Público

Daqui e dali... João Lopes de Matos

A minha sogra morreu

Que têm as pessoas a ver com este facto? Em princípio muito pouco.
Mas se eu vos disser quem era a minha sogra talvez mudem de ideias.
Ora, a minha sogra, Maria Eugénia Veiga, do Seixo, era uma pessoa simples, não muito faladora, amante mais das acções que das palavras.
O que mais me impressionou sempre nela foi o seu espírito de entrega aos outros, de dádiva permanente, de obsequiar todas as pessoas que se cruzavam no seu caminho.
Não queria nada para si própria. A felicidade para ela residia na felicidade alheia.
Mas será possível existirem pessoas assim?
É possível sim. Admirável mesmo.
A sua conduta era sem mácula e serenamente feita de entrega total.
Por isso, o momento que mais me emocionou no funeral foi quando tive de escrever no bilhete do ramo de flores que depus a seus pés a única coisa que lhe poderia dizer: "Desculpe-me se alguma vez a ofendi".
Porque dói muito ferir quem gosta apenas de dar-se aos outros, prescindindo de tudo para si.

João Lopes de Matos

V Jornadas da Primavera

Desde 2003 que a Associação Terras Quentes (Associação de Defesa do Património Arqueológico) realiza anualmente as jornadas da primavera, em parceria com a Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros. Este ano, as Quintas Jornadas vão ter lugar amanhã, 26 de Maio, no Centro Cultural de Macedo, às 14h00.
Após termos terminado os trabalhos de inventariação do concelho de Macedo de Cavaleiros no final do ano passado, estabelecemos um protocolo com a diocese de Bragança-Miranda, com a Polícia Judiciária, com a Universidade de Lisboa, a Católica do Porto e já várias câmaras municipais do distrito aderiram também. Neste momento, depois de termos terminado os trabalhos de inventariação em Macedo de Cavaleiros, os nossos técnicos encontram-se agora no concelho de Alfândega da Fé a fazer a inventariação. Iremos, em seguida, para Carrazeda de Ansiães e Vila Flor. São portanto os trabalhos que temos programados para o ano seguinte, 2007/2008”.
Onda Livre

Milhares de utentes em risco de ficar sem médico

«Milhares de utentes dos centros de saúde do Norte do país poderão ficar sem médico de família devido a uma possível debandada de médicos espanhóis que estão a trabalhar em Portugal. O alerta é dado pela Associação de Profissionais de Saúde Espanhóis em Portugal (APSEP). O seu vice-presidente, Carlos Salgado, diz mesmo que por cada médico que troque o seu lugar por um emprego na Galiza pelo menos 1500 utentes ficarão sem médico de família.» JN

Está bom!

Estão bons os novos marcos a implantar nos centros de património arqueológico do concelho de Carrazeda de Ansiães. A informação é suficiente e estão estéticamente bem inseridos.

Ordem dos médicos responsabiliza Ministério por eventuais falhas na assistência de doentes

O Ministério da Saúde deve ser responsabilizado, caso existam falhas na assistência dos doentes do distrito de Bragança durante o período em que os médicos estão apenas de prevenção nos centros de saúde. Quem o diz é Pedro Nunes, o bastonário da Ordem dos Médicos que esteve ontem no distrito de Bragança.
Este responsável não concorda que o INEM continue a encaminhar doentes graves para os centros de saúde quando os médicos estão apenas em prevenção e diz que se alguma coisa correr mal, quer os médicos quer as próprias populações devem interpor acções judiciais e responsabilizar a tutela. “Essas transferências são um convite para que os doentes graves morram e para a responsabilização dos médicos por não estarem nos centros de saúde e por demorarem mais de dez ou 15 minutos”, diz.
Esta mensagem foi deixada no 23º Encontro Transmontano do Clínico Geral que decorre até amanhã em Vimioso (...)
desde o dia 27 de Abril que nos centros de saúde de Bragança à noite fica apenas em presença física um enfermeiro o médico deve responder à chamada. Brigantia

Motocrosse - anulação da prova de Carrazeda de Ansiães

O “nacional” de motocrosse sofre um interregno de cerca de um mês devido à anulação das provas de Paço dos Negros e Carrazeda de Ansiães. A última e decisiva jornada do Campeonato Open de Motocross acontece na pista Acel Sport do Escandarão (Ourém) no dia 3 de Junho e conta com a organização do Natureza Motor Clube.
A prova de Carrazeda de Ansiães estava prevista para o próximo fim de semana de 26 e 27 de Maio.

Descida dos preços do roaming

As chamadas feitas em roaming - isto é, fora do país do operador - vão ser mais baratas, na União Europeia, a partir de Julho de 2007.
O novo regulamento, aprovado hoje pelo Parlamento Europeu, estabelece que o preço máximo de cada chamada entre telefones móveis de países diferentes na EU será de 49 cêntimos por minuto. Prevê ainda a descida deste valor para 46 cêntimos no próximo ano e 43 cêntimos em 2009.
O preço das chamadas recebidas em roaming vai também sofrer reduções, atingindo em 2009 os 19 cêntimos por minuto.
As eurotarifas vão ser aplicadas de forma automática, não tendo os clientes de realizar qualquer operação para as utilizarem.

Vão fechar 18 zonas agrárias este ano

«As zonas agrárias de Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Vila Flor, Vimioso e Vinhais deverão encerrar ainda este ano.» JN

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Está mal!

Muito se falou, muito se escreveu sobre a situação da comunidade cigana de Carrazeda de Ansiães. O "Bairro do Iraque" voltou a cair no esquecimento, a discussão serviu de nada!

Nordeste Transmontano em debate sobre "Estratégias da Gestão de Águas e Resíduos"

Decorreu ontem no Centro Cultural de Macedo de Cavaleiros um seminário promovido no âmbito da implementação da Agenda 21 Local
A Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros está a implementar um processo de Agenda 21 Local, projecto promovido pela Empresa Intermunicipal Resíduos do Nordeste, em conjunto com outros sete municípios do Nordeste Transmontano: Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães, Miranda do Douro, Mirandela, Mogadouro, Vila Flor e Vimioso. Um processo dinamizado pelo Grupo de Estudos Ambientais da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa.
No âmbito destas Agendas 21 está a ser organizado um ciclo de seminários temáticos centrado em aspectos considerados estratégicos para o desenvolvimento sustentável da região.
DN
Em breve todas as operações nas caixas multibanco serão taxadas pela SIBS.

Mirandela cria plano para organizar eventos

«E até ao fim do ano a câmara de Mirandela quer ter pronto um plano estratégico capaz de concertar a organização de eventos na área comercial da cidade.Uma acção que visa o fim do actual cenário, em que as iniciativas são organizadas de uma forma arbitrária por diversas instituições.»

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Casa do Douro obrigada a vender património

«A Casa do Douro está a vender património para pagar as penhoras e libertar vinhos que estão também penhorados. A Direcção do organismo representativo dos 40 mil viticultores durienses decidiu vender armazéns, destilarias e outras instalações para minorar a crise financeira em que vive mergulhada. A venda mais emblemática feita até agora ocorreu com as instalações do Pinhão, situadas na zona ribeirinha. O negócio está concretizado e pode trazer para os cofres da Casa do Douro milhares de euros. Ao que o JN apurou, uma equipa de advogados ligada ao grupo Carlos Saraiva, que possui no Pinhão a unidade hoteleira "CS Vintage House", acordou com a Casa do Douro a venda de todo o espaço que pertencia ao organismo imóvel, cubas e casa do responsável pelas instalações.
Também o edifício de Favaios já foi vendido, bem como o de Carrazeda de Ansiães. Neste último, negociado com a Câmara local, além de dinheiro, a Casa do Douro recebe um terreno de cerca de mil metros quadrados situado na zona industrial daquela vila. "São instalações desaproveitadas de que não precisamos, e também representam um património ligado à história da região que pode ser, assim, mantido ou recuperado em alguns casos. Realizámos dinheiro e, ao mesmo tempo, podemos investir noutros equipamentos e fazer frente a outras despesas e dívidas" disse, ao JN, uma fonte da direcção da Casa do Douro. Para venda estão também os armazéns e as destilarias do Corgo (Régua), Fontelo de S. Domingos (Armamar), Barro (Resende) e Tua (Carrazeda de Ansiães). O problema é que "não tem havido muita procura nem interesse dos operadores na compra deste património", conforme confessou a mesma fonte. As instalações do antigo Grémio da Lavoura de Sabrosa pertencentes à Casa do Douro estão também na calha. (...)
JN

Democracia...

DN

Tribunal de Família e Menores em Bragança

«O distrito de Bragança pode vir a receber o Tribunal de Família e Menores, na sequência da reorganização em curso, dos Tribunais. A mesma reorganização que aponta para o encerramento de três Tribunais Judiciais no distrito, em Vimioso, Carrazeda e Alfândega da Fé e também para a extinção do Tribunal de Circulo de Mirandela. Actualmente no distrito todos os casos que envolvam menores e, nomeadamente, a regulação do poder paternal, são decididos nos Tribunais Judiciais.»

Está bom!

O aproveitamento das águas do ribeiro de Belver para a barragem foi finalmente executado.

Orçamento do Centro Hospitalar do Nordeste vai ser reduzido em 4 milhões de euros

«O Centro Hospitalar do Nordeste (CHN) vai sofrer já este ano de 2007 uma quebra na ordem dos 10 por cento no orçamento anual, resultado do contrato programa assinado com a Administração Regional de Saúde do Norte. Segundo o quinzenário “A Voz do Nordeste”, em 2006, o CHN recebeu 46 milhões de euros, este ano vai receber menos quatro milhões.
O quinzenário aponta a baixa na produtividade dos três hospitais, Bragança, Mirandela e Macedo de Cavaleiros, que agora funcionam em conjunto como centro hospitalar como principal razão para esta quebra de 10 por cento no orçamento e dá como exemplo os serviços de obstetrícia que com o encerramento da maternidade de Mirandela sofreram uma acentuada redução no numero de partos no distrito.
(...) Ainda segundo a voz do nordeste os 40 milhões de euros que em tempos foram prometidos para remodelar e ampliar o Hospital de Bragança, um projecto abandonado porque o Ministro da Saúde argumentando que os cofres do Estado não comportavam tal investimento, vão ser utilizados na reconstrução do Hospital da Guarda.»

terça-feira, 22 de maio de 2007

10 mil para centro de dia saem do bolso de autarcas

«Horta da Vilariça, no município de Torre de Moncorvo, possui desde sábado um centro de dia que acolhe, por enquanto, 15 idosos. Uma obra que só foi possível devido à boa vontade dos três membros da Junta de Freguesia, que disponibilizaram do seu bolso cerca de 10 mil euros e se comprometem a continuar a financiar parte do funcionamento daquele serviço. (...) Como "não teve qualquer apoio do Estado nem da Segurança Social", explica o autarca local, Luís Carvalho, foi preciso que a Junta abrisse os cordões à sua magra bolsa e pedisse a colaboração da Câmara de Moncorvo. O restante, 10 mil euros, foi pago por ele próprio e pelos outros membros da Junta, o tesoureiro António Lopes e a secretária Maria Manuela Meneses.(...)»

Sinalética da região avança até à vindima

«Vai sair finalmente do papel a sinalização do Alto Douro Vinhateiro Património da Humanidade, processo que se arrasta há mais de cinco anos entre gabinetes e regiões de turismo.
Segundo Ricardo Magalhães, chefe de projecto da Unidade de Missão do Douro, este organismo "em conjunto com as comissões regionais de turismo da Serra do Marão, Douro Sul e Nordeste Transmontano, deverão ter implementada no terreno uma boa parte da sinalização a tempo das próximas vindimas". O valor do investimento, com apoio de fundos comunitários, ascende a 135 mil euros.
(...)
Outro dos projectos já em curso passa por dar seguimento à reconstrução dos muros de xisto "num total de mais de mil quilómetros, que se espera venha a ser comparticipado no próximo quadro comunitário. Ricardo Magalhães mostrou-se mais uma vez" plenamente convicto na Regionalização daqui a quatro anos", mas exortou empresários e responsáveis locais "a começarem o trabalho já e não a ficarem à espera que daqui a quatro anos tudo se resolva da noite para o dia". Lembrou, ainda que "sem os 30 mil pequenos vitivinicultores, a região ultrapassará a linha de água e um ponto de difícil retorno no que toca ao despovoamento"

Ansiães Sem Fronteiras

ANSIÃES SEM FRONTEIRAS

"Se gostas de te divertir, gostas de água, gostas de competição, gostas de aventura,
Então não percas tempo. Procura 7 amigos que tenham 16 anos ou mais e entra no desafio."
Entre 14 e 20 de Julho
Inscrições até 22 de Junho com as Técnicas de Desporto nas Piscinas Municipais
Organização: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães

segunda-feira, 21 de maio de 2007

As taxas de IMI a praticar pelos municípios em 2007

Em 2007, os proprietários de imóveis continuam a suportar uma factura pesada de IMI (imposto municipal sobre imóveis que desde 2004 substitui a contribuição autárquica).
40% das 308 câmaras do País vão cobrar IMI pela taxa máxima permitido por Lei.
Veja aqui a lista completa e saiba qual a taxa que o seu município está a cobrar este ano.
Fonte: Jornal de Negócios

Férias de Verão

"Da Descoberta à Aventura"
Férias de Verão


.
De 3 a 31 de Julho
Inscrições até 1 de Junho
Organização: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães

Daqui e dali...

Sou elogiado, logo existo
«José Sócrates, já se descortinava, não se comove com lágrimas. Só há uma coisa que o torna uma Floribella arrependida: um elogio. Sócrates sente que o PS actual é um exército de técnicos perfeitos na arte da graxa, mas quem gosta de ser elogiado, como ele, adora palcos mais vastos.
Portugal é um mercado de vénias: há incondicionais do "sim", que se prestam a tudo fazer, desde que isso reverta a seu favor num futuro próximo. Sócrates gosta de se ouvir e de que todos repitam o que disse, como um coro juvenil. Mas quando escuta isso da boca de um estrangeiro, o primeiro-ministro entra nas portas do seu céu privado: uma sala de espelhos que reflectem a sua imagem e músicas de elevador que evocam a pureza das suas convicções. Sócrates ficou estarrecido quando Nicolas Sarkozy mostrou que ele era um exemplo para o queria fazer em França. E se o elogio fosse um eucalipto tudo teria ficado seco à sua volta quando soube que era considerado o "Tony Blair português". Sócrates sonha que um elogio é meio caminho andado para a verdade. Para se ser elogiado com qualidade há que ter os amigos bem colocados. É isso que garante, aos olhos de Sócrates, a veracidade dos elogios recebidos. Uma coisa é ser elogiado por Armando Vara ou por Pina Moura. Outra é sê-lo por um qualquer militante do PS de Carrazeda de Ansiães. Sócrates gosta de elogios ao pequeno-almoço, ao almoço e ao jantar. Por isso convive tão mal com a crítica "de sarjeta". Bom mesmo é o elogio "de conserva". Porque ao ser elogiado, existe.» Fernando Sobral, Jornal de Negócios

Ministério anuncia ajuda para agricultores

«O Ministério da Agricultura anunciou hoje que vai disponibilizar ajuda imediata aos agricultores da freguesia de Jou, Murça, afectados pela queda de granizo, no sábado, através do fornecimento gratuito de adubos fólicos e cálcio.»
RTP
lpveloso - intertoon

Azibo e Bornes mais limpos

«Cerca de 30 toneladas de lixo foram recolhidos ontem no concelho de Macedo de Cavaleiros.
Uma iniciativa da camara municipal levada a cabo para comemorar o dia nacional dos caçadores pelo ambiente.Um dia que também foi aproveitado para hastear a bandeira que identifica Macedo como um municipio EcoXXI.»

Está razoável!

Boa a intervenção urbanística.
Desnecessária a rotunda daquele tamanho devido à impossibilidade de circularem veículos de maiores dimensões. Bastaria um sinal "STOP" em cada transversal?

Técnicos do Ministério avaliam estragos do Granizo

«Os técnicos da Direcção de Agricultura de Trás-os-Montes e Alto Douro estiveram ontem de manhã a avaliar os prejuízos causados pela queda de granizo nas plantações e caminhos agrícolas da freguesia de Jou, no concelho de Murça (Vila Real). O vice-presidente da Câmara de Murça, José Maria Costa, disse à Agência Lusa que a queda de água e granizo durante cerca de hora e meia ao final da tarde de sábado provocou “grandes prejuízos” um pouco por toda a freguesia de Jou. “Grande parte” da produção de cereja, maçã, castanha, batata, cereais, produtos hortícolas e vinha desta região ficou “praticamente destruída”. Entre “70 a 80 por cento” da produção da freguesia “ficou destruída”.»

domingo, 20 de maio de 2007

Primeira ambulância SIV em Mirandela

«A primeira ambulância Suporte Imediato de Vida (SIV) prometida para o distrito de Bragança vai ser instalada em Mirandela, no âmbito da restruturação da Rede Nacional de Urgências.
O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) confirmou ao JN que já está a proceder à contratação de enfermeiros para reforçar os seus meios, nomeadamente em Mirandela, cujo hospital vai passar a ter uma urgência médico-cirúrgica integrada na RNU. A viatura deverá chegar a Trás-os-Montes durante o segundo semestre deste ano.
No entanto, este plano contraria as expectativas de alguns autarcas, uma vez que a informação que circulava, era de que a prioridade seria a colocação de ambulâncias SIV em localidades mais distantes do eixo do IP4, onde já estão concentrados os três hospitais. Esta foi a proposta apresentada aos autarcas com a restruturação dos serviços de saúde na região, com o objectivo de minimizar o impacto do fim do Serviço de Apoio Permanente (SAP) nos centros de saúde após as 22 horas.
Esta situação foi classificada "transitória" pelo próprio ministro da Saúde, Correia de Campos, e foi desenhada tendo em conta as dificuldades de comunicação no distrito, até estarem criadas na região as condições necessárias para que os centros de saúde possam encerrar durante a noite. Isto é, a aquisição de um helicóptero SIV, que ficará estacionado em Macedo de Cavaleiros, e três ambulâncias SIV, cuja distribuição estava prevista para várias localidades, uma para Macedo de Cavaleiros e que entraria em funcionamento sempre que o helicóptero não pudesse levantar voo devido às condições atmosféricas, as outras duas ficariam estacionadas em Moncorvo, para servir a zona do Douro Superior, e em Miranda do Douro.»

sábado, 19 de maio de 2007

Democracia...

Professor de Inglês suspenso de funções por ter comentado licenciatura de Sócrates
«Um professor de Inglês, que trabalhava há quase 20 anos na Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), foi suspenso de funções por ter feito um comentário – que a directora regional, Margarida Moreira, apelida de insulto – à licenciatura do primeiro-ministro, José Sócrates.
(...)o professor faz os seus comentários sobre a situação. "Se a moda pega, instigada que está a delação, poderemos ter, a breve trecho, uns milhares de docentes presos políticos e outros tantos de boca calada e de consciência aprisionada, a tentar ensinar aos nossos alunos os valores da democracia, da tolerância, do pluralismo, dos direitos, liberdade e garantias e de outras coisas que, de tão remotas, já nem sabemos o real significado, perante a prática que nos rodeia."»

Governo centralista e controlador

«O deputado social-democrata Sérgio Vieira acusou o governo socialista de ser “o mais centralista e controlador” da história da democracia portuguesa, denunciando ataques contra o poder local e o esquecimento a que foi votada a região norte. “Estamos perante o governo mais centralista e controlador de que há memória na democracia portuguesa”, defendeu Sérgio Vieira, numa intervenção proferida na Assembleia da República, onde considerou que o executivo liderado por José Sócrates “convive mal com os poderes democráticos dos municípios e das regiões autónomas”.»

Linha do Douro não vai fechar

Estrutura de Missão do Douro reuniu pela primeira vez para definir prioridades

«A Estrutura de Missão do Douro vai lutar pela linha do Douro, desde a Régua a Barca d´Alva. Na primeira reunião com os 21 autarcas da Região Demarcada do Douro, realizada em Tabuaço no dia 16 de Maio, foi definido que a linha férrea não pode fechar até porque está inserida numa paisagem classificada como Património Mundial.»
DN

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Daqui e dali... Mário Cardoso

Portugal a duas velocidades
A propósito de desertificação e do abandono do interior, lembro-me de a minha professora de História de 12º ano dizer que todos os políticos deveriam ter uma formação em história para que hoje não se cometessem os mesmos erros do passado. Nos sec. XIV, XV, XVI, não são raras as vezes que os historiadores da época falavam do abandono das terras em busca de melhores condições de vida nas cidades do litoral. As consequências são exactamente as mesmas, cidades sobrelotadas, precariedade de vida, problemas e conflitos sociais, etc, etc.
Nos nossos dias acentuam-se as diferenças entre um interior subpovoado com tendência a decrescer e o litoral da faixa que liga Setúbal a Braga hiperpovoado.
Já há muitos anos que se verifica esta tendência e também há muito tempo é de conhecimento dos vários governos que por nós passaram. Fazem-se colóquios e mais colóquios, fala-se e debate-se em programas televisivos, realizam-se palestras nos auditórios de universidades, no entanto o problema continua e nada se faz em concreto.
Compreende-se porque não se investe no interior, e são vários os factores:
-População envelhecida, pouca escolaridade e com ela associada falta de formação e mão-de-obra qualificada, maus acessos e poucas estruturas viárias, por ex. Bragança é o único distrito do país que não tem um km de auto-estrada, nem terá nos próximos anos.
É no interior que se registam os mais baixos valores de poder de compra.
Se não há investimento também não há emprego, e as pessoas procuram-no onde existe. É no litoral desenvolvido que existe mais ofertas de emprego e também maiores garantias de progressão e realização profissional. Ora, este facto tem o “reverso da medalha”, crescimento desordenado, costa litoral deteriorada, problemas sociais, poluição, aumento da criminalidade, etc.
É necessário resolver esta dicotomia e desenvolver uma maior equidade entre regiões e é ao Estado que compete ter a iniciativa de promover investimentos estruturais para o interior do país. É também competência do governo definir políticas de coesão económica, social e territorial. Também tem que definir programas de ordenamento do território.
Na minha opinião o governo deveria pôr de novo na sua agenda, a regionalização.
Uma das prioridades do QREN (quadro de referencia de estratégia nacional 2007-2013) para além da educação como foi referido, será a qualificação do território, a promoção do seu melhor ordenamento e a redução das assimetrias regionais, sendo assim o governo fica comprometido com o interior. O QREN apresenta-se como a ultima grande oportunidade para que todas as regiões atinjam as metas de desenvolvimento traçados para a União Europeia, e todos os cidadãos disponham de idênticas oportunidades independentemente do local onde se encontrem. Durão Barroso disse que Portugal vai receber mais de 21,5 mil milhões de euros até 2013. É muito dinheiro que tem de ser bem gerido…
Terá o governo alguma estratégia de desenvolvimento e planeamento do território? Eu penso que tem, mas está a fazer tudo errado como os outros tem feito até aqui. (Enfim são todos maus alunos!...) O Estado está em debandada no interior do país. Com esta política de encerramento do País, sendo claramente o interior mais prejudicado, vemos a serem canalizados para a Grande Lisboa grande parte dos Recursos, quer humanos quer financeiros. Tudo em nome de uma estratégia que visa diminuir o deficit público, mas será esta a forma mais correcta? Veremos os resultados em 2013, esperando que não continue tudo na mesma ou ainda pior, sendo este o cenário mais provável.
Em vez de termos um Portugal a duas velocidades antagónicas, deveríamos ter um país uno, equilibrado no seu ordenamento e oferta de oportunidades. Os autarcas do Interior deveriam unir-se e, em unanimidade, com uma força coesa, levantarem a voz contra uma politica que só prejudica gravemente os nossos interesses…

Mário Cardoso

Está bom!

Zona envolvente da biblioteca municipal.
Escultura de Alberto Carneiro.

Feira de actividades económicas de Mirandela decorre de 22 a 26 de Maio

Reginorde com entradas gratuitas

«O figurino da Reginorde foi este ano radicalmente alterado pela organização, de forma a dinamizar ainda mais o certame. Na 24ª edição, que abre na próxima terça-feira, as entradas no recinto vão ser gratuitas, pondo fim à cobrança de bilhetes que nos últimos anos era de cerca de 5 euros por noite. A par das entradas gratuitas, regista-se também um corte nas despesas com o programa musical. Isto depois de no ano passado, segundo explicou Jorge Morais, o presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Mirandela, a bilheteira conseguida com artistas de referência nacional, como João Pedro Pais e Pedro Abrunhosa, ter ficado aquém do esperado. Por isso, em 2007 a aposta nos espectáculos centra-se em concertos mais económicos destinados ao público mais jovem. No dia do encerramento, a feira conta com a actuação de Mikael Carreira, que resultou da escolha do público depois de um concurso efectuado localmente.

Outra novidade desta edição, está relacionada com a disponibilização de um pavilhão exclusivamente para o comércio tradicional de Mirandela, “dando-lhe assim uma oportunidade de negócio”. A pensar nos comerciantes da área do sector têxtil, que é o que mais predomina na cidade vai realizar-se um desfile de moda com as colecções dessas lojas. A estrela da passerelle será Rita Pereira, a protagonista da telenovela “Doce Fugitiva”, acompanhada do namorado Angélico Vieira, cantor dos D’ZRT.
A edição deste ano da Reginorde arranca na próxima terça-feira e prolonga-se até ao dia 26 de Maio. Tem um orçamento de 100 mil euros e conta com a participação de cerca de 200 expositores.»

Verdes na linha do Tua

«Os Verdes temem que a fatídica viagem do dia 12 de Fevereiro, tenha sido a última na linha do Tua. Representantes do Partido Ecologista estão a fazer uma viagem de dois dias pelas linhas do Douro, Tua e Corgo, que começou ontem e culminará sábado, no Porto, com a realização de um fórum para analisar este sector. Os Verdes reclamam mais investimento do governo no transporte ferroviário tradicional, argumentando que pode gerar uma riqueza capaz de fixar mais gente no interior»

Está mal!

Lixeira entre a zona industrial e o "Bairro do Iraque" (acampamento cigano) em Carrazeda de Ansiães.

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Autarcas do Douro querem ferrovia até Espanha

«Os autarcas do Douro estão disponíveis para dinamizar uma ferrovia entre o Porto e Salamanca. Uma das acessibilidades que consideram fundamental para desencravar a região duriense. O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte e encarregado da Estrutura de Missão do Douro apoia a iniciativa e estará mesmo disponível a candidadata-la ao próximo Quadro de Referência Estratégica Nacional.
Este foi um dos assuntos abordado esta quarta-feira, na primeira reunião dos presidentes de câmara do Douro com esta estrutura. Artur Cascarejo, o autarca de Alijó adinta que estão disponíveis para dinamizar a ferrovia, de preferência com o patrocinio da CP e da REFER, mas também admitem fazê-lo com parcerias publico/privadas. Nesta reunião foi ainda salientada a necessidade de ser construído um aerodromo regional com uma pista de 3 quilómetros de comprimento, que sirva o Douro. Uma estrutura que poderia ser instalada em Alijó. Na primeira reunião da Estrutura de Missão do Douro foram discutidos vários projectos a incluir num Plano de Acção Intermunicipal a levar a cabo entre até 2013, aproveitando fundos comunitários. Artur Pimentel crê que com esta unidade responsável pela dinamização dos projectos, há uma nova esperança para o Douro.»
RBA

Cresce a rede de bibliotecas escolares em Bragança

«Carrazeda de Ansiães, Vila Flor, Miranda do Douro, Alfândega da Fé são os proximos concelhos a integrar a rede de bibliotecas escolares. A informação foi avançada pela coordenadora distrital do programa durante uma visita que a coordenadora nacional promoveu esta quarta-feira a algumas bibliotecas no distrito de Bragança.
O programa foi lançado há 10 anos e as primeiras bibliotecas do distrito abriram em 1999. Agora já são 20 e em breve mais cinco vão passar a funcionar. Esta quarta-feira a coordenadora nacional do programa visitou algumas escolas do distrito. Realçou o papel das autarquias pelo constributo dado na implementação das bibliotecas nas escolas EB1.Teresa Calçada acrescenta que estas bibliotecas pretendem também agilizar procedimentos em rede entre as escolas e bibliotecas públicas. Teresa Calçada faz um balanço positivo dos 10 anos de funcionamento da rede de bibliotecas e refere que ela vai ser sujeita a uma avaliação por parte de uma universidade.»
RBA

Descentralização/regionalização - Vale do Douro - III

Autarcas do Douro concertam acções e estratégia comuns

«Pela primeira vez, os autarcas da Região Demarcada do Douro falam a uma só voz. Foi ponto assente numa reunião, ontem, em Tabuaço, em que a Estrutura de Missão do Douro (EMD) apresentou o programa de acção para os próximos anos. Ideias base Manter activa, a todo o custo, a linha ferroviária entre a Régua e Barca d'Alva; criar uma marca de promoção da região, agilizar processos de licenciamento de projectos e relançar o Plano de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro.
Os autarcas subscreveram o rumo que a EMD quer trilhar, sendo que o seu chefe de projecto, Ricardo Magalhães, registou com agrado a existência, entre os responsáveis municipais, de "uma unidade Douro", que, realça, "era coisa que, há cerca de um ano, ainda não havia". A prova está na elaboração de um plano a implementar entre 2007 e 2013 e em que estão identificados 57 projectos estruturantes para a região.
Conseguida a proeza de pôr 21 municípios a puxar para o mesmo lado, "há que começar a trabalhar à escala global". Os desafios são muitos, mas há prioridades. Citando o encarregado de Missão do Douro, Carlos Lage, o chefe de projecto assumiu que "a linha-férrea do Douro não pode fechar". Ou seja, manter o troço Régua-Pocinho e reactivar a parte Pocinho-Barca d'Alva. Adiantou ainda que "se for necessário o Programa Operacional Regional estará disponível para apoiar o seu financiamento". Nos próximos meses, terá de se encontrar "o modelo de gestão da linha", que assentará em parcerias público-privadas, bem como articular com a Junta da Castela e Leão a sua exploração turística.
Segundo Ricardo Magalhães, vai ainda ser reavaliado o Plano de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro, na gaveta há três anos, e do qual só dois projectos avançaram a Escola de Hotelaria e Turismo de Lamego e a rede de aldeias vinhateiras (ainda decorrem obras). "Ficou-se muito aquém", reconheceu. A segunda fase do plano requer uma actualização, sobretudo para aquilatar se se mantêm as intenções de investimento de há três anos, no valor de cerca de 300 milhões de euros. Para o efeito, estão previstas reuniões diversas com um conjunto de agentes ligados à região e com as diversas tutelas. Dentro de três meses haverá novo balanço. "Quando houver faltas de decisão, não ficaremos calados", assegurou o chefe de projecto.
Entre as acções a implementar no imediato, destaca-se a sinalização do Alto Douro Vinhateiro, cuja primeira fase deverá estar concluída até às vindimas, tal como o JN avançou ontem. Também já está em execução um projecto de reabilitação dos muros de xisto, em colaboração com a Direcção Regional de Agricultura do Norte e que se vai estender até 2013. "Com sentido estratégico, acho que vamos mudar o Douro", sentenciou Ricardo Magalhães.»
Eduardo Pinto in Jornal de Notícias

O que falta fazer pelo azeite - Mário Abreu Lima

«É já frequente na nossa vida pública assistirmos a compromissos e a assunção de grandes linhas de política, por parte de sucessivos governantes, serem completamente ignorados ou esquecidos logo que os ventos da conveniência e oportunidade mudem de direcção ou de sentido.
Pois bem, estaremos por certo todos lembrados da grande afirmação de princípio do senhor ministro da Agricultura, elegendo o sector do azeite como importante e prioritário no panorama agrícola nacional. Ora, decorrida já metade do seu mandato, todos aguardamos um simples esboçar de atitude ou de política que conduza este importante sector ao lugar que merece e anseia, fazendo jus a tão peremptório compromisso.
Enquanto vamos assistindo ao sucessivo escorregar do Terreiro do Paço neste precioso e pouco valorizado óleo…, continuamos

- A não ter uma estrutura vertical na fileira do azeite, que lhe possibilite gerar valor acrescentado consentâneo com as potencialidades qualitativas do produto e o crescente reconhecimento dos consumidores;

- A não criar nenhum organismo que substitua a extinta ACACSA e que permita a monitorização e controlo da produção.

- A assistir a uma completa desregulação da produção, comercialização e introdução no consumo, por não existir nenhum sistema de traçabilidade que permita o controlo da origem do azeite introduzido no consumo, nem dos volumes e da sua qualidade (exceptuam-se aqui os DOP, mas que representam somente 3% da produção nacional);

- A constatar que o próprio sistema de gestão e certificação das DOP apresenta debilidades pela reduzida dimensão e falta de capacidade técnica e financeira das respectivas entidades gestoras e certificadoras, pese embora o seu sacrifício e enorme empenho;

- A tristemente observar o alheamento à necessidade urgente de fomentar uma cultura do azeite em Portugal e às vantagens do seu consumo, bem como a um sistema que garanta a genuinidade e a qualidade do produto.

Não se acuse, porém, o sector de nada fazer! Ultrapassando as suas divergências, concertou estratégias e organizou-se, constituindo uma estrutura associativa interprofissional (AIFO) que aguarda reconhecimento, vai para seis meses, no Gabinete de Planeamento do Ministério da Agricultura.
Aguardamos, ainda, esperançados em não desesperar… pela intervenção prometida e pela ajuda na organização e promoção de um sector e de um produto que por si se distingue e em que Portugal já foi um dos destacados líderes mundiais!
E pode permitir ainda distinguir quem, honrando um compromisso que livremente assumiu, venha a honrar a instituição em que milita… tão afastada por vezes deste nobre princípio.»

Mário Abreu Lima in JN

quarta-feira, 16 de maio de 2007

lpveloso - intertoon

Daqui e dali... João Lopes de Matos

O Funeral do Padre Virgílio

Faleceu há dias, com mais de noventa anos, o condutor da vida religiosa da sede do concelho nas últimas cinco ou seis décadas.
É uma página da história de Carrazeda que definitivamente se vira. Ele representou uma maneira muito própria de viver a religião: conservadora e ritualista, no plano estritamente religioso, piedosa e defensora da boa vizinhança no plano moral.
Era algo que estava de acordo com os tempos.
O funeral foi digno, discreto, não excessivamente formal, o que se coaduna com os tempos actuais.
Presto a minha homenagem ao Sr. Padre Virgílio pela sua bondade e simplicidade e desejo que o seu sucessor saiba introduzir a inovação necessária para que mais se faça no plano social, não desdenhando antes desejando a colaboração de todas as pessoas de boa vontade.
A igreja é uma das mais importantes instituições, senão a mais importante e é desejável que ela represente um papel activo e aberto na resolução dos problemas das pessoas do concelho.
A morte do Padre Virgílio será o pretexto para um maior dinamismo, desse modo se lhe prestando a mais justa homenagem que ele mereçe.

João Lopes de Matos.

Está bom!

Intervenção e arranjo urbanístico de Carrazeda de Ansiães.
Melhor ainda se fosse sem estacionamento.

Descentralização/regionalização - Vale do Douro - II

Agendas impediram presença em seminário
«Afinal não terá havido qualquer boicote colectivo dos autarcas do Douro ao seminário de anteontem, no Palácio da Bolsa, no Porto, em que se discutiu o desenvolvimento da região. Tão-só agendas apertadas, reuniões inadiáveis ou uma falta de convite. Há quem defenda que está farto de tanta discussão e espera pela acção, e quem simplesmente declare que tal seminário era para se fazer no Douro e não no Porto.
Mas, se boicote houvesse, teria sido furado pelo autarca de Figueira de Castelo Rodrigo, António Edmundo. Percorreu as três horas e meia de distância até ao Porto para registar uma conclusão genérica "É preciso descentralização política e um líder para a região que se faça ouvir em Lisboa". E ouviu o chefe de projecto da Estrutura de Missão do Douro, Ricardo Magalhães, dizer que iria "tirar ilações" da falta massiva dos responsáveis municipais.
Ora, "o que foi dito já o sabemos nós há muitos anos", observa o presidente da Câmara de S. João da Pesqueira, Lima Costa. Diz que gostava de ter participado no encontro organizado pela Associação Comercial do Porto, mas a agenda não lho permitiu. E contesta que tenha sido "posta em causa a presença dos autarcas dando-se a entender que houve desleixo".
O homólogo de Carrazeda de Ansiães, Eugénio de Castro, não pôde ir, "porque tinha uma compromisso inadiável em Lisboa", considerando, mesmo assim, "lamentável" que tanta gente faltasse ao encontro da Invicta. Faz "mea culpa" e já adiou compromissos para ir à reunião de hoje em Tabuaço. "Quando o Douro está em causa toda a agenda municipal é adiável".
Em Vila Nova de Foz Côa, a Câmara anda a tratar com o Governo das "questões mais prementes" relacionadas com os serviços de saúde no concelho, e por isso o edil, Emílio Mesquita, não foi ao Palácio da Bolsa, nem vai hoje a Tabuaço. O presidente do Município de Armamar, Hernâni Almeida, só não foi ao Porto porque vai estar na reunião de hoje. Aduz que não tem nada contra o Porto, mas questiona "Por que é que havemos de fazer estas coisas lá? Acho que devemos fazê-las na região". Mais: "Disparate era os autarcas faltarem à reunião de hoje". O edil de Murça, João Teixeira, é dos não vai faltar hoje, e só faltou anteontem porque "só tomou conhecimento do evento pela Comunicação Social".
Eduardo Pinto in Jornal de Notícias




Plano de acção apresentado em Tabuaço


A Estrutura de Missão do Douro reúne hoje pela primeira vez com os 21 presidentes dos municípios da Região Demarcada do Douro. O encontro realiza-se, esta manhã, na Câmara Municipal de Tabuaço. Em cima da mesa vai estar um conjunto de propostas relativas ao programa de actividades daquela entidade e o Plano de Acção Intermunicipal do Douro que se pretende implementar entre 2007 e 2013, aproveitando ao máximo os fundos comunitários disponíveis.
Os autarcas estão expectantes. Fartos de ouvir falar em planos, anseiam por ver projectos a avançar. E, por isso, a esperança recai na Estrutura de Missão, e, sobretudo, no seu chefe de projecto, Ricardo Magalhães. "Não temos motivos para não acreditar nele, pois tem provas dadas e é um duriense como nós", sublinha Hernâni Almeida.
Também João Teixeira confia que "estão criadas as condições" para que se concretizem os planos previstos para o Douro. Nem lhe passa pela cabeça que a Estrutura de Missão possa desaparecer sem cumprir os seus objectivos. Até porque, como sublinha Hernâni Almeida, o plano que hoje é apresentado é, talvez, a "última oportunidade para o Douro", desejando que exista "mais facilidade e menos burocracia" para que os investidores se interessem pela região.
Deste plano, Lima Costa só quer saber qual é a componente financeira que lhe está associada "Fazer planos muito bonitos sem meios e recursos para os concretizar é dispensável", frisa, escusando-se a recordar pela enésima vez o que a região precisa para se desenvolver. "Não me falem em planos, estudos e análises. O que eu quero é acção!", subscreve Eugénio de Castro.
Emílio Mesquita prefere acreditar que já há uma "consciência nacional" de que é preciso desenvolver o Douro como um importante destino turístico. Confia mesmo que há-de chegar um "envelope financeiro" para a região. "Descentralização financeira", reclama António Edmundo. Euardo Pinto in Jornal de Notícias

Hospital Terra Quente já tem projecto na câmara de Mirandela

«O grupo privado – Rede Nacional de Saúde Privada SA entregou, dia 2 de Maio, nos serviços da Câmara Municipal de Mirandela, o projecto de construção do Hospital Terra Quente, SA. O projecto vai agora ser avaliado até Setembro, altura em que devem arrancar as obras, que se estimam estejam prontas a ser inauguradas em Junho de 2009. No total vão ser investidos cerca de 17 milhões de euros.»
Marisa Alves in O Informativo