sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Diário da República

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
E MINISTÉRIO DAS FINANÇAS
E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Despacho n.º 5509/2008

(...)

Determina -se que:
1 — Face à violação do limite de endividamento líquido fixado no n.º 6 do artigo 33.º da Lei n.º 60 -A/2005, de 30 de Dezembro, e atendendo à violação dos limites de endividamento líquido ou de médio e longo prazo em 2007, pelo Município de Carrazeda de Ansiães, conforme demonstra o quadro em anexo, ao abrigo do previsto no n.º 8 do artigo 33.º da Lei n.º 53 -A/2006, de 29 de Dezembro, seja aplicada, a este Município a redução de 10 % da respectiva transferência do Fundo de Equilíbrio Financeiro, prevista no Mapa XIX do Orçamento do Estado para 2008, pelo número de duodécimos necessário à redução correspondente ao excesso de endividamento verificado.
2 — A manutenção da redução seja reapreciada no 1.º semestre de 2008, após análise da evolução do endividamento municipal verificado em 2007,nos termos da lei.
3 — O montante resultante da redução seja afecto ao Fundo de Regularização Municipal previsto no n.º 4 do artigo 5.º e do artigo 42.º, ambos da Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro.

11 de Fevereiro de 2008. — O Ministro de Estado e das Finanças,
Fernando Teixeira dos Santos. — O Secretário de Estado Adjunto e da
Administração Local, Eduardo Arménio do Nascimento Cabrita.

Retenção de verbas a Carrazeda de Ansiães publicada em Diário da República

A Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães, Bragança, ultrapassou em 516.462 euros o limite de endividamento líquido em 2006, pelo que sofrerá retenções de verbas do Estado, segundo informação hoje publicada em Diário da República.
As verbas a reter mensalmente do Fundo de Equilíbrio Financeiro (FEF) serão canalizadas para o Fundo de Regularização Municipal, ao abrigo da Lei das Finanças Locais.
Face à violação do limite de endividamento líquido fixado para 2006 e ao incumprimento dos limites de endividamento líquido ou de médio e longo prazo em 2007, o despacho hoje publicado determina que seja aplicada ao município a redução de 10 por cento da respectiva transferência do FEF prevista no Orçamento de Estado para 2008, pelo número de duodécimos necessário (11) à redução do correspondente excesso de endividamento de 2006.
O despacho conjunto da Presidência do Conselho de Ministros e do Ministério das Finanças e da Administração Pública determina ainda que esta medida seja reapreciada durante o primeiro semestre deste ano, "após análise da evolução do endividamento municipal verificado em 2007".
O Fundo de Regularização Municipal, constituído pelas verbas retidas às autarquias que violaram o limite de endividamento líquido, contava em 11 de Fevereiro com 2,5 milhões de euros, de acordo com dados apresentados na altura pelo secretário de Estado Adjunto e da Administração Local, Eduardo Cabrita.
Durante um encontro com jornalistas, o secretário de Estado confirmou que 19 câmaras municipais violaram aquele limite em 2006, tendo começado em Dezembro a sofrer uma redução de 10 por cento nas transferências mensais provenientes do Orçamento de Estado através do FEF.
No âmbito das notificações sobre o excesso de endividamente apurado, as câmaras podem apresentar justificações para esses valores, o que leva a uma reapreciação dos casos.
No caso de Carrazeda de Ansiães, após análise das respostas recebidas confirmou-se a ultrapassagem do limite de endividamento em montante diferente do que havia sido comunicado em anterior projecto de despacho conjunto, "pelo que se procedeu ao envio de novo projecto de despacho conjunto que fixa o excesso de endividamento no montante de 516.462 euros".
Em Julho, a Câmara foi notificada de um excesso de endividamento líquido de 1.728.010 euros, tendo justificado 225.648 euros e posteriormente 985.900 euros para 2006. Rádio Ansiães
DN

Daqui e dali... Roberto Moreno Tamurejo

As culturas do amor

Eu não critico os modos de comportamento alheios, mas tiro as minhas próprias conclusões...

O gajo aproxima-se e diz – olha, tu não me viste, está bem? – e eu respondo a verdade: – está bem, mas nós temos trocado palavra em alguma ocasião?- Outras vezes, nem sequer precisam de me chatear, pois com um olhar e um piscar de olhos ficam descansados. São eles, são “
caricaturas” mundiais. Ainda não perceberam, pois não? Eles são homens que não esquecem as batalhitas antigas e precisam de se tornarem machos com a lua cheia. Estes pinga-amores não têm suficiente com as namoradas. Quando elas não querem sair, eles já combinaram de manhã, e quando querem, eles fingem estar muito cansados para ir cedo para a cama... e um bocadinho mais tarde... é só carregar um botão para combinarem!
A maioria delas pensam que os namorados são impecáveis; no dia seguinte (bem pode ser domingo) de manhã estão à porta dos sogros e elas à espera muito contentes, pensam que namoram com o “
puto” mais porreiro da terra.
Elas já conheciam aos namorados antes de estarem juntos, pelos vistos, costumam gostar de tipos duros! E, não sem antes sofrer um bocadinho, tornam-se um casal feliz. Deus os fez e eles se juntam.

Menos mal que muchas recuperan la vista después de quitarse la venda a base de disgustos y conocen al otro sector masculino (que para muchas no es suficiente porque no son chicos duros). Ellos pertenecen, normalmente, a la misma pandilla y cuando se ciegan de amor por una mujer lo dan casi todo por ella, alguno hasta sacrifica a los amigos. Yo conozco ese sector de cerca, tengo amigos demasiado buenos y digo demasiado porque a veces parecen marionetas… Yo creo que se puede querer a los amigos, amar a la familia y, por supuesto, también a la novia.

PERO la mayoría de las parejas formadas por amigos míos va viento en popa porque se respetan, se entienden y lo más importante: SE AMAN.

Roberto Moreno Tamurejo

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

País Virtual das Maravilhas

Douro limpou 103 lixeiras

No âmbito de uma acção conjunta entre a CCDRN, o IPTM e a UTAD foram limpas 103 lixeiras que denegriam a imagem do Alto Douro Vinhateiro. A população foi sensibilizada, encontrou-se soluções para os lixos e os espaços foram vedados. Subsiste um problema: onde pôr os entulhos. PJ

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Transmontanos visitam Comissão Europeia

A Comissão Europeia recebeu, na passada sexta-feira, um grupo de 25 pessoas de diferentes pontos de Trás-os-Montes, que procurou conhecer o funcionamento das instituições europeias em Bruxelas.Professores ligados aos clubes europeus, autarcas responsáveis pelas antenas de informação europeia e jornalistas partiram à descoberta da “máquina” que condiciona a economia portuguesa.
(...) os professores das escolas secundárias receberam um conjunto de “informação inteligível” para passarem aos alunos e colegas. “Actualmente, a informação é o grande valor no exercício da cidadania e a possibilidade de estar informada e actualizada permite-me enriquecer o meu trabalho na escola”, frisou Margarida Mariz, professora na Escola Secundária de Carrazeda de Ansiães.
Esta posição é partilhada pelos restantes colegas, que valorizaram a troca de experiências entre os diferentes colegas que estão ligados aos clubes europeus. Jornal Nordeste

Assembleia Municipal aprovou nova data da segunda feira de Dezembro

A sessão de hoje da Assembleia Municipal de Carrazeda de Ansiães voltou a ser morna e não trouxe grandes novidades. Em pouco mais de uma hora foram aprovados todos os pontos da ordem de trabalhos.
Destaque apenas para a intervenção do deputado do CDS/PP, Nuno Carvalho, no período de Antes da Ordem do Dia. O deputado emitiu as suas preocupações com as "condições de segurança" da Escola Básica nº 2 do Primeiro Ciclo do Ensino Básico, solicitando a "colocação de um gradeamento".
A esta preocupação respondeu o presidente da Câmara Municipal, Eugénio de Castro, com a disponibilidade para analisar as condições de segurança da escola, notanto, contudo, que a Câmara "investiu mais nos pólos escolares do 1º ciclo que ainda funcionam do que era sua obrigação".
No perídio da Ordem do Dia da Assembleia Municipal de Carrazeda, foi aprovada nova data para a segunda feira do mês de Dezembro, passando assim a realizar-se no dia 22, uma vez que dia 25 é Natal.
O regulamento das piscinas cobertas vai ainda ser enriquecido com mais contributos, pelo que a versão definitiva só será votada na próxima sessão da Assembleia Municipal
Eduardo Pinto/Rádio Ansiães

Bispo em périplo pelo concelho para conhecer realidade local

O bispo de Bragança-Miranda, D. António Montes Moreira, está a realizar um périplo pelas freguesias e instituições do concelho de Carrazeda de Ansiães. Uma ronda iniciada já em Outubro do ano passado, incluída nos deveres do bispo de visitar um Arciprestado todos os anos. Eduardo Pinto/Rádio Ansiães

Daqui e dali... João Lopes de Matos

ANONIMATO

Os blogues têm uma existência curta mas já levantam uma série de problemas.
Um é o anonimato de quem escreve.
Parece que estamos todos de acordo que os artigos digamos de primeira página devem ser todos subscritos ainda que com um pseudónimo.
Claro que em princípio o proprietário do blogue deve conhecer os autores verdadeiros desses escritos.
Quanto aos comentários, muitas vezes, eles aparecem sob o signo do anonimato. E isso compreende-se por várias razões:
1 - Há pessoas que gostam de expressar ideias e dúvidas mas não gostam de ser conhecidos, o que se compreende porque não só permite escrever mais livremente como também é certo que muitas vezes não interessa nada quem é o autor dessas dúvidas ou ideias. Estas é que têm interesse e há gente que tem dificuldade em assumir o que escreve por complexo excessivo do ridículo em que pode cair.
2 - Se o anonimato não existisse, muitas ideias não chegariam a ser expressas e, em alguns casos seria uma pena, atendendo ao valor que aquelas podem ter.
3 - Por vezes, cansa dar a cara. Apetece escrever umas vezes com identificação e outras sem ela.
Conclusão: o anonimato pode e deve continuar, depende da opção de cada um.
No entanto, o blogue tem um responsável, é mesmo sua propriedade. Esse responsável tem o direito de impedir a entrada dos artigos e dos comentários que, do seu ponto de vista, excedam o que ele julga decente ou ultrapassem o bom senso.
Nenhum princípio é ilimitado: o princípio da liberdade de expressão tem que aqui sujeitar-se aos ditames do proprietário. É até natural que os escrevinhadores escolham um ou outro blogue , de acordo com os critérios dos seus proprietários,de maior ou menor abertura para este ou aquele tema.
Os critérios dos proprietários são diferentes. Quem escreve deve procurar ver as diferenças e actuar, na escolha, de acordo com essas diferenças.

João Lopes de Matos

Ligação ferroviária

O presidente da Câmara de Mirandela, José Silvano, vai pedir apoio aos restantes 11 autarcas do distrito de Bragança para que subscrevam o projecto de ligação ferroviária da antiga da Linha do Tua à Puebla de Sanábria (Espanha). A ideia passa por reactivar a antiga linha do caminho-de-ferro de Mirandela a Bragança, "que tem potencial turístico e nós sabemos isso e que pode tornar viável a linha do Tua até ao Douro", afiançou, fazendo o prolongamento da linha até à localidade espanhola. Disse que se os restantes municípios não quiserem subscrever o projecto, que deverá ser candidatado a fundos comunitários, vai, pelo menos, tentar que os autarcas de Macedo de Cavaleiros e Bragança o façam, uma vez que a Linha do Tua inclui os dois concelhos. O prolongamento da linha até Espanha está ainda em fase de estudo de viabilidade, mas as previsões apontam para um custo de 35 milhões de euros. Para o edil, seria vantajoso, uma vez que Espanha está a investir na ligação em alta velocidade entre Madrid e Puebla de Sanabria, projecto a concluir em 2012, estimando-se um tráfego inicial de três milhões de passageiros por ano. O projecto será apresentado na Comunidade de Trabalho Bragança-Zamora. JN

Helicóptero do INEM atrasado

Ainda não foi disponibilizado o helicóptero do INEM para Macedo de Cavaleiros, anunciado na altura em que os municípios de Bragança assinaram protocolos com o Ministério da Saúde, com vista ao encerramento dos Serviços de Atendimento Permanente (SAP) nos centros de saúde.
O helicóptero deveria ficar instalado em Macedo de Cavaleiros onde seria criada uma equipa de emergência, e conjuntamente com duas ambulâncias de Suporte Avançado de Vida, compensaria as populações após o encerramento dos SAP e fecho ou desvalorização de serviços de Urgência. O atraso na dotação dos meios leva o deputado do PSD, Adão Silva, a dizer que se trata de "um logro" às populações, uma vez que já no Verão de 2007, o INEM tinha concluído o caderno de encargos para o concurso de aluguer dos helicópteros, nomeadamente o de Macedo de Cavaleiros e que, desde Setembro, esse processo está no Ministério das Finanças, aguardando a autorização por parte do senhor Ministro das Finanças.Naqueles protocolos, assinados em Abril do ano passado, era referido o início do ano 2008 como data de colocação do helicóptero e das equipas de emergência compostas por médicos, enfermeiros e técnicos auxiliares. "Porém, dois meses após a data anunciada não existe helicóptero em Macedo de Cavaleiros, nem tão pouco equipa de emergência", denuncia o deputado. JN

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Barragem Foz Tua: Quercus apresentou queixa contra EDP, CCDRN e Câmara de Alijó

A Quercus apresentou uma queixa no Tribunal Administrativo do Porto contra a EDP, Câmara de Alijó e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN) pelas obras "ilegais" realizadas junto à foz do rio Tua, disse hoje à Lusa fonte dos ambientalistas.
João Branco, dirigente da Quercus em Vila Real, acrescentou que, com base "nas obras totalmente ilegais, promovidas pela EDP na foz do rio Tua, a associação apresentou na semana passada uma queixa ao Procurador do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, com conhecimento ao Procurador Geral da República".
O responsável acusa ainda a CCDRN e a Câmara de Alijó de não fiscalizarem os trabalhos.
Em causa está, segundo João Branco, a construção de um "estradão" de "cinco metros de largura e 600 metros de comprimento a apenas dois metros do leito do rio", o que classificou como "um incumprimento do domínio hídrico".
As obras em causa envolveram a abertura de trincheiras ao longo das encostas das margens do rio Tua, execução em ambas as margens de sondagens mecânicas e abertura de galerias de reconhecimento geológico de pequena secção transversais ao eixo do rio.
Conjuntamente com a Coordenadora dos Afectados por Grandes Barragens e Transvases (COAGRET) e o Núcleo de Estudos para a Protecção Ambiental (NEPA) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), a Quercus convocou a comunicação social, em 31 de Dezembro, para denunciar a realização das referidas obras.
Na altura, contactada pela Lusa, fonte da EDP referiu que todos os trabalhos de prospecção geológica na zona com vista à construção da barragem de Foz Tua possuíam as "licenças necessárias", tanto das autarquias de Carrazeda de Ansiães e Alijó, como da CCDRN.
No entanto, dias depois e na sequência de uma visita técnica ao local, a CCDRN moveu um processo de contra-ordenação à empresa por ter iniciado algumas obras sem as necessárias licenças, o que constitui um ilícito punível, e a 10 de Janeiro mandou suspender os trabalhos de prospecção enquanto não for escolhida a concessionária da futura barragem."(...)
Lusa
Colaboração: Mário Carvalho

IVDP investe 2,3 milhões em promoção

O Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) vai investir 2,3 milhões de euros em promoção este ano, apostando em aumentar o consumo em novos mercados, mas concentrando a divulgação num número mais restrito de países.
Em comunicado, o instituto destaca o potencial do mercado russo, assim como do Japão, do Reino Unido e dos EUA.
Rádio Ansiães

EDP, Galp, Endesa e Gaz Natural concorrem à barragem do Tua

A EDP, a Galp Energia, a Endesa e a Gaz Natural são os quatro concorrentes à construção da barragem de Foz Tua, integrada no Programa Nacional de Barragens, afirmou à Lusa o presidente do Instituto da Água (INAG), Orlando Borges.
O presidente do INAG afirmou que o concurso para a barragem de Foz Tua foi iniciado em Janeiro e que no final de Março, princípio de Abril, «será feita a adjudicação».
«Até ao final de Abril iremos anunciar as condições para os concursos das restantes nove barragens», afirmou.
Orlando Borges explicou que a barragem de Foz Tua será a única onde poderá ser exercido o direito de preferência, apresentado pela EDP
. Rádio Ansiães

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

BBC NEWS - The green west coast of Europe

On Wednesday Simon finds out why Portugal is building ten new dams and how it's adding to several existing dams, like the one he visited in Alqueva in the south of the country.

O que se disse... João César das Neves

«Vivemos num mundo de espelhos, numa fogueira de ilusões. Consideramo-nos informados e esclarecidos, mas nos assuntos sérios, opções estratégicas, problemas de fundo, novas infra-estruturas, escândalos empresariais, temos de admitir que ninguém se entende».
João César das Neves, "Diário de Notícias"

Daqui e dali...

Interior offshore
Como travar o esvaziamento demográfico e o declínio socioeconómico das regiões do Interior? A pergunta tem sido colocada repetidamente nos últimos trinta anos e tem dado origem aos mais variados discursos, políticas e medidas. Quase tantos quantos a criatividade nacional e os fundos europeus permitem melhoria das acessibilidades; construção de infra-estruturas e equipamentos; oferta de solo industrial a preços simbólicos; redução de impostos e de taxas municipais; criação de sociedades de desenvolvimento regional ou de capital de risco; majoração dos incentivos à criação de empresas e de emprego; subsídios de natalidade, etc. Sem grande sucesso, como o demonstram de forma eloquente todos as estatísticas disponíveis. Daí a interrogação: porque fracassaram essas políticas e medidas? (...)

Leonel de Castro, JN

Gabinetes de Apoio Técnico encerram em Junho

Mais de cinquenta funcionários públicos transmontanos estão na iminência de ingressar na mobilidade especial por causa da extinção dos GAT – Gabinetes de Apoio Técnico.
Estas estruturas vão encerrar até ao dia 30 de Junho, no âmbito do PRACE – Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado.
(...)
No total são 13 GAT´s dos distritos de Bragança, Vila Real, Porto, Braga, Viana do Castelo e Viseu. Destes, cinco são da região: Mirandela, Bragança, Moncorvo, Chaves e Vila Real com um total de 80 funcionários. (...) Eduardo Pinto, Rádio Ansiães

Daqui e dali... Xavier

Oposição e blogs!

Indubitavelmente, os blogs marcam a cena política em muitos concelhos. Carrazeda de Ansiães não foge à regra.
Dos vários blogs existentes, dois deles destacam-se pela oportunidade de intervenção nos mais diversos temas da actualidade de Carrazeda de Ansiães.
Mas, curioso e ao mesmo tempo preocupante, os blogs tornam-se mais importantes do que a própria oposição oficial e institucionalizada.
Perante um poder autárquico cheio de fragilidades, de pontos fracos, de arrogância, de falhas de programação, de falhas de execução e de gestão, temos uma oposição absolutamente frouxa, inofensiva como um passarinho no meio de uma jaula de leões.
O poder interventivo dos blogs tem-se revelado num crescendo de informação e de lugares de opinião. Quanto mais este poder se revela, maior se torna o fosso que separa a oposição autárquica de uma verdadeira representação da vontade popular que neles (vereadores da oposição) depositou a sua confiança para fiscalizar a trágica política autárquica do executivo de Carrazeda de Ansiães.
A população que pretende uma mudança, que está cansada e farta de ter um Presidente ausente, de uma Câmara onde já não se sabe bem quem manda e onde se tem receio de falar e exteriorizar o pensamento de uma forma livre, não se revê nesta oposição "de passarinhos".
Em Carrazeda de Ansiães as pessoas passaram a preferir manifestar-se nos blogs. Com maior ou menor erudição, com maior ou menor sentido de oportunidade, sentem que não vale a pena perder o seu tempo com uma oposição frouxa e que demonstra uma perda de interesse cada vez maior nos problemas crescentes da população carrazedense.
Porque com esta oposição conivente e este executivo autárquico já gasto, Carrazeda de Ansiães infelizmente não tem futuro.

Xavier

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Exposição de Fotografia - Aníbal Gonçalves

Durante todo o mês de Março vai estar na Galeria de Exposições do Centro Cultural em Vila Flor, uma exposição fotográfica intitulada Testemunhas. O autor é Aníbal Gonçalves, natural de Zedes, concelho de Carrazeda de Ansiães, que mantém vários Blogs na Internet também com um forte domínio da fotografia (À descoberta de Vila Flor e À Descoberta de Carrazeda de Ansiães).
Depois de ano e meio percorrer todo o concelho de Vila Flor, documentados no blog À Descoberta de Vila Flor, mostra nesta exposição de fotografias a preto e branco alguns aspectos particulares dos passeios. Testemunhas, retrata trabalhos em ferro, alguns centenários, outros mais recentes. Candeeiros, portas, grades, janelas, etc. tendo todos em comum o ferro. Situados em locais estratégicos das casas, na vila e nas aldeias, assistiram a momentos únicos da vida das pessoas. Momentos felizes e momentos tristes, festas e funerais.
Olhando as fotografias pode viajar-se no tempo. O ferro está lá, vigiando-nos, tal como fez no passado, guardando em silêncio vivências de décadas.
Para quem não identifica os locais fotografados, pode apreciar o constante jogo com a luz, o enquadramento, a busca do pormenor ou a exploração de padrões e simetrias. Mais de que mostrar, o objectivo é sugerir, vendo cada um o que a sua imaginação alcança.

Mirandela: Vale do Tua é uma mina inexplorada - ambientalistas

O rio e a linha ferroviária do Tua são uma "mina" por explorar em Trás-os-Montes, podendo servir de base para o desenvolvimento turístico e económico das populações locais, defendeu hoje João Branco, dirigente da associação ambientalista Quercus. Cerca de meia centena de pessoas viajaram hoje no metro de Mirandela, que percorre a linha ferroviária do Tua, e concentraram-se na estação de Abreiro, no âmbito da iniciativa "Por Linhas Travessas" que pretende dar a conhecer a paisagem, fauna e flora do vale do Tua.
A iniciativa foi do Núcleo de Estudos do e Protecção do Ambiente (NEPA) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em colaboração com a núcleo de Vila Real da Quercus e da Coordenadora de afectados pelas Grandes Barragens e Transvases (Coagret).
"O rio Tua apresenta um conjunto importante de aspectos no âmbito da fauna, da flora, da geologia, da paisagem, do património arqueológico e da cultura. Este vale, com o rio e a linha-férrea, representam uma mina ainda por explorar", afirmou João Branco.
É que, para o ambientalista, as gargantas apertadas que caracterizam o vale do Tua, "proporcionam paisagens e condições hídricas óptimas para o usufruto da canoagem e disciplinas associadas" e a linha de caminho de ferro, com 120 anos de vida e considerada uma das mais belas da Europa, "serve de forma perfeita a acessibilidade para as actividades de descoberta do vale".
São "muitas" as espécies que habitam neste território, desde a garça real, a águia de bonelli, cegonha negra, o bufo real, ou, em termos de flora, albergando dois habitats prioritários de zimbro e sobreiro, que constam da directiva habitat da União Europeia.
Foram também muitos os turistas, vindos desde Braga, Coimbra, Porto, Vila Real, canoístas de Fafe, estudantes Erasmus da Polónia e até um casal de ingleses que apanhou boleia com o grupo, que viajaram no metro do Tua.
Para a maior parte foi a primeira vez que fez este percurso e por isso as reacções à paisagem foram de "espanto" e de "encanto".
"A paisagem é muito bonita, embora um pouco assustadora nas zonas mais íngremes e escarpadas. Gostei muito de tudo", disse à Lusa, Paula Carvalheiro, que viajou desde o Porto.
Já Rui Silva, que se deslocou desde Coimbra, caracteriza a paisagem do vale como "extraordinária", considerando "inadmissível" que ela seja destruída pela subida das águas da barragem.
Inês Bião estuda na UTAD e trouxe o pai, Inácio, de propósito para conhecer a região e a reacção dos dois foi idêntica: "é uma paisagem magnífica".
Para Leonel Castro, do clube náutico de Fafe, o rio Tua apresenta "excelentes condições para a prática de canoagem, formando grandes ondas e rápidos, sendo ainda navegável praticamente durante todo o ano".
Aos turistas juntaram-se alguns populares das aldeias de Abreiro e Vieiro.
Para Arnaldo Fontes, habitante de Abreiro, a linha não devia encerrar porque "nem todas as pessoas tem carro ou dinheiro para alugar um táxi quando precisam de ir, por exemplo, a Mirandela".
Já Carolino Augusto, do Vieiro, disse ter muita pena de ver fechar a linha onde trabalhou, em reparações, durante muitos anos e que considera ser ainda um importante meio de transporte.
O principal "inimigo" do vale do Tua é, na opinião dos ambientalistas, a barragem prevista para a foz do rio e cujo concurso público para a sua construção abriu este mês.
João Branco referiu os impactes negativos, a nível do ambiente e também da economia local.
"Vinte por cento das vinhas do concelho de Murça, mas as que dão mais e melhores vinhos, vão ficar destruídas afectando o principal sustento de dezenas de famílias", salientou.
Apesar de ainda não se saber a que cota vai ser construída a barragem, João Branco considera que o vale do Tua ficará "irremediavelmente destruído" com esta infra-estrutura, que, na sua opinião, só trará lucros aos "grandes grupos económicos e não às populações locais".
Para além de defender a manutenção da linha do Tua, que actualmente se estende apenas do Tua (Carrazeda de Ansiães) a Mirandela, Pedro Couteiro, dirigente da Coagret, quer ainda que se recupere a ligação a Bragança e se estenda a Puebla de Sanabria, em Espanha.
A futura ligação ferroviária em Alta Velocidade Madrid-Puebla de Sanabria deverá estar concluída em 2012, e, segundo o responsável, tendo em conta que Bragança se encontra a pouco mais de 30 quilómetros de Sanabria, "seria imperativo estudar a conexão entre estes dois pontos, pois esse projecto permitiria oferecer novos horizontes a toda a região de Trás-os-Montes".
"Por Linhas Travessas" é um ciclo de percursos pedestres, ferroviários e fluviais que pretende dar a conhecer a região de Trás-os-Montes e Alto Douro através das linhas de caminho de ferro.
Joaquim Silva, do NEPA, referiu que, nos próximos meses, vão ser organizadas passeios, todos acompanhados por especialistas em fauna, flora e paisagem, nas linhas estreitas do Tâmega, Corgo, estando previsto ainda um regresso ao Tua.
Também para 14 de Março, em que se assinala o Dia Internacional da acção dos danos contra os rios, água e a vida, as três associações ambientalistas estão já a programar um conjunto de iniciativas que decorrerão entre Mirandela e a estação do Tua
. RTP

Colaboração: Mário Carvalho

Artesanato de todo o país em Torre de Moncorvo

Mais de meia centena de artesãos de Norte a Sul do país e da Região Autónoma da Madeira estão presentes até ao próximo dia 2 de Março na 22.ª Feira de Artesanato que decorre na vila de Torre de Moncorvo. A iniciativa é do Município local, que desta forma quer contribuir para a dinamização do sector do artesanato, auxiliando os artesãos no escoamento dos seus produtos. Esta época do ano é a mais propícia para o negócio, já que são muitos os visitantes que se deslocam à região do Douro Superior para contemplarem o espectáculo natural das amendoeiras em flor. Mostra abriu ontem e está patente até dia 2 de Março. JN
DN

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Câmaras sem pessoal qualificado

Dos 3230 funcionários que trabalham nas autarquias da região do Douro apenas 8% têm qualificação superior, sendo que 72% fazem parte do pessoal operário e auxiliar.
Uma realidade que os responsáveis querem ver alterada, recorrendo a um plano de formação dos recursos humanos, acompanhado de uma forte aposta na modernização da administração local, que vai ter o apoio do Quadro de Referência Estratégica Nacional.
Ontem, na cidade de Peso da Régua foi assinado um protocolo entre 23 autarquias (Vale do Douro Norte, Vale do Douro Sul, Vale do Douro Superior e Terra Quente, e ainda Mogadouro e Miranda do Douro), a Comissão de Coordenação da Região Norte/Missão do Douro, a Direcção-Geral da Administração Local e a Agência Nacional para a Qualificação, que visa responder a esta lacuna.
Segundo Paulo Mauritti, subdirector-geral da Direcção-Geral das Administração Local, " todos os trabalhadores das autarquias podem ter acesso a esta formação. Ou seja, podemos estar a falar de uma taxa de incidência de 100%, porque uns podem qualificar-se ao nível do 9.º ano, outros do 12.º, e assim sucessivamente", referiu.
Recorde-se que um programa idêntico foi já lançado para o sector privado, no qual se pretendem qualificar oito mil pessoas até finais de 2009.
Eduardo Cabrita, secretário de Estado Adjunto e da Administração Local, presidiu à assinatura do protocolo e lembrou que "foram aprovados mil estágios para apoiar a administração local, aos quais concorreram 76 dos 86 municípios da Região Norte. Este programa destina-se apenas às autarquias desta região, do Centro e do Alentejo, ou seja as chamadas regiões de convergência". JN

Roteiro para o fim-de-semana

Este fim-de-semana começam as festas das amendoeiras em flor no Douro Superior, com destaque para os concelhos de Freixo de Espada à Cinta, Figueira de Castelo Rodrigo, Mogadouro (só começam no próximo fim-de-semana), Torre de Moncorvo e Vila Nova de Foz Côa.
Em Freixo decorre hoje e amanhã a feira do lavrador.
Em Figueira de Castelo Rodrigo, actua hoje, às 21.30, na Casa da Cultura, o grupo de música tradicional “Os Quintarolas”.
Por Torre de Moncorvo decorre uma feira de artesanato no largo da corredoura, onde actua ao meio-dia a Banda Filarmónica do Felgar. A actuação repete às 15 horas na praça Francisco Meireles. À noite, às 22 horas, actuam CC e Vânia. Amanhã, também em Moncorvo, uma tarde animada por David Caetano.
Em Vila Nova de Foz Côa, às 22 horas, no pavilhão gimnodesportivo, o grupo 2U presta homenagem aos U2. Amanhã à noite, no mesmo local, actua Augusto Canário.
Em S. João da Pesqueira começa hoje a Festa dos Saberes e Sabores do Douro, que se prolonga por mais dois fins-de-semana, para além deste. A iniciativa organizada pela Câmara Municipal pretende promover a região do Douro, divulgando e promovendo os produtos agrícolas, o artesanato e a gastronomia de toda a região.
A aldeia das Arcas, no concelho de Macedo de Cavaleiros, recebe este fim-de-semana a 5ª edição da Feira dos Produtos da Terra. A abertura oficial da feira está marcada para as 17 horas, com a participação da fanfarra de Vale da Porca.
No Teatro de Vila Real actua hoje, às 22 horas, a sueca Maia Hirasawa. A cantora que já participou em vários grupos do seu país, foi candidata aos prémios MTV e foi recentemente eleita Mulher do Ano de 2007, por duas revistas de grande tiragem.
Rádio Ansiães/Eduardo Pinto

Comboio do Tua até Puebla de Sanábria

O presidente da Câmara de Mirandela está empenhado em desenvolver um projecto para a exploração da encerrada linha de caminho-de-ferro entre Mirandela e Bragança, por forma a tornar viável, por extensão, a linha do Tua até ao Douro.
José Silvano acredita que é possível prolongar a mesma linha até Puebla de Sanabria, em Espanha.
O autarca sustenta a sua argumentação com a ligação em alta velocidade entre Madrid e Puebla de Sanabria, que deve estar pronta em 2012, prevendo-se um tráfego inicial de três milhões de passageiros por ano.
"Tendo em conta que Bragança está a pouco mais de 30 quilómetros de Puebla de Sanabria seria interessante, estudar a conexão entre estes dois pontos, oferecendo novos horizontes a toda a região transmontana".
O edil está optimista porque "a comissão europeia está a dar prioridade aos projectos ferroviários em detrimento dos projectos rodoviários". O projecto será apresentado na Comunidade de Zamora, onde também está o concelho de Bragança, e ao Eixo Atlântico, onde estão os três municípios abrangidos pela desactivada linha até Bragança. RA

S. João da Pesqueira - Três fins-de-semana de saberes e sabores

Hoje e amanhã, e ainda nos dois próximos fins-de-semana, S. João da Pesqueira faz o elogio à sua gastronomia, aos produtos agrícolas endógenos e ao seu artesanato.
É a Festa dos Saberes e Sabores do Douro que a autarquia promove pelo sexto ano consecutivo, o primeiro em parceria com a escola profissional do Alto Douro, sediada na vila. Rádio Ansiães

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Autarquias baixam IRS

Das 12 autarquias do distrito de Bragança, apenas três decidiram abdicar da percentagem do IRS que lhes é concedida pelo Estado. Miranda do Douro, Vila Flor e Vinhais optaram por «dar» aos contribuintes parte dos 5 por cento a que têm direito anualmente, aproveitando a possibilidade concedida pela Lei das Finanças Locais.

Sedes alerta para crise social de contornos difíceis de prever

Sente-se em Portugal "um mal-estar difuso", que "alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional". Este é um dos muitos alertas lançados pela Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (Sedes), noticia o "Público".
Este mal-estar e a "degradação da confiança, a espiral descendente em que o regime parece ter mergulhado, têm como consequência inevitável o seu bloqueamento". E se essa espiral descendente continuar, "emergirá, mais cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever".
Este é um dos muitos alertas lançados pela Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (Sedes) - uma das mais antigas e conceituadas associações cívicas portuguesas -, num documento ontem concluído e dirigido ao país.
Esta tomada de posição é uma reflexão sobre o momento que Portugal vive, com a associação a manifestar o seu dever de ética e responsabilidade para intervir e chamar a atenção "para os sinais de degradação da qualidade de vida cívica".

Principais visados: o Estado, em geral, e os partidos políticos, em particular.
E para este "difuso mal-estar", frase que é o pilar de todo o documento, a Sedes centra-se em algumas questões: degradação da confiança no sistema político; sinais de crise nos valores, comunicação social e justiça; criminalidade, insegurança e os exageros cometidos pelo Estado.
O acentuar da "degradação da confiança dos cidadãos nos representantes partidários" de todo o espectro político é o primeiro alerta da associação. E, aqui, os relatores do documento não têm dúvidas sobre a crise que surgirá caso não seja evitado o eventual fracasso da democracia representativa: "criará um vácuo propício ao acirrar das emoções mais primárias em detrimento da razão e à consequente emergência de derivas populistas, caciquistas, personalistas". Jornal de Negócios


Colaboração: Mário Carvalho - ver mais no Público

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Urgências

O PS vai chumbar sexta-feira os projectos de resolução do PCP e do BE que visam a suspensão do encerramento dos serviços de urgência, alegando que a reforma em curso traz benefícios e, por isso, é para continuar. (...)
Para esta reestruturação, o Governo já assinou 14 protocolos com câmaras municipais para o encerramento de Serviços de Atendimento Permanente (SAP) e 16 para a reorganização das urgências hospitalares.
A maioria destes protocolos refere-se à reestruturação dos serviços e não ao seu encerramento.
Para o encerramento dos SAP, as ARS assinaram 14 protocolos com as autarquias de Valença, Melgaço, Arcos de Valdevez, Caminha, Paredes de Coura, Alfândega da Fé, Torre de Moncorvo, Vinhais, Carrazeda de Ansiães, Miranda do Douro, Mogadouro, Freixo de Espada-à-Cinta, Vila Flor e Vimioso.
(...) o primeiro-ministro, garantiu a continuidade das suas reformas na área da saúde, nomeadamente na rede hospitalar, e que não haverá mais encerramentos de urgências sem alternativas.
"Ninguém vai voltar atrás em nada. O que nós queremos é ter um novo método mas cumprir os mesmos objectivos", afirmou José Sócrates após a tomada de posse, no Palácio de Belém, em Lisboa, dos ministros da Saúde e da Cultura.
"Não encerraremos mais urgências antes de existirem alternativas", disse
. RTP

Estar na oposição e estar no governo CONTRADIÇÕES

PS acusa o novo ministro do Ambiente de “subordinação política” face ao ministério da economia
O PS acusou, ontem, o ministro do Ambiente de mostrar sinais de "subordinação política" ao Ministério da Economia na questão da barragem hidroeléctrica projectada para o rio Sabor, concelho de Moncorvo. Segundo o deputado Pedro Silva Pereira, o PS irá pedir explicações ao novo ministro do Ambiente, Arlindo Cunha, sobre declarações do ministro da Economia, que anunciou o facto da EDP obter para breve "luz verde" para construir uma barragem no rio Douro, onde aflui o Sabor. "Este é um péssimo começo para o novo ministro do Ambiente, que dá sinais de subordinação política ao Ministério da Economia", declarou Silva Pereira. Para o PS, é "inequívoco" que o ministro da Economia se referia à barragem do Sabor: "O ministro disse que a luz vai ser verde e até já estabeleceu um calendário para a construção da barragem". O PS considera que as declarações do ministro Carlos Tavares "provam que quem manda na avaliação do impacto ambiental é o Ministério da Economia".
Espigueiro em 04 -06 -2004

Colaboração: Mário Carvalho - Espigueiro

Daqui e dali... Roberto Moreno Tamurejo

Um leque de possibilidades!

Una melodía que representa la Semana Santa alerta… - se comunica a todos los costaleros que están invitados a una reunión a las 9 de la noche en el Centro Parroquial, se ruega su asistencia – dice Don Rafael, el cura de mi pueblo. Yo vivo en la Plaza de la iglesia y no he sido el primero en enterarme, ¡todos somos los primeros! Todos excepto aquellos que duermen, no están en e pueblo o, simplemente, tienen el sentido auditivo ocupado o no quieren escuchar…

La canción del verano (de hace muchos años) cambia nuestra rutina un instante y nos hace “asomarnos” a la calle, alguien que representa al Ayuntamiento tiene algo que decirnos… - se comunica a todos los pensionistas que hay un viaje a Fátima el próximo 23 de febrero, los interesados pueden apuntarse en el Ayuntamiento.

¡Todo lo relacionado con el pueblo se dice por el megáfono! Por ejemplo una pérdida - se han perdido unas llaves, si alguien las encuentra, haga el favor de devolverlas a la iglesia – aún recuerdo el día que se perdió un hombre, imaginen… - se ha perdido a fulanito de tal, si alguien lo ha visto, por favor ponerse en contacto con su familia – curioso, ¿verdad? Las campanas simbolizan un toque de suerte o una posible alerta; un día comenzaron a sonar repetidamente porque había tocado la lotería, sin embargo, otras veces ha simbolizado al fuego o a posibles inundaciones; todo nos encontramos en previo aviso, bien sea para ayudar al prójimo o para refugiarse lo más rápido posible de los peligros venideros.

Não acham a minha vila porreira? Eu acho que sim! Acham que Carrazeda também podia informar os cidadãos através dos altifalantes da Câmara? Eu não quero prejudicar este blog, do que tanto gosto, já que os leitores se podiam tornar ouvintes casuais da Câmara e não precisar dos medias locais para se manter informados, imaginam? Não tem nada a ver! Aqueles que gostam de ler e de se informar, continuarão a ler este blog, ouvir as noticias da rádio Ansiães e, talvez, a partir de agora, poderiam ser ouvintes casuais das notícias democráticas da Câmara!

Roberto Moreno Tamurejo
DN

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Uma tragédia chamada barragem

Um ano após o trágico acidente na Linha do Tua que vitimou três pessoas, o Movimento Cívico pela Linha do Tua (MCLT) considera que a construção da barragem Foz-Tua será “uma tragédia ainda maior”.
Para o MCLT, os investimentos efectuados pela REFER e os planos da CP para rentabilizar a linha através da exploração turística podem ser a salvação do último troço de caminho de ferro do Nordeste Transmontano, ameaçado pela construção do empreendimento hidroeléctrico.
Os responsáveis pelo movimento realçam que o Instituto de Conservação da Natureza (ICN) “refere explicitamente que não se deve construir barragens na foz de um rio”. A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), por seu lado, “tece críticas ao plano nacional de barragens anunciado pelo Governo”, enquanto o Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) “diz que o levantamento do património foi feito, apenas, no papel”. Além disso, a Associação Portuguesa do Património Industrial (API), representante em Portugal do organismo internacional consultor da UNESCO, “aponta a destruição da Linha do Tua como um dos mais graves atentados ao património português”.
Movimento defende reactivação da linha até Bragança e ligação à Puebla de Sanábria (Espanha)O MCLT lembra que o argumento usado pelo Governo para construir 10 novas barragens, reforçando a produção de energias limpas e renováveis, é frágil.“Este ‘pacote’ contribuirá, apenas, em “1 por cento para a redução de emissão de gases de efeito de estufa e a retenção de grandes massas de água só vem contribuir para o seu aumento”, sustentam.
A razão apontada pela Secretária de Estado dos Transportes, Paula Vitorino, que defendeu os benefícios sociais da albufeira, também é rebatida pelo movimento, que enumera um conjunto de impactos negativos.
A destruição do último troço de linha férrea do distrito de Bragança, da vinha do Douro que ficará submersa e das Caldas de Carlão e de São Lourenço são consequências directas do empreendimento hidroeléctrico.
Além disso, o movimento considera que não serão criados postos de trabalho, visto que a mão-de-obra utilizada vem de fora.Além disso, serão criadas linhas de alta tensão que trazem problemas de saúde e o facto de não haver empresas locais ligadas à construção e exploração da barragem não trará lucros para a região.
Por isso, o MCLT defende o melhoramento das condições de operacionalidade da Linha do Tua, a sua reabertura até Bragança e a conclusão do seu traçado até à Puebla de Sanábria, para ter ligação à Alta Velocidade espanhola. O objectivo é criar uma rede de transportes integrada e sustentável. Jornal Nordeste
Colaboração: Mário Carvalho
Foto Ansiães Aventura

Deputados do PSD querem reabertura dos SAP

Os deputados do PSD Olímpia Candeias e Adão Silva solicitaram à ministra da saúde a reabertura nocturna dos Serviços de Atendimento Permanente (SAP) dos concelhos do sul do distrito de Bragança, bem como da maternidade de Mirandela.
Requereram ainda que seja melhorada a rede de emergência pré-hospitalar em todo o distrito.
Em nota divulgada ontem, os parlamentares assentam as suas exigências na “distância” que separa dos hospitais de Bragança e Vila Real, os residentes em concelhos como Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo e Vila Flor.
Como exemplo, Olímpia Candeias apontou o parto numa ambulância dos bombeiros de Carrazeda de Ansiães, ocorrido, no passado dia 7 deste mês, a caminho do hospital de Vila Real.
A deputada sustenta que “se a maternidade de Mirandela não tivesse sido encerrada o parto não teria acontecido na ambulância”. Uma certeza que lhe advém do facto daquela unidade se encontrar a meia hora e 40 quilómetros de viagem, enquanto que a de Vila Real dista o dobro e é menos cómoda.
A maternidade de Mirandela é vista pela parlamentar como “suporte imprescindível às grávidas dos concelhos do sul do distrito de Bragança”. Sublinha que após o seu encerramento o número de partos realizados na maternidade de Bragança “caiu drasticamente”, o que na sua opinião “revela o quanto a tomada desta medida foi incorrecta”. Segundo os dados da Sub-região de Saúde de Bragança, 227 parturientes do distrito escolheram a maternidade de Vila Real para dar à luz
O funcionamento dos SAP durante a noite é apontado como um “serviço de retaguarda de apoio aos primeiros cuidados médicos”, já que constata-se que os concelhos do sul do distrito têm “péssima rede viária, as populações são carenciadas e económica e socialmente desprotegidas”.
Rádio Ansiães/Eduardo Pinto

Escolas nas mãos das autarquias já a partir de Setembro

No próximo ano lectivo, as câmaras vão gerir as escolas até ao nono ano. Passam a ser responsáveis pelas instalações e por 55 mil funcionários. Para já, os professores continuam no Ministério da Educação. DE

Deputado do PSD pede reabertura da maternidade de Mirandela depois de mais um parto numa ambulância

O deputado do PSD por Bragança Adão Silva disse esta terça-feira ter escrito à ministra da Saúde a pedir a reabertura da maternidade de Mirandela depois de três partos em ambulâncias desde que ela encerrou há menos de ano e meio, escreve a Lusa.
O último caso ocorreu na madrugada de 7 de Fevereiro, quando uma mulher de 32 anos, de Carrazeda de Ansiães, deu à luz numa ambulância a caminho da maternidade de Vila Real.
O parlamentar entende que «esta situação não teria ocorrido se a maternidade de Mirandela estivesse aberta», pois fica a menos de metade da distância que esta grávida estava a fazer para ser assistida.
Desde que a sala de partos de Mirandela encerrou, em Setembro de 2006, que o distrito de Bragança dispõe apenas de uma maternidade, justamente em Bragança, no extremo norte da região e a mais de uma centena de quilómetros de parte significativa da população.
Maternidade fechada, partos nas urgências
Casas de parto à espera para nascer
A proximidade geográfica tem levado algumas grávidas, sobretudo as de alguns concelhos do sul do Distrito, a optar pela maternidade de Vila Real, como era o caso do último parto numa ambulância.
Desde que a maternidade de Mirandela encerrou, há cerca de um ano e meio, já nasceram, pelo menos, três crianças em ambulâncias, duas no IP4 a caminho de Via Real e a última numa estrada nacional no percurso para a mesma sala de partos.
Atendendo às distâncias, o deputado do PSD que foi secretário de Estado adjunto da Saúde, no Governo de Durão Barroso, escreveu à nova ministra a solicitar a reabertura da maternidade encerrada pelo antecessor Correia de Campos.
O deputado social democrata considera, na carta enviada a Ana Jorge, a maternidade de Mirandela «um suporte imprescindível às grávidas de todos os concelhos do sul do Distrito de Bragança, já que, após o seu encerramento, o número de partos realizados na maternidade de Bragança caiu drasticamente, o que revela o quanto a tomada desta medida foi incorrecta».
PD

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

POR LINHAS TRAVESSAS - PERCURSOS PELAS FERROVIAS DO DOURO E AFLUENTES

O NEPA - Núcleo de Estudo e Protecção do Ambiente da UTAD, em parceria com a Quercus - Núcleo de Vila Real, vai realizar durante o corrente ano percursos ao longo do Douro e seus afluentes, com componentes pedestres,ferroviárias e fluviais. O objectivo é levar os participantes a conhecera região de Trás-os-Montes e Alto Douro e o seu património, através das linhas de caminho de ferro.
No primeiro ciclo de percursos designado Por Linhas Travessas -, serão percorridas as linhas do Tua, do Corgo e do Tâmega.
O primeiro passeio vai realizar-se no dia 24 de Fevereiro, domingo, nas linhas do Douro e Tua. O percurso inicia-se de comboio em Peso de Régua ás 11h 15m (Interregional n.º 865), subindo a linha do Douro até FozTua. Aqui será feito transbordo para a linha do Tua (11h 58m),recentemente reaberta, até ao apeadeiro de Abreiro, seguido de um passeio a pé, com cerca de duas horas, ao longo do vale do Tua. Todo opercurso será acompanhado por especialistas em fauna, flora e paisagem.
Convidam-se todos os interessados a participarem nesta iniciativa, para tal devendo contactar a organização pelo e-mail nepa@utad.pt ou pelos telefones 934 302 187 ou 969 008 193. Os participantes devem trazer comida e água, roupa e calçado confortável para a caminhada. Aconselha-se vivamente a não esquecerem a máquina fotográfica. O passeio não tem custo de inscrição, sendo as despesas de deslocação por contados participantes.

Daqui e dali... João Lopes de Matos

Visões do Interior

Um artigo no "Público" de 17/02/08, da autoria de António Barreto, fez-me novamente pensar sobre o que fazer do interior. E cheguei à conclusão de que há três perspectivas fundamentais:
1 - A primeira e mais comum acha que é possível voltar ao povoamento de outrora, sendo necessário para isso apenas a vontade dos poderes políticos (central e local). Pretende que, num certo sentido, se forem dadas as condições que outrora existiam, se pode regressar aos bons velhos tempos.
2 - A segunda (defendida pelos ambientalistas e, agora, por António Barreto) considera que o destino do interior é ele permanecer uma reserva de beleza natural, apreciável de passagem (p.e., através dos comboios da linha do Douro, até Barca de Alva, e da linha do Tua, até Mirandela).
3 - A terceira hipótese será considerar o mundo rural, tal como existiu durante décadas ou séculos, definitivamente morto e arranjar uma divisão administrativa nova, com menos concelhos e menos freguesias, com a persistência de algumas cidades para viver de modo urbano, e tentar o desenvolvimento económico através da abertura de vias de comunicação e da criação de pontos de turismo, que atraiam gente a gozar a beleza natural e, p. e., a praticar desportos de vário jaez nas albufeiras das barragens e nos montes que as circundam, não esquecendo o pôr de pé uma agricultura moderna e a indústria possível.

João Lopes de Matos

"Tribunais não encerram" - Secretário de Estado da Justiça

O Secretário de Estado da Justiça, José Conde Rodrigues, garantiu ontem, em Murça, que “não vão encerrar tribunais”, no âmbito da reorganização do sector judiciário.
O que vamos fazer é gerir melhor os tribunais existentes”, acrescentou, à margem de uma visita às instalações judiciais daquele concelho, que vão ser adaptadas para receber outros serviços, como é o caso de uma loja do cidadão.
Conde Rodrigues frisou também que “não há tribunais que vão ser transformados em casas de justiça”. O que vai ocorrer é o agrupamento dos serviços “para funcionar melhor”.
Deu mesmo o exemplo dos agrupamentos escolares de associações de municípios em que há partilha de recursos humanos e meios financeiros. Portanto, “mantêm-se os serviços de justiça às populações, melhorados e com novas valências, mas com gestão agregada”, precisou.
O Secretário de Estado da Justiça esclareceu ainda que a nova reforma não pressupõe maiores deslocações para os cidadãos. De resto, disse, “a partir de Junho teremos a possibilidade de receber em todos os tribunais, por via electrónica, toda a documentação que é enviada pelos advogados”.
Com a nova forma de gestão dos tribunais, acrescentou, “no futuro as pessoas até poderão apresentar os seus documentos em qualquer ponto do território sem precisar de se deslocar”.
A reorganização do sector judiciário em Trás-os-Montes e Alto Douro contempla a criação de três circunscrições: Trás-os-Montes, Médio Douro e Alto Tâmega. Nesta última está incluído o concelho de Murça, mas o autarca local, João Teixeira, transmitiu ontem ao secretário de Estado que “não faz sentido”, já que o concelho integra a Associação de Municípios do Vale do Douro Norte e a NUT III Douro.
Por outro lado, o edil entende que é mais fácil e cómodo para as populações deslocarem-se a Vila Real ou a Mirandela, do que a Chaves.
Rádio Ansiães/Eduardo Pinto

Distrito registou em 2007 o número mais baixo de nascimentos dos últimos cinco anos

O número de partos no distrito de Bragança foi em 2007 o mais baixo dos últimos cinco anos, acentuando a tendência de redução dos nascimentos numa região cada vez mais envelhecida. Rádio Ansiães

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Prova Oral - Antena 3 - MCLT

Hoje fala-se sobre a linha do Tua na rádio, com a presença de um elemento do MCLT.

Assista e participe hoje, às 19h, no programa prova oral,
Emissão online em: www.antena3.pt

A chuva, o caos e a confusão

Expresso

Daqui e dali... Vitorino Almeida Ventura

Do product placement ao soft sponsoring
ou De como dão, envenenado, um rebuçado ao povinho...


Outro dia, fiquei banzado. Ouvi um actor que falava alto e bom som num restaurante de província o quanto a escrita do argumento da série em que entrava dependia de marcas de mobiliário e electrodomésticos... Que
estava fulo por receber só xis por interagir (com a actriz A ou B, pensei eu, qual quê!) com um micro-ondas e queria vários Y para contracenar com uma saladeira e uma varinha mágica. Luísa Villar foi a criativa deste product placement, há dez anos em Portugal, publicidade enxertada no seio de programas sem aviso ao consumidor. Depois, segundo li a Eduardo Cintra Torres, o representante da mercadoria pode pedir censura de cenas que não sejam favoráveis à sua marca... E já se entrou (como estou mesmo atrasado!)
numa nova era: a do soft sponsoring . Assim a das Obras do Max, programa
soft, mas tão hard, que me passou completamente ao lado, onde a marca Max Mat beneficiou de preços bem abaixo da tabela de publicidade.
Mas como tantos espectadores (tantos) lhes vão provocando uma ruptura de stocks!

vitorino almeida ventura

Obras públicas duplicam custos

A maior parte das obras públicas em Portugal termina com derrapagem financeira e, segundo um estudo que analisou 73 empreitadas (realizadas entre 1985 e 2004), o custo final atinge geralmente o dobro do preço inicialmente previsto. O novo Código dos Contratos Públicos (CCP) deveria pôr cobro a esta situação, mas os agentes do sector estão pessimistas e não acreditam nas virtualidades do novo enquadramento legislativo. JN
DN

Marcelo defende Fundo para Interior

Marcelo Rebelo de Sousa defende a criação de um Fundo para o Interior do país, de modo a estimular o crescimento económico naquelas zonas. O Fundo deveria canalizar recursos para investimentos, definindo rentabilidades e prioridades, nas várias regiões. O professor na Universidade de Direito de Lisboa e conhecido comentador político defendeu, em Bragança, anteontem, durante o I Curso de Direito e Interioridade organizado em Trás-os-Montes, por aquela instituição de ensino, que o referido Fundo devia olhar para as regiões de forma diferenciada. "Porque são situações de interioridade diferentes, algumas estão já quase irrecuperáveis, como o Baixo Alentejo interior, e é preciso fazer a avaliação das medidas que já foram aprovadas, se serviram para alguma coisa, por exemplo se o desagravamento do IRC- Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas foi suficiente", explicou. Marcelo Rebelo de Sousa disse que é fundamental que se faça saber no Litoral o que se passa no Interior profundo, porque há falta de informação. "As pessoas nas áreas metropolitanas não têm noção do que se passa nas outras regiões, não sabem os problemas que há para fazer 20 ou 30 km numa zona montanhosa", referiu.
O professor prevê que a criação de uma única região no Norte, se a Regionalização avançar, pode ser um "problema" para Trás-os-Montes porque "o centro de poder dessa região fica no Litoral, no Porto, ou distribuído entre as áreas metropolitanas de Porto e Braga".
Marcelo Rebelo de Sousa teme ainda que a lógica de encerramento de cursos superiores pouco frequentados possa prejudicar os centros universitários e politécnicos do Interior. "Isso é preocupante", afirmou. JN

domingo, 17 de fevereiro de 2008

Notícias

Autarquia aposta no turismo
O presidente da Câmara de Vale de Cambra, José Bastos, reafirmou anteontem a estratégia concelhia de aposta no turismo como instrumento de dinamização dos vários sectores da economia. "A caminhada iniciada pela autarquia há cerca de seis anos está a começar a dar frutos, nomeadamente com o aparecimento de novos parceiros interessados no desenvolvimento turístico de Vale de Cambra", disse José Bastos. JN
Compotas do Douro conquistam o Harrods
Uma empresária de Santa Marta de Penaguião produz compotas e geleias tradicionais, de fruta colhida em pleno Douro, produtos que são vendidos nas melhores lojas de França, Suiça e Brasil. As compotas e as geleias durienses de Adelaide Lopes conquistaram mesmo o paladar do magnata egípcio Al-Fayed, dono dos célebres armazéns Harrods, em Inglaterra. PJ

"Inglishe Técniciste"...

Antero

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Novo mapa judiciário concentra comarcas para ganhar escala

O novo mapa judiciário, a cuja versão mais recente o JN teve acesso (ver mapa), assenta na matriz das NUTS III, mas apresenta adaptações significativas. (...)
A não coincidência de territórios entre as NUT III e as novas circunscrições judiciais é mais evidente a Norte do que a Sul. No Alentejo há uma quase total correspondência e o Algarve é dividido em Barlavento e Sotavento. Na região duriense, porém, o mapa será bem diferente. Carrazeda de Ansiães, Vila Flor, Moncorvo, Freixo de Espada-à-Cinta e Vila Nova de Foz Côa juntam-se a Trás-os-Montes. Os restantes concelhos da sub-região do Douro constituem a circunscrição do Médio Douro ou integram a do Alto Tâmega, com Ribeira de Pena. Trata-se de Chaves, Valpaços, Murça, Montalegre, Boticas e Vila Pouca de Aguiar. JN

Obras na Nacional 214 melhoram acessibilidades

O troço da Estrada Nacional 214, entre a ponte sobre o rio Tua e a localidade de Castanheiro no Norte, no concelho de Carrazeda de Ansiães, entrou finalmente em obras. São cerca de 12 quilómetros de via, que há muito reclamavam uma intervenção.
O piso apresentava-se já em avançado estado de degradação, abundavam as lombas e não existiam rails de protecção. A estrada é usada, sobretudo, por quem, a partir de Carrazeda de Ansiães, pretende deslocar-se para Alijó ou para o IP4 e vice-versa.
Nos últimos anos, devido às más condições desta via, os automobilistas optaram por utilizar a íngreme estrada municipal de Ribalonga que, para além de encurtar a distância, apresentava melhor piso do que a nacional.
"Às vezes diziam-nos que ia avançar e nós não acreditávamos. Agora, finalmente, há obras no terreno", sublinha o presidente da Câmara, Eugénio de Castro. A beneficiação, a cargo da Estradas de Portugal, prevê rectificação de curvas, novo pavimento, sinalização e reforço da segurança. No Natal, os trabalhos deverão estar concluídos. O autarca acredita que, apesar do hábito enraizado de circular pela estrada municipal de Ribalonga, a Nacional 214 tem "outros encantos", nomeadamente a beleza dos socalcos durienses de que se desfruta a partir de alguns locais estratégicos. Eduardo Pinto, JN

Centro Cívico seguiu para tribunal e continua sem conclusão à vista

A madeira de cor já cinzenta que cobre parte do chão à porta do Centro Cívico de Carrazeda de Ansiães atesta já alguma idade. No entanto, e apesar de já ter sido iniciada há mais de seis anos, aquela infra-estrutura de apoio às artes não está sequer finalizada. Uma demora devido a divergências entre o empreiteiro e a autarquia. O último episódio é marcado por um processo judicial movido pela autarquia local contra o empreiteiro responsável pela obra.
O Centro Cívico é a maior e mais cara obra alguma vez iniciada em Carrazeda de Ansiães. O custo inicialmente previsto é de cinco milhões de euros. Como se houvesse proporção, é também a mais problemática. O presidente da Câmara, Eugénio de Castro, conta que “o processo está em contencioso”, e que continuam as negociações para se chegar a um acordo.
Na base das divergências estarão atrasos no decorrer da obra e na qualidade de alguns trabalhos. Da parte do empreiteiro chegou a haver queixas de atrasos nos pagamentos. Algo que Eugénio de Castro rejeita dizendo que os pagamentos estão em dia. A verdade é que o início de 2003 já deixou de ser, há muito, o tempo previsto para a conclusão da obra.
O concelho de Carrazeda de Ansiães continua sem uma sala de espectáculos criada com esse fim. O Centro de Apoio Rural, com 70 lugares, sempre vai dando para realizar algumas iniciativas, e os grandes eventos até são feitos no salão dos Bombeiros. Mas os mais de 200 lugares previstos para o auditório do Centro Cívico fazem falta, sobretudo porque já são visíveis. Pelo menos através dos vidros das portas de entrada, sujos pelas obras.
O parque de estacionamento com capacidade para uma centena de viaturas e a galeria de exposições, integrados no imóvel, também continuam fechados. E até se notam atrasos no arranjo urbanístico da vila, de que o Centro Cívico fazia parte.
Há dias, um jornalista local lembrava que já a construção do novo centro de saúde de Carrazeda tinha demorado mais de dez anos a estar concluído. O mesmo prazo demorou uma variante que ainda só tem meio traçado com pavimento. Contas pelas quais apenas depois de 2011 estará pronto o Centro Cívico de Carrazeda de Ansiães. Pedro Faria, Terra Quente


Ver também: Está Mal

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

GEAP das Beiras

GEAP- Gabinete de Engenharia da Assinatura de Projectos.
lpveloso - intertoon

Vila Pouca de Aguiar: Complexo mineiro romano vai dispor de centro interpretativo

A Câmara de Vila Pouca de Aguiar anunciou ontem a construção do Centro Interpretativo de Tresminas, que vai servir de apoio a um dos maiores complexos mineiros do Império Romano, que a autarquia quer candidatar a património mundial.
As obras do Centro Interpretativo começam, segundo a autarquia, em Março e deverão estar concluídas em três meses. Espigueiro

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Passeio - Linha do Tua

Movimento de Defesa da Linha do Tua

Festa das Amendoeiras em Flor de 22 de Fevereiro a 31 de Março

A Associação dos Municípios do Douro Superior volta a antecipar a chegada da Primavera com várias celebrações e eventos que vão decorrer nos concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo, Freixo de Espada a Cinta, Mogadouro, Torre de Moncorvo e Vila Nova de Foz Côa. Para celebrar “O Douro em Flor” e as magníficas colorações de branco e rosa que vestem as amendoeiras em flor entre Fevereiro e Março, estes cinco Municípios voltam a unir-se para oferecer aos habitantes e visitantes um variado programa de animação, nas já conhecidas Festas das Amendoeiras em Flor. Assim, entre 22 de Fevereiro e 31 de Março decorrem espectáculos musicais, festivais, feiras temáticas, mostras regionais, exposições, teatro, passeios pedestres ou de bicicleta, provas de atletismo e várias animações de rua. PJ

Dia de S. Valentim

"Cabana do Amor" - Escola Profissional de Ansiães
A URBEANSIÃES, no dia 14 de Fevereiro celebra o dia de S. Valentim, uma iniciativa dedicada a todos os namorados.Esta acção vai contar com a presença de animadores de rua as “FIGURAS DO AMOR”, decoração de montras alusivas ao dia dos Namorados, promoções especiais no comércio para o dia de S. Valentim, distribuição de poesias aos comerciantes, e participação da Escola Profissional de Ansiães – EPA com a “ CABANA DO AMOR”, que promovem a celebração do dia, tornando o comércio local mais animado, As acções de animação irão decorrer durante o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais. Esta iniciativa pretende revitalizar o comércio tradicional com muita animação de forma a atrair mais consumidores para o comércio local. urbeansiaes

Daqui e dali... João Lopes de Matos

OS PECADOS DO SÓCRATES

Sei que corro o risco de ser polémico, mas não podemos ficar sempre pelas meias palavras e por filosofias que pouca gente entende. Há que ser mais directo.
Quase desde que o Sócrates (um transmontano de origem humilde) chegou a S. Bento, tem sido martirizado por causa dos seus pecados passados.
E eu acho que, na realidade, é possível que ele tenha pecado quando quis ser Lic., e quando terá assinado papéis que não deveria.
Mas é compreensível: Para um transmontano, não há maior glória que ser Lic., não há prazer maior que fazer uns negociozitos.
Homem honesto cem por cento tivemos apenas um: A.O.S.. Mas este não era transmontano, era beirão, e os beirões não arriscam tanto.
Nesse tempo, o do homem das botas, tivemos um escol de pessoas, desde o mais humilde polícia ao mais rico banqueiro, de comportamento absolutamente irrepreensível.
Com uma virtude especial: essas pessoas não eram amantes do desenvolvimento que fosse além do artesanato. Queriam o país sossegado, respeitador dos princípios religiosos e dos preceitos morais e não faziam nada que fosse contrário aos referidos princípios e preceitos.
Temos um exemplo de desenvolvimento (o maior do mundo) nos Estados Unidos, mas que não pode servir-nos de modelo. Este país rico foi formado por cowboys, gangsters, mafiosos, numa sequência de pecados e prevaricações que levam qualquer alma para o inferno. Ainda hoje qualquer americano se paga correntemente por qualquer opinião dada.
Sócrates, enquanto foi um simples cidadão, tomou talvez por modelo os E.U.A.. Quando chegou a S. Bento, passou a visitar frequentemente a terra do anterior ocupante beirão.
E tudo corria bem. Ajudado por um outro puritano (de Boliqueime), os primeiros tempos foram brilhantes.
Até que alguém, invejoso ou mesquinho, começou a preocupar-se com o seu passado.
E, em vez de tomar a atitude mais de acordo com a nossa tradição cultural (a cristã), que levaria a dar oportunidade de regeneração, passou a ver os pecadilhos como marca de uma personalidade que já não tem salvação.
E o ataque tem sido feroz. E o pobre do primeiro-ministro tem que dar explicações a toda a gente dos seus pecados praticados antes do seu actual posto de político brilhante.
E, realmente, todos nós temos que considerar: - ou nos interessa o passado ou o presente do primeiro ministro.
Por mim, acho que interessa apenas o presente e ver se ele consegue desempenhar agora bem o seu actual papel.
Mas por quê e para quê preocuparmo-nos com uns actos insignificantes do passado do primeiro ministro, quando nos podemos ocupar com os pecados (esses sim de milhões) de outras pessoas tão puras da elite da Igreja?

João Lopes de Matos