quinta-feira, 31 de julho de 2008

Daqui e dali... Sabre07

Elogio

Quando tantos se apressam em denegrir, eis que um ex-vereador da oposição faz um elogio que julgo sincero, pode constatar o trabalho desenvolvido, na Câmara Municipal deste Concelho, e na Assembleia da República, pela Dra. Olímpia Candeias.
Não tenho dúvidas em reconhecer que o Dr. Manuel Amaro subiu uns degraus na minha consideração, acredito não existirem outros motivos além de manifestar o seu sentir e reconhecimento meritório do seu desempenho.
Podemos ter opiniões (muita das vezes subjectivas e não esquecer que as propostas/inovação são sempre dependente da aprovação superior na autarquia) diferentes desse trabalho e da sua competência, mas ter um louvor dos “adversários” sabe muito bem.
Reconheço que a posição pessoal do Dr. Manuel Amaro não beneficiou a oposição, mas também não encontro razões para se escamarem pois nem os “situacionistas” lhe renovaram a intenção de contarem com ela nas últimas eleições.
Não partilho do pior melhor, mesmo sem interesse pessoal, gosto que as gentes de Carrazeda sejam notícia pelos seus méritos e não apenas pelas desgraças. Já agora a infalibilidade não é característica do ser humano.
Os candidatos ao mais alto cargo autárquico não devem descurar todas as cabeças pensantes disponíveis e que possam trazer mais valia ao Concelho, dada a situação financeira difícil da autarquia.
E não devemos simplesmente rotular as pessoas a favor ou contra de acordo com a simpatia partidária, mas sim com ou sem valor, no caso concreto, à causa autárquica.
Para terminar junto-me ao Dr. Manuel Amaro no elogio efectuado.

Sabre07

DN

Arribas do Douro - um compêndio geológico

Arribas do Douro - um compêndio geológico

(Departamento de Geologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro)
01-08-2008

Inscrição Obrigatória (4 vagas)
«O Doiro entoirido pelas primeiras barragens» (Torga, 1956)
Sede do Parque Natural do Douro Internacional Mogadouro às 10h30m
Mogadouro e Miranda do Douro -
http://www.cienciaviva.pt/veraocv/2008/

O departamento de Geologia da UTAD tem vindo a organizar actividades de Verão relacionadas com o estudo das ciências da terra. A iniciativa teve início em Julho e estende-se até ao final de Agosto. Os passeios são orientados por docentes da academia transmontana e pretendem mostrar, junto do público interessado, as características dos solos e do relevo da região.

O que se disse...

antonio disse...

Esta passagem da dra. Olimpia Candeias pela A.Republica só veio confirmar aquilo que eu penso desta enorme senhora quanto às suas capacidades de trabalho, inteligência e honestidade, atributos, aliás, que não são comuns, infelizmente, à generalidade dos políticos. Por isso, além da minha homenagem, quero dizer a esta senhora com quem tive a honra de pertencer a um executivo da Câmara, não obstante em quadrante político oposto, que me revi inteiramente nas suas posições e que desejo vê-la próxima candidata à Câmara de Carrazeda .
A.Manuel Amaro
29 de Julho de 2008 15:44

AnónimoGorba disse...

Há outros atributos que infelizmente não são comuns à generalidade dos políticos, e que têm a ver com carácter, verticalidade, solidariedade política e respeito pela confiança que os eleitores depositam neles através do voto.
De que forma será pago este beijo da morte?
...o PS de Carrazeda no seu melhor.
30 de Julho de 2008 11:17

São João da Pesqueira recebe Vindouro’08 em Setembro

O certame vai reunir aproximadamente 60 produtores de vinho do Douro.
S. João da Pesqueira vai acolher mais uma edição da Vindouro, entre 05 e 07 de Setembro próximos, numa iniciativa do município de S. João da Pesqueira com produção da Essência do Vinho.
De acordo com a organização, o evento vai reunir cerca de 60 produtores de vinhos do Douro no recinto do Salão de Exposições de S. João da Pesqueira, que este ano vai contemplar uma zona para degustações gastronómicas. Paralelamente, o centro histórico recebe sessões de cozinha ao vivo, onde um chefe de cozinha vai fazer demonstrações gastronómicas, e vão ter lugar também jogos a cavalo; um cortejo de época e o tradicional Jantar Pombalino, no Palácio de Cidrô. Este ano, a Vindouro conta ainda com um concerto de André Sardet.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Nunes Correia, Ministro do Ambiente

«Prezo muito a Linha do Tua e tudo será feito para a salvar o mais possível. Não é irremediável que ela se perca, porque é um dado adquirido que não ficará totalmente submersa.
Mas que valor é que ela tem para os autarcas e população?
Como meio de transporte o valor da linha é pequeno face à utilização que tem, mas tem grande valor como pólo turístico.
Que eu saiba não há nenhum projecto para a sua utilização turística, os agentes económicos ainda não foram capazes de afirmar esse potencial. Eu apoiaria um projecto desses.»

Ministro do Ambiente, Nunes Correia – Público 28/07/2008

Governo congela salários de altos cargos públicos

O Primeiro-ministro espanhol, Rodriguez Zapatero, anunciou o congelamento de ordenados de todos os altos cargos da administração do Estado.
A medida, para vigorar nos próximos dois anos, tem por objectivo combater a grave crise que atravessa a economia do país.O anúncio prevê o congelamento do salário do próprio Primeiro-ministro, de todos os altos cargos da administração do Estado e dos principais dirigentes das empresas públicas.
A norma não se aplicará aos outros sectores da Função Pública.

Taxa de natalidade continua a decrescer

No distrito de Bragança nascem menos de 1000 crianças por ano. Vila Real segue a tendência. Em 2007, o número de nados vivos, cujas mães tinham residência no distrito de Bragança, foi de 918. Em Vila real foram 1486.
Subida da taxa de mortalidade infantil
No que se refere à mortalidade infantil o relatório indica que se verificou, em 2007, “uma muito discreta subida na taxa nacional”, (passou de 3,3 para 3,4 por cada mil nados vivos) correspondendo a um aumento dessa taxa em todas as regiões, exceptuando o Algarve e Açores, regiões em que desceu. Mensageiro
DN

Voluntários para ajudar idosos

Está a ser implementado em Bragança, um programa de voluntariado para prestar apoio a idosos nas unidades de saúde. Esta iniciativa surge através de um protocolo do Instituto Português da Juventude com a Segurança Social. O principal objectivo desta iniciativa é integrar os utentes idosos no CSI - Complemento Social para Idosos e esclarecer a população mais velha acerca dos serviços de que dispõem. O Sub-director regional do IPJ, Vítor Pereira, demonstra a vontade de alargar este voluntariado a outras camadas da população, se este ano o programa tiver sucesso. Este ano, e ainda numa fase de arranque, haverá apenas um voluntário por concelho, que prestará este serviço durante seis meses. Os voluntários serão seleccionados pela experiência que já possuem em serviço social. RBA

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Daqui e dali... João Lopes de Matos

SAPATEIRO RÁPIDO

Acabo de participar no funeral do senhor Albino, ultimamente conhecido pela sua actividade de sapateiro rápido. Qual é a história da sua vida para merecer ser aqui lembrado? - Vamos a ela:

Este senhor, à semelhança de muitas outras pessoas da Marinha Grande, foi um operário vidreiro. Trabalhava numa fábrica de vidro, onde, com os seus colegas, ao mesmo tempo que trabalhavam o vidro, iam idealizando uma sociedade perfeita, formada com base na igualdade, na justiça, no desenvolvimento, e essa sociedade, que começou por ser pensada como anarquista, tomou, mais tarde, a forma de socialista, devendo passar, por último, a comunista. Estas ideias eram para essas pessoas uma espécie de religião laica, que prometia o paraíso na terra.

Com o 25/4, todos esses operários julgaram chegado o momento de fazer a revolução, que pusesse em prática tudo o que até aí tinha sido sonhado.

Ao senhor Albino, que se julgava como fazendo parte da elite da classe operária, coube um papel importante nas tarefas que o PCP achou por bem (ou por mal) chamar a si. Se ele tivesse morrido nessa altura, teria, de certeza, um funeral de herói, com alta representação do comité central do PCP e de todas as estruturas distritais e locais do mesmo partido.

Mas ele viveu até hoje. Entretanto, a fábrica em que trabalhava fechou e ele teve que arranjar outra profissão. Com alguma sagacidade, fez-se sapateiro rápido e governou a sua vida com um certo desafogo.

Há dois meses, estando ambos no mesmo lado da rua, chamou-me. Reparei que caminhava devagar contra o que era seu hábito. Disse-lhe, a brincar: Então um sapateiro rápido anda assim tão devagar! Ao que retorquiu dizendo-me que estava muito doente e perto do fim, pois tinha um cancro no sangue e restava-lhe pouco tempo para resolver certos problemas, para os quais pediu a minha opinião. Disse-lhe que me mostrasse os olhos para eu poder ver se efectivamente estava mal. Perante a ausência de vermelho, disse-lhe um tanto a brincar: prepare-se, porque a viagem parece perto. -Preparar-me? Eu nem sei se há mais alguma coisa para além da morte - retorquiu.

Os dias passaram e deixei de vê-lo na loja. Hoje foi a enterrar.

Teve um funeral religioso, com missa de corpo presente.

O cortejo fúnebre foi silencioso, não vi ninguém de qualquer organismo do PCP. Além de alguns amigos (apenas amigos), entre os quais me incluía, vi caras de muitas pessoas simples, já velhas, que tinham nitidamente aspecto de "camaradas" vencidos pelo rodar dos anos e pelas várias desilusões.

Os marinhenses comunistas ou morreram ou não cantam já os amanhãs radiosos que hão-de vir. Penso que, com o senhor Albino, morre todo um passado e, com ele, uma Marinha Grande. Eu, por mim, só quero desejar paz à sua alma, se ela se libertou do corpo e ganhou autonomia.

João Lopes de Matos

domingo, 27 de julho de 2008

Fábrica d' Animação - Carrazeda de Ansiães

A Fábrica d'Animação, vai mais uma vez, dar vida, cor e animação às ruas de Carrazeda de Ansiães.
Dia 29 de Julho pode contar com palhaços, mimos, fogo e muita, muita, muita animação.

Faça-nos companhia, venha rir connosco.

Fábrica d’Animação – Animação, Desportos Radicais e Organização de eventos

DN

sexta-feira, 25 de julho de 2008

FARPA 2008 - Pombal de Ansiães

Clique na imagem para ampliar

Gestores da TAP reduzem os seus próprios salários em 10%

Num esforço de contenção de custos, os administradores da TAP decidiram reduzir em 10% os seus salários e abdicar dos prémios, em 2008, independentemente dos resultados da empresa no final do exercício, revelou ao Expresso fonte oficial da empresa. Expresso

O que se disse... José Miguel Júdice

«Portugal é um país onde há a arreigada convicção de que a liberdade é não cumprir as regras»

José Miguel Judice

Debate público - hoje

O Movimento Cívico pela Linha do Tua promove um debate público sobre a Linha do Tua, na Casa Regional dos Transmontanos e Alto-Durienses do Porto, no dia 25 de Julho de 2008, às 21h.
Convidamo-lo(a) a participar nesta discussão sobre a Linha do Tua, uma das mais emblemáticas obras de engenharia do nosso país e uma das mais belas linhas férreas de montanha da Europa, ameaçada pela construção de uma mega-barragem na foz do Rio Tua.

Neste debate, moderado pelo Dr. José Manuel Pavão, Presidente da Assembleia Municipal de Mirandela, estarão presentes, entre outras, as seguintes individualidades:

- Prof. Gaspar Martins Pereira - Professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto;
- Prof. José Manuel Lopes Cordeiro - Presidente da APPI - Associação Portuguesa para o Património Industrial e membro da Direcção do TICCIH - The Industrial Committee for the Conservation of the Industrial Heritage;
- Prof. Manuel Matos Fernandes - Professor catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto;
- Prof. Manuel Tão - Doutor em Economia de Transportes;
- Dra. Manuela Cunha - Assessora do Grupo Parlamentar Os Verdes e Dirigente do Partido Ecologista Os Verdes;
- Arq. Viviana Rodrigues - Arquitecta Paisagista

Local de realização do debate:
Casa Regional dos Transmontanos e Alto-Durienses do Porto
Rua de Costa Cabral, nº 1037, Porto

Confirmação através do email linhadotua@gmail.com ou dos telefones 936600374/ 914759307.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Projectos abandonados!...

Comunidade cigana de Carrazeda de Ansiães. Século XXI
Muito se escreveu, muito se discutiu sobre a comunidade cigana de Carrazeda de Ansiães.
Continuam abandonados!

Bruçó quer reabilitar antigos fornos de telhas

Os característicos fornos que no passado serviram para cozer telha de barro e instalados na freguesia de Bruçó, concelho de Mogadouro, voltam a ganhar vida fruto da recuperação daquelas antigas unidades industrias. A Junta de Freguesia local está a proceder a sua recuperação mantendo a traça original. O conjunto é composto por dois fornos, em cada um delas cozia cerca de cinco mil telhas de cada vez e que serviram para fazer a cobertura de centenas de imóveis daquela freguesia e vizinhas. RBA

Foto:
Forno de Telha abandonado em Luzelos, Carrazeda de Ansiães


Daqui e dali... Ateu

PRESENTE DO INDICATIVO DO CONCELHO DE CARRAZEDA:

Eu Génio
Tu Gemes
Ele Genio
Nós Gememos
Vós Genios
Eles Gemem

Ateu

quarta-feira, 23 de julho de 2008

A vizinhança que ninguém quer


Bragança tem a pior taxa de mortalidade infantil no país

O distrito de Bragança tem uma taxa de mortalidade infantil que está acima da média. Quase o dobro do valor médio do pais. Em 2007, Bragança registou 6.4 mortes por mil bebés nascidos, a nível nacional a cifra é de 3.4. Ao todo foram seis os bebés que faleceram no distrito antes de completar um ano de vida.
Berta Nunes, coordenadora da Sub-região de Saúde considera que é preocupante o distrito ser o pior do país neste aspecto, mas lembra que há poucos partos e cada morte tem um peso maior. O relatório motivou uma reunião, esta terça-feira, da Unidade Coordenadora da Saúde da Mulher e da Criança, na Sub-Região de Bragança reuniu para analisar os números. Berta Nunes mostrou-se surpreendida com os número de mortes – seis – pois, o organismo que lidera só tinha conhecimento de quatro. As duas mortes que não eram conhecidas ocorreram com mulheres do concelho de Mirandela, mas são casos desconhecidos da autoridade de saúde.
Berta Nunes salienta que não há situações de negligência em torno das mortes de bebés no distrito de Bragança, contudo o caso da criança de Carrazeda que morreu por asfixia de vómito poderá indiciar alguma carência social. O relatório da Direcção-Geral de Saúde revela ainda que o número de nascimentos não pára de diminuir no distrito de Bragança. Em 2007 realizaram-se 918 partos, em 2006 tinha sido 933, um ano antes 989
. RBA

terça-feira, 22 de julho de 2008

Castelo de Ansiães encoberto pela vegetação

Quem visita o Castelo de Ansiães encontra densa vegetação que encobre os vestígios das casas que se encontravam dentro da fortificação e a trepar as muralhas que, nalguns pontos, também apresentam sinais de ruir.
Este é o cartão de visita deste Monumento Nacional, classificado pelo Instituto Português do Património Arquitectónico, que se impõe no cimo de um monte, mesmo ao lado da vila de Carrazeda de Ansiães. A imponência do castelo é um pólo de atracção turístico para o concelho, pelo que o presidente da Junta de Freguesia de Lavandeira, Armando Frias, lamenta o mau estado de conservação em que se encontra o monumento. “Cada vez está pior. A par das partes que ameaçam ruir, ainda está tudo cheio de silvas”, denuncia o autarca.
Tendo em conta a história que lhe está subjacente e a importância deste património a nível regional e, até, nacional, Armando Frias defende que aquele espaço devia estar mais conservado e valorizado. “Se o empregado que têm lá limpasse um metro quadrado por dia, aquilo estava tudo limpinho. Assim está cada vez pior”, lamenta o autarca.

Situado na freguesia de Lavandeira, o castelo guarda uma história milenar, que remonta ao III milénio A.C. A sua localização confere-lhe uma defesa natural estratégica, daí ter adquirido uma particular importância durante o processo da Reconquista Cristã.
Os visitantes que optarem por fazer uma caminhada pela extensa muralha que vai resistindo ao passar dos anos podem apreciar a beleza da paisagem natural que envolve as localidades de Lavandeira e Selores.

Intervenção de conservação e valorização do Castelo depende de fundos comunitários

Segundo dados da Direcção Regional de Cultura do Norte (DRCN), durante o ano passado, o Castelo de Ansiães recebeu cerca de 2 mil visitas. Este ano, o número poderá ser ultrapassado, tendo por base as visitas durante o primeiro semestre.
Confrontado com o mau estado em que se encontra a fortificação, este organismo garante que estão preparadas um conjunto de acções, que incluem limpezas, consolidação e restauros para o conjunto monumental.

Em comunicado, a DRCN adianta que as acções previstas vão ser implementadas em conjunto com a Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães e poderão vir a ser alvo de candidaturas conjuntas ao Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN).
Apesar da intervenção depender de fundos comunitários, este organismo realça que “vai tentar a sua implementação a curto prazo”.
Recorde-se que este monumento já foi alvo de uma intervenção ao abrigo do III QCA PORNorte, no montante de 500 mil euros, que consistiu em trabalhos de limpeza, topografia, levantamentos, desmontes, escavações arqueológicas, arranjo de acessos e construção de um espaço para receber os visitantes. Jornal Nordeste

Comprar casa está afinal mais caro

Quem o diz é o bastonário da Ordem dos Notários, referindo que os preços para compra e venda de casa que entraram em vigor subiram para valores que podem ser o dobro, contrariando o que foi divulgado pelo Governo. JusJornal

Exames 2008

lpveloso - intertoon

Jorge Gomes reafirma compromissos para as estradas

Até ao final do ano vão ser adjudicadas as obras de construção da A4, IC5 e IP2. Uma promessa do Primeiro-Ministro para a região transmontana, reafirmada agora pelo governador civil de Bragança, Jorge Gomes. O troço da A4 que vai ligar Vila Real a Bragança vai ser adjudicado em Setembro, logo seguido do IC5 e do IP2.
Jorge Gomes destaca também a importância da concretização das três empreitadas para Trás-os-Montes... uma questão de justiça para os transmontanos. Em Setembro vai ser adjudicada a obra de construção do troço da Auto-estrada número 4 que vai ligar Vila Real a Bragança, nos meses seguintes, segue-se a adjudicação dos trabalhos do IC 5 e do IP 2. RBA

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Daqui e dali... Mário Cardoso

"Os Retornados"


Recentemente li “Os Retornados” de Júlio Magalhães. Embora tivesse vindo ainda muito criança de Angola, esta terra está muito enraizada em mim, não só pelo facto de ter lá nascido mas também porque cresci a ouvir falar dela e ainda hoje é um tema discutido e lembrado no meu núcleo familiar.
O livro retrata muito bem os momentos de angústia vividos por todos aqueles que deixaram para trás uma vida e um país cheio de cor, desenvolvimento, prosperidade, fraternidade e um sem fim de adjectivos que qualificavam estas terras (Angola e Moçambique), como magníficas. “Aterrámos” todos num país que para muitos era desconhecido e que para a maior parte iria ser difícil a construção de uma nova vida.

A opinião era unânime, Portugal era um país cinzento, atrasado em todos os níveis devido a herança pesada de um regime que “tolheu” o país. Era dos países mais atrasados da Europa. Angola “fervilhava” num ritmo de crescimento económico nunca visto. Não havia assimetrias regionais. Todas as cidades tinham um ritmo de crescimento igual quer estivessem no litoral ou no interior. Rasgavam-se novas estradas e novos troços de caminho de ferro por todo o território.
Todos os sectores estavam modernizados, o primário (agricultura), secundário, (industria) e terciário (serviços), e não pensem que este desenvolvimento era realizado à custa do trabalho escravizado. Pode sim ter sido em tempos remotos mas naquela altura a escravidão já tinha passado à história.
Ali todos trabalhavam em torno de um projecto comum: o desenvolvimento de Angola. Esse objectivo estava a ser alcançado, não fosse a guerra, este país seria hoje, sem dúvida, um dos mais desenvolvidos do mundo. Moçambique não era tão rica como Angola, mas também era uma colónia próspera e em crescimento.
Compreendo que estas terras tinham muitos recursos e que por isso se justificava a sua prosperidade. Mas há aqui um facto que merece ser discutido.

Angola, Moçambique e Macau, eram governados por portugueses. Como se viu e isso era um facto, o modelo económico era eficaz e reflectia-se, como já referi no desenvolvimento e progresso das ex colónias. Nessa altura Portugal Continental vivia atrasado em relação aos outros países europeus vinte ou trinta anos.

Hoje infelizmente esse problema persiste. Continuamos na cauda da Europa. No relatório de 2003 sobre o desenvolvimento humano das Nações Unidas ocupávamos a 23ª posição, em 2005 a 27ª e em 2008 ocupamos a 28ª. Temos portanto vindo a decrescer em vez de progredir, e isso é muito mau. Na minha opinião, os principais problemas são a reduzida produtividade da Economia portuguesa e as desigualdades internas de distribuição de rendimento. Já entraram no nosso país milhões de euros de ajudas económicas e não conseguimos sair da “cepa torta”. Os portugueses que estão no Luxemburgo produzem mais 177% que em Portugal. Os que estão na Suiça, Alemanha, França, Canadá, EUA, e por aí fora também têm uma média de produção superior em relação aos portugueses que aqui trabalham. Pergunto então, porquê? Se nas ex colónias fomos bem sucedidos, nos países para onde emigramos também o somos, porque é que aqui neste pequeno país à beira-mar plantado temos tantas dificuldades em prosperar? Será que nos tornamos dependentes dos subsídios? Porque é que aqui não conseguimos ser competitivos nem empreendedores? Tivemos azar com todos os políticos que nos governaram desde o 25 de Abril até aos nossos dias? Acredito que somos capazes de fazer mais e melhor pelo nosso país, porque temos provas dadas. Temos que identificar quais os problemas estruturais que nos impedem de dar o “salto” para solidificarmos a nossa economia para não estarmos tão vulneráveis ás crises internacionais.

Hoje Angola poderia ser uma das maiores potências mundiais. Portugal dificilmente poderá ser uma grande potência uma vez que temos poucos recursos, mas poderíamos inverter as estatísticas que nos colocam quase sempre em último lugar com políticas mais assertivas.

Mário Cardoso

Esculturas em granito em Carrazeda

Vários escultores reconhecidos internacionalmente estão a deixar a sua assinatura no Parque Internacional de Escultura em Granito ao Ar Livre, em Carrazeda de Ansiães. O senhor que se segue é o holandês Mark Brusse.
Este escultor já concluiu e colocou a sua obra na praça D. Lopo Vaz de Sampaio. Um trabalho dividido por quatro momentos rotulados de "As nossas mesas", sendo que em cada uma delas predominam quatro cabeças humanas. A inauguração oficial está marcada para 24 de Agosto.
O projecto do parque escultórico é da Câmara Municipal e está a ser coordenado pelo artista português Alberto Carneiro. Ele próprio assinou a primeira obra: "Os sete livros da arte e da vida", no jardim da biblioteca, e escolheu quem o acompanharia.
O espaço verde da Telheira acolhe já a "Pedra bulideira", de Carlos Barreira. Na praça do Centro Cívico, ergue-se um pilar de granito com dez metros de altura chamado "Em louvor dos limites", rubricado pelo irlandês Michael Warren. E em Abril passado foi cortada a fita do arco do italiano Mauro Staccioli, que apelidou de "Carrazeda de Ansiães/2007".
O autarca de Carrazeda Eugénio de Castro tinha previsto instalar uma obra por ano, até um total de dez - a última deveria ser inaugurada, previsivelmente, lá para 2014 - mas "o processo foi acelerado e deve ficar concluído dentro de um ano".
Nas últimas semanas, passaram por este concelho duriense do distrito de Bragança mais alguns escultores para escolher os locais onde vão instalar as suas obras. É o caso do espanhol Fernando Casás (jardim da Telheira ou parque radical), o português Ângelo de Sousa (jardim do mercado) e o japonês Satoru Sato (largo do Toural).
Fica a faltar a visita dos restantes dois, que, em breve, deverão escolher os locais para deixar a sua marca. Segundo o autarca, um deles poderá ser o português Pedro Cabrita Reis.
Ainda este ano, a Câmara deverá realizar um colóquio para explicar o processo de criação do Parque Internacional de Escultura em Granito ao Ar Livre, em Carrazeda de Ansiães. Eugénio de Castro acredita que poderá tornar-se uma atracção turística e, até, um ponto de "referência internacional" em matéria de arte pública. Eduardo Pinto/JN

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Os Campeonatos Nacional e Europeu de Jet Ski são em Mirandela!

O Município de Mirandela promove mais uma vez os Campeonatos Nacional e Europeu de Jet Ski, no Rio Tua.

Os Campeonatos decorrem de 19 a 20 o Nacional e o Europeu de 25 a 27 de Julho de 2008, onde os melhores pilotos nacionais e europeus mostram o que valem.

Cinema de Verão em Mogadouro

Três filmes para três fins-de-semana, esta é a proposta cinematográfica inserida num ciclo de cinema português que começa já este fim-de-semana, prologando-se até ao fim de semana de 8 de Agosto. Os êxitos “ Call Girl, O Crime do Padre Amaro e o Filme da Treta, são para já as três propostas que serão exibidas no anfiteatro ao ar livres do jardim da Casa das Artes e Ofícios de Mogadouro.
A entrada é livre e os filmes serão dirigidos para maiores de 16 anos estando a sua exibição marcada para as 23 horas de cada sexta-feira. Em declarações à RBA Morais Machado, presidente do município de Mogadouro, garante que esta é uma oferta que os mogadourenses fazem a si mesmo, ao tempo dá-se utilização ao um novo equipamento polivalente com boas condições para este género de actividade localizado em pleno centro urbano da vila. RBA

Muito mau!

Mesmo mau! Mais uma Primavera, mais um Verão e a estrada que faz a ligação de Carrazeda de Ansiães à piscina e parque de lazer continua sem passeios que protejam os peões e ciclistas!

Ver também: Muito mau! (Em 9 de Maio de 2007)

Ecopista avança até Carviçais

A Câmara Municipal de Torre de Moncorvo já lançou o concurso para a construção do troço da Ecopista do Sabor entre o Carvalhal e Carviçais.
O projecto, que representa um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros, já foi aprovado pelo Instituto do Turismo, no âmbito do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), e será financiado em 50 por cento.
Depois de concluída a primeira fase entre Moncorvo e o Carvalhal, a primeira ecopista do distrito de Bragança vai ganhar mais 12 quilómetros, que podem ser utilizados para fazer caminhadas ou para andar de bicicleta. Jornal Nordeste
DN

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Terra Flor - Feira de Produtos e Sabores

Clique na imagem para ampliar
17 a 20 de Julho - Vila Flor

Linha do Tua só fecha por causa da barragem

A Linha do Tua só vai encerrar por causa da construção de uma barragem. Palavra da secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino. Afastado está, para já, o fecho por questões de rentabilidade ou falta de segurança.
A garantia da secretária de Estado foi dada ontem, na Assembleia da República, aos representantes dos diversos grupos parlamentares, durante uma audição em sede de Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações.

A sessão foi uma iniciativa do Grupo Parlamentar do Partido Ecologista "
Os Verdes", que pretenderam questionar a governante sobre o futuro daquela via-férrea.
"
A única razão porque se virá a encerrar, total ou parcialmente, a linha do Tua, é, única e exclusivamente, por causa da construção da barragem", precisou Ana Paula Vitorino, sublinhando que "se a barragem não for construída, esta linha não será desactivada".
A reduzida circulação de passageiros (115 por dia, nas contas apresentadas pela secretária de Estado dos Transportes) não será, portanto, motivo para fechar a via, até porque, segundo diz Ana Paula Vitorino, "
a linha do Douro e outros ramais também têm baixa procura".
Ana Paula Vitorino realçou que o aproveitamento hidroeléctrico previsto para a foz do rio Tua "
é uma barragem de desenvolvimento económico e social para Trás-os-Montes".
E, se assume que após a sua construção o emprego que vai gerar é escasso, a governante atirou que "
a linha do Tua também não cria postos de trabalho". Olha, por isso, para o empreendimento como um "indutor de actividade económica", essa sim, capaz de criar emprego.
Caso a barragem avance vai ser necessário gerar alternativas de mobilidade. Porém, devido à orografia da zona, é "
praticamente inviável" construir no mesmo corredor uma outra linha ferroviária. Sendo assim, "será necessário pensar num bom sistema de transportes públicos".
A secretária de Estado referiu-se ainda à reactivação do troço Pocinho-Barca de Alva, na Linha do Douro. Notou que o Governo está "
disponível para fazer o investimento na infra-estrutura, desde que apareçam outras entidades que se comprometam a explorá-la".
E anunciou que a reactivação da continuação da linha no lado espanhol "
nem consta dos planos do Ministério do Fomento, nem está em curso". Eduardo Pinto/JN/Rádio Ansiães

José Silvano acredita que CP e REFER não querem encerramento da linha do Tua

O presidente do Metro de Mirandela, José Silvano, acredita que a CP e a REFER estão a esforçar-se para que a linha ferroviária do Tua não encerre.A convicção de José Silvano assenta nos constantes investimentos que aquelas duas empresas continuam a efectuar para a consolidação e manutenção da linha. O também autarca de Mirandela acredita que a discussão pública sobre o estudo de impacte ambiental da construção da barragem de Foz-Tua, que se inicia no próximo mês, possa trazer argumentos válidos para "travar" a construção daquele empreendimento hidroeléctrico. Convicção de José Silvano, manifestada no final da cerimónia de assinatura de um acordo entre o Metro de Mirandela e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário, como resultado de negociações que começaram em 2007.
José Manuel Rodrigues, dirigente daquele sindicato afecto à CGTP, considera que este acordo pode contribuir para a manutenção da linha do Tua e consequentemente viabilizar a empresa Metro de Mirandela.
A empresa Metro de Mirandela foi constituída há 13 anos quando tinha a seu cargo a exploração da linha entre Mirandela e Carvalhais, e apenas dois trabalhadores com contratos a prazo.
Desde 2001, ano em que a CP decidiu retirar as carruagens que circulavam na linha do Tua, até Mirandela, foi estabelecido um protocolo de prestação de serviço com a CP para permitir o transporte ferroviário na linha do Tua com as composições do Metro.
Actualmente, a empresa já tem oito trabalhadores (sete operadores e um administrativo), pelo que já foi possível estabelecer este acordo de empresa que mais não é que a regulamentação das condições de trabalho.

CIR/Eduardo Pinto/Rádio Ansiães
DN

Comunicado de "Os Verdes"

HOJE, NA INICIATIVA DE "OS VERDES" NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, FUGIU A BOCA PARA A VERDADE À SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES

"…não é por questões de segurança… "

"…nem por baixa procura…"

"…a única razão pela qual se pode vir a encerrar totalmente ou parcialmente a Linha do Tua é exclusivamente a barragem…"

Estas foram palavras proferidas pela Secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, na Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações da Assembleia da República à qual se deslocou hoje, para responder, em representação do Ministério das Obras Públicas, sobre os acidentes e sobre o futuro da Linha do Tua, numa iniciativa promovida pelo Grupo Parlamentar "Os Verdes".
Esta iniciativa foi solicitada por "Os Verdes" no passado mês de Junho aquando do terceiro acidente ocorrido nesta linha num período de um ano e meio.
Hoje, "Os Verdes" viram confirmado, pela boca de Ana Paula Vitorino, aquilo que sempre souberam: a barragem é a verdadeira e única ameaça à Linha do Tua e todos os outros argumentos até agora utilizados (falta de segurança, baixa procura…) por membros do Governo, no qual se inclui a Secretária de Estado, o próprio Ministro das Obras Públicas e ainda o Governador Civil de Bragança, que publicamente evocaram várias vezes estas razões para justificar o possível encerramento da Linha, não são mais do que uma tentativa de atirar areia para os olhos dos mais incautos ou dos que não conhecem a Linha do Tua e a realidade transmontana.
Ficou também claro, nas respostas dadas pela Secretária de Estado ao Deputado de "Os Verdes", Francisco Madeira Lopes, que, qualquer que seja a quota da barragem, parte da Linha ficará sempre submersa no seu troço mais valioso do ponto de vista paisagístico e de engenharia. A Linha do Tua ficará assim definitivamente desligada da Linha do Douro, isto é, da rede ferroviária nacional, não restando dúvidas que o troço não submerso deixará de ter qualquer viabilidade. Também a mobilidade da população transmontana fica assim reduzida e esta região ainda mais isolada.
Nesta reunião, o Deputado de "Os Verdes" desafiou a Secretária de Estado a apresentar argumentos concretos para sustentar o desenvolvimento que esta considera que a barragem representa para a região e para o país. Pelo seu lado, o Deputado ecologista defendeu, mais uma vez, a importância da manutenção da Linha do Tua, justificando-a com o serviço que esta presta às populações locais, com o seu valor patrimonial e cultural e com o seu potencial para um desenvolvimento sustentável desta região, se bem articulada com a Linha do Douro e com a reabilitação desta até Barca D'Alva.
A Secretária de Estado comprometeu-se hoje a entregar aos Deputados os relatórios da REFER, do Instituto Nacional de Transporte Ferroviário e do LNEC, quando confrontada pelo Deputado de "Os Verdes" com o secretismo que tem rodeado o apuramento das causas dos três acidentes ocorridos nesta Linha no último ano e meio e que em 120 anos praticamente não tem registo de acidentes graves.
O Partido Ecologista "Os Verdes"
O Gabinete de Imprensa de "Os Verdes"

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Olímpia Candeias deixa Assembleia da República com regresso de Duarte Lima

Duarte Lima está de regresso ao seu lugar de deputado pelo distrito de Bragança na Assembleia da República.
Há cerca de cinco meses que o parlamentar eleito nas listas do PSD estava ausente do hemiciclo, período em que foi substituído pela antiga vereadora da cultura da Câmara de Carrazeda de Ansiães, Olímpia Candeias.
Ao deixar o cargo, Olímpia Candeias, entende que “
há necessidade de reorganizar toda a forma de funcionar do Parlamento”.Alega que é preciso muito tempo para preparar os debates, um trabalho que é feito nos bastidores e não se vê” e que a obrigou a “nunca sair da Assembleia antes das 20 horas”.Apesar de tudo, Olímpia Candeias confessa que gostaria de voltar ao Parlamento, se tivesse essa oportunidade, pois “foi uma experiência enriquecedora”.
Depois de cinco meses a assumir funções de deputada pelo distrito de Bragança, Olímpia Candeias regressa novamente à Escola Básica 2/3 e Secundária de Carrazeda de Ansiães, onde é professora
. Rádio Ansiães/Eduardo Pinto

Prometida mais luta pela linha do Tua

Os próximos dois meses vão ser decisivos para o futuro da linha do Tua, numa altura em que vai ser colocado em discussão pública o estudo de impacte ambiental da barragem de Foz Tua. O autarca de Mirandela promete uma luta acesa para o mês de Agosto e acredita que é possível apresentar argumentos suficientemente fortes que evitem o desaparecimento da via ferroviária do Tua. Foi mesmo sob o fantasma do encerramento da linha do Tua que a direcção do Metropolitano Ligeiro de Mirandela e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário/ CGTP- IN assinaram o “acordo de empresa”, o qual vem regulamentar toda a situação laboral dos funcionários do Metro de Mirandela.
José Silvano, presidente do Metropolitano Ligeiro de Mirandela, explica que só agora se deu este passo, por só recentemente existirem funcionários em número suficiente para estabelecer este tipo de acórdos. José Manuel Oliveira, do sindicato, diz que a negociação, que demorou cerca de ano e meio, ficou marcada por avanços e recuos, mas também pelos percalços na linha do Tua e diz acreditar que este acordo é um sinal de empenhamento na manutenção da via ferroviária. José Silvano acredita que nos dois meses em que o estudo de impacte ambiental da futura barragem de Foz Tua vai estar disponível para discussão pública, vão apresentar argumentos válidos que travem a construção da barragem, como já aconteceu com outras situações semelhantes no país. O presidente do Metro de Mirandela fala também na existência de um lobby para manter a linha ferroviária da parte da CP e REFER, pois não se compreende como é que estão a ser investidas centenas de milhares de euros num equipamento que pode ser desactivado. A partir de Agosto e até ao final de Outubro vai ser tomada a decisão final, após a discussão do estudo de impacte ambiental, onde os defensores da linha do Tua esperam conseguir evitar o encerramento da via ferroviária. RBA

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Daqui e dali... João Lopes de Matos

A luta política tem que decorrer com mais elevação. Podemos argumentar cada um à sua maneira e mantermos respeito recíproco. Aqui nos blogues a mesma coisa. Podemos até fazer algumas picardias e manter o respeito e a amizade. Temos até que ter algum cuidado com o modo como dizemos as coisas.
Alguma brincadeira é salutar, alguma ironia também e mesmo algum azedume.
Mas temos que fazer um esforço para não ultrapassarmos os limites da decência.
Se certas regras não são respeitadas, então é melhor acabar com os blogues, o que é uma pena pois há tantos assuntos que podem ser tratados por este meio.

João Lopes de Matos

Rota de miradouros ainda sem manutenção garantida

Onze miradouros e cinco caminhos durienses receberam um investimento de 770 mil euros, criando uma rota que tornará mais fácil conhecer alguns dos locais mais emblemáticos do Douro Património Mundial.
A iniciativa, anunciada em Dezembro de 2006 pela Associação de Municípios do Vale do Douro Norte (AMVDN), está na fase de colocação de sinalética no terreno.
Só que, mesmo antes de estar concluído, o projecto parece estar condicionado porque ainda nenhuma entidade assumiu a gestão pela sua manutenção e limpeza nem pela promoção da animação que dinamize os espaços.(...)

Até ao momento a única informação existente sobre os caminhos e miradouros durienses está disponível num blog na Internet criado por um dos técnicos envolvidos no projecto (http://miradourosdurienses.blogspot.com/).

Vereador socialista de Carrazeda diz que novo empréstimo piora situação económica da Câmara

O vereador socialista da Câmara de Carrazeda de Ansiães, Augusto Faustino, entende que o empréstimo de mais de 600 mil euros que a autarquia pediu à banca, a semana passada, vai piorar ainda mais a sua situação financeira do Município.
O recurso ao crédito foi incontornável, sendo que era necessário evitar nova devolução de fundos comunitários por incumprimentos da execução financeira de algumas obras comparticipadas pela Europa. Mas também para estabilizar a tesouraria da edilidade. Augusto Faustino votou "contra" esta solução em reunião de câmara, continuando a defender que se "deve poupar, e muito, no que é assessório, para fazer face aos graves problemas de tesouraria que tem". E isto porque a Câmara de Carrazeda está, segundo Augusto Faustino, numa "situação caótica" e espera que o empréstimo agora contratado seja "devolvido até ao final deste ano" de forma a evitar que o Tribunal de Contas dê "um puxão de orelhas" à autarquia. Rádio Ansiães/Eduardo Pinto

Grupo de Cantares de Carrazeda vai actuar à Suíça

O Grupo de Cantares de Carrazeda de Ansiães, vai participar na Europeade 2008, que decorre de 23 a 27 de Julho, em Martigny, na Suíça.
A Europeade é uma manifestação de âmbito cultural que tem como objectivo “fomentar e apoiar em liberdade e paz a união de todos os povos da Europa”.
Martigny vai assim acolher cerca de 200 grupos de danças e cantares de toda a Europa, num total de 5.000 participantes.
Integrado num vasto programa de actividades, o Grupo de Cantares de Carrazeda de Ansiães vai actuar nos dias 25 e 26. No entanto, também tem prevista uma actuaçao no Centro Português de Martigny, no dia 26, pelas 21 horas, para a comunidade emigrante portuguesa que ali reside.
Mais informações em www.europeade.eu
Rádio Ansiães/Eduardo Pinto

Daqui e dali... Xavier

Câmara Municipal de Carrazeda está de Tanga!


«A autarquia de Carrazeda de Ansiães pediu mais um empréstimo de 500.000,00 €.»

Mais uma medida ruinosa que vai levar muitos anos e muitos sacrifícios para que as gerações vindouras regularizem as dívidas deste executivo esbanjador liderado por Eugénio Castro.
O "demissionário" Presidente da Câmara Municipal de Carrazeda, Eugénio Castro, está empenhado em levar a Câmara Municipal a uma situação financeira ruinosa.
Carrazeda de Ansiães tem sido referida a nível nacional por uma das mais endividadas, portadora de uma situação económica catastrófica.
O Presidente da Câmara Municipal convocou uma reunião em Pombal de Ansiães para mais uma vez falar daquilo que sabe que não vai cumprir: as Termas de S. Lourenço.

Mas, os menos distraídos viram que o S. Lourenço foi apenas o pretexto para exigir que os presentes aceitassem mais um empréstimo ruinoso para Carrazeda de Ansiães.

Mas as despesas continuam:
- o Festival de Música Medieval que aproveita a meia dúzia; alguém sabe quanto se gasta neste Festival? Qual a média de assistentes que não façam parte da organização?
- os motoristas continuam a correr a Lisboa para Eugénio Castro assinar documentos;
- as sucessivas viagens do Presidente, vereadores e assessores ao estrangeiro continuam a ser pagas por quem?
- que proveitos concretos tem Carrazeda de Ansiães dessas viagens ao estrangeiro? Nenhum!
- como pensa Eugénio Castro pagar os empréstimos em que atolou Carrazeda?
- quanto é que se deve concretamente?
- quanto se gastou no novo cemitério?
- quanto se gastou no (des)arranjo da vila?
- quanto falta gastar?
- quanto falta gastar no Centro Cívico?
- quanto se vai gastar na Feira da Maçã?
- quanto custam mensalmente os novos carros da Câmara?
- QUANTO?

A situação é muito grave!
Os vereadores da oposição "de passarinhos" socialista continuam encantados a mirar-se ao espelho.
A Câmara Municipal de Carrazeda está de tanga!
Responsável: Presidente da Câmara Eugénio Castro.

Xavier

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Câmara obrigada a ir à Banca

A Câmara de Carrazeda de Ansiães recorreu ao crédito para evitar nova devolução de fundos comunitários. Este ano já tinha devolvido mais de dois milhões de euros relativos a obras que não executou financeiramente.

A Caixa Geral de Depósitos emprestou, esta semana, à autarquia de Carrazeda 500 mil euros. Destinam-se a concluir a liquidação de diversas obras em curso ou já concluídas, de modo a conseguir a sua execução financeira dentro do prazo.

Este cumprimento era obrigatório para os projectos comparticipados pela Europa no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio. "Pisar o risco" significava a devolução do apoio, com os inerentes contratempos.

O empréstimo agora contraído, e que terá de ser pago num ano, foi a única solução encontrada pelo executivo liderado por Eugénio de Castro (PSD), depois de não ver aprovada a candidatura ao programa do governo "Pagar a Tempo e Horas". Este programa permite a contratação de empréstimos em condições especiais por parte de organismos públicos, no sentido de reduzirem as dívidas a fornecedores. Só que, a candidatura de Carrazeda foi chumbada.

Neste cenário, o recurso ao crédito bancário funciona como um escape para evitar devolver as comparticipações comunitárias nos custos de obras como as piscinas aquecidas, o parque radical, a entrada sul da vila e uma estrada municipal.

O problema com que Eugénio de Castro fica para o último ano como presidente da Câmara de Carrazeda é pagar o empréstimo contraído esta semana. "É um problema de fundo, mas já temos algumas soluções para o conseguir", adianta, revelando que "o importante era concluir e pagar as obras em curso e que dependem do III Quadro Comunitário".

Este ano, a edilidade carrazedense já tinha sido obrigada a repor mais de dois milhões de euros de financiamento comunitário relativo à construção do centro cívico e do Museu Rural do Vilarinho da Castanheira e à recuperação das Termas de São Lourenço.

O processo do centro cívico está em tribunal devido a desentendimentos com o empreiteiro. Parte do edifício para instalar o museu ruiu antes de estar concluído por deficiências na obra. As termas marcam passo, pois foi necessário alterar o plano de pormenor por causa da previsão de uma barragem junto à foz do rio Tua. Eduardo Pinto, JN

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Daqui e dali... Júlio César

O nosso espelho…
Culpados…

Ao iniciar este texto, o objectivo é provar que constitui uma ignorância tentar empurrar a culpa de todos os problemas sociais, económicos, etc. no Rei que ao longo destas duas décadas nos tem governado. Teremos também de reflectir naqueles que nele acreditaram, rodearam, continuam a rodear e mais do que nunca continuam a acreditar.

Afinal de contas, não adianta de nada culpar o Rei por todos os males que nos afligem. Esta é uma atitude muito cómoda para o povo, o qual é, na realidade, o verdadeiro culpado, a partir do momento que deixa de se interessar pela política e possibilita ao Rei agir de acordo com as suas vontades particulares, deixando para trás todo um Concelho ao abandono, chegando mesmo ao ponto de desprezá-lo.

Se a política é um assunto desagradável, chegou o momento de encontrarmos os culpados.

Façamos uma retrospectiva: o povo é culpado pelos problemas, já que a maioria das pessoas não se interessa em participar nas decisões políticas.
Poderá existir uma minoria de homens que pretende reverter este quadro. Mas como? Através de revoluções? Não. Revolução alguma irá resolver o problema. Os males só cessarão quando a vontade geral assim o quiser.
E o que devemos fazer? Sentar-nos e esperar que uma luz divina clareie a visão de todos e faça com que se tornem activos e participativos os cidadãos? Não.

Não temos que esperar. Temos que acatar a vontade geral, mas isso não impede que divulguemos a nossa vontade em acreditar em novos projectos, e tentemos nós mesmos alertar o povo para um novo rumo. Mais do que nunca torna-se urgente alertar o povo para os males que o Rei e os seus compadres, disfarçados de anjos puros, quando na realidade não passam de simples e feias marionetas que um malfeitor ao longo destas duas décadas tem usado para as suas vinganças e continua a usar pela calada, com métodos que apenas são usados em terras sem uma verdadeira democracia. Não. Não. Não. Este Concelho não merecia tanta maldade e ódio.

Precisamos de dar alguns passos e quando o primeiro passo estiver completo (alertar e divulgar), passaremos ao passo dois: encontrar um presidente digno de confiança.

O que precisamos agora é encontrar alguém que cumpra o seu dever, que respeite as cláusulas do contrato social, de que tudo deve convergir para o bem comum e não para o bem particular do político. E enquanto não acharmos um presidente que respeite o contrato/prometido, trataremos de expulsar um a um do seu posto, como faríamos com um inquilino que não paga a renda. Se ele não paga a renda porque não pode, então talvez possamos ajudá-lo, fazendo algum tipo de caridade. Mas se ele não paga porque não quer fazê-lo, então teremos de expulsá-lo. O mesmo deve ser aplicado ao político que age perfidamente e não respeita o contrato social. Então o povo, consciente, deve agir, e a vontade geral deverá determinar a expulsão do presidente do seu cargo.

Iremos em busca de outro inquilino. Iremos em busca de outro político, quantas vezes for preciso, até encontrarmos algum que realmente cumpra o contrato/prometido. De uma vez por todas está na hora de expulsar o homem, “os homens” que se regem por vingança e inveja.

Sejamos objectivos e procuremos encontrar alguém para cumprir o contrato tal como deve ser.

Júlio César

Miranda do Douro com escavações arqueológicas

Pôr as memórias arqueológicas da cidade de Miranda do Douro a descoberto é o objectivo de uma prospecção arqueológica que começou a ser efectuada numa altura em que a cidade comemora o seu 463º aniversário. O início das escavações deu-se na área circundante à Sé Catedral, antes de ali começarem a ser efectuadas obras de repavimentação do espaço exterior do templo datado do século XVI. RBA

Vindouro cria emprego na região

“Vindouro – Rota Internacional do Vinho” é esta a designação oficial de um projecto inovador que vai ser desenvolvido em Trás-os-Montes e Alto Douro, com incidência nesta primeira fase nos concelhos de Miranda do Douro, Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo, em parceria com cerca de uma centena de municípios das zonas espanholas de Zamora e Salamanca. RBA

quarta-feira, 9 de julho de 2008

VII Festival de Música Medieval

Carrazeda de Ansiães - 12 a 18 de Julho de 2008

Constituindo uma iniciativa ímpar no panorama dos festivais de música em Portugal, Carrazeda de Ansiães acolhe o VII Festival de Música Medieval, nos dias 12, 13, 18, 19 e 20 de Julho de 2008. A aposta nesta sétima edição é a de apresentar um conjunto de intérpretes portugueses que se tem vindo a distinguir na interpretação especializada, vocal e instrumental, do repertório musical da Idade Média: Ensemble Hispânia, Vozes Alfonsinas, Mediae Vox Ensemble e La Batalla.
O festival, que conta com a direcção artística de Pedro Caldeira Cabral, terá ainda a presença de uma oficina sob o tema "A Arte dos Instrumentos Musicais na Idade Média", apresentada pelo próprio.
Associação Gaita de Foles

NOTA: Ao contrário do que é indicado no link que contém o programa do Festival, no próximo Sábado (19 de Julho) o concerto realiza-se na igreja de Fontelonga e não na igreja de Amêdo.

Já não há helicópteros. “Uma vergonha”, reage Beraldino Pinto

"Uma Vergonha”. É assim que Beraldino Pinto, presidente da Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros reage ao anunciado hoje na antena 1, na entrevista que Abílio Gomes, presidente do INEM, deu àquela emissora pública de rádio, onde anunciou que, afinal, não vão ser adquiridos os três helicópteros que iriam operar no Alentejo e em Trás-os-Montes.
Em Trás-os-Montes o distrito de Bragança é o mais afectado, já que eram dois os heliportos que estavam previstos, sendo um em Miranda do Douro e outro em Macedo de Cavaleiros.
Abílio Gomes disse na entrevista de hoje à Antena 1 que o INEM “está a finalizar um estudo que deverá confirmar não ser essencial a aquisição dos helis, até porque são caros demais”. Beraldino Pinto, edil de Macedo e Manuel Rodrigo, edil de Miranda, reagiram indignados e incrédulos perante a quebra de uma promessa que foi assumida com o actual governo em protocolo político.Beraldino Pinto, em declarações à mesma estação de rádio não foi de meias palavras. “Considero que é uma vergonha, já não basta este atraso, agora pôr tudo em causa passa dos limites e é inqualificável esta atitude”.

Beraldino Pinto diz que está em causa a palavra e a honradez de pessoas e instituições e se o protocolo é para quebrar, “então vamos exigir que o hospital de Macedo seja novamente o hospital que era, um hospital distrital com todas as valências. Não podem ser organismos de um nível inferior a pôr em causa as decisões políticas que foram tomadas, firmadas, homologadas e assinadas”.
Já o presidente de Miranda do Douro manifesta "estranheza e desilusão" e lamenta que o Governo anunciasse a compra dos aparelhos sem ter efectuado estudos prévios. “É lógico que as ambulâncias e os helicópteros são caros, mas é lamentável que um governo que assina uma coisa não faça primeiro estudos -que agora estão a ser feitos – antes de afirmar aquilo que vai fazer", disse o autarca em declarações à Antena 1. Notícias do Nordeste

Adão Silva critica presidente do INEM e governo

“Lamentáveis” e “descabidas” é como o deputado na Assembleia da República, Adão Silva, eleito pelo distrito de Bragança, apelida as palavras do presidente do INEM sobre o facto de o helicóptero de emergência médica previsto para Macedo de Cavaleiros ser considerado agora desnecessário.

O parlamentar também não poupa o governo socialista, dizendo que o executivo não teve palavra de honra ao extinguir serviços de saúde na região transmontana e ao não oferecer as alternativas prometidas. RBA

Executivo municipal ouve problemas dos munícipes

Os munícipes do concelho de Freixo de Espada à Cinta terão até ao próximo domingo a oportunidade de colocar questões e dar conta das suas necessidades directamente ao Executivo municipal. Há três anos que a acção é levada a cabo, tendo como base uma semana dedicada aos munícipes.
O Executivo faz-se acompanhar de técnicos, promovendo um périplo pelo concelho sob o lema
“Mais perto de todos, mais perto das soluções.” RBA

Louçã critica barragem do Tua

O Bloco de Esquerda vai contestar a construção da barragem do Tua no próximo debate do estado da Nação, no Parlamento. Para preparar argumentos, o dirigente Francisco Louçã viajou terça-feira de metro, entre Foz-Tua (Carrazeda) e Mirandela. O deputado concede que é necessário fazer algumas barragens no país, mas "por razões de sensatez" refuta o empreendimento hidroeléctrico do Tua. Primeiro "porque faz desaparecer a linha ferroviária do Tua". Considera-a uma "obra de arte", com 120 anos de existência, e com "elevada potencialidade turística". Depois, "porque afecta terrenos agrícolas". Louçã realça que esta barragem representa "apenas 0,5 por cento do potencial hidroeléctrico do país" e está convencido que Portugal teria muito mais a ganhar "apostando na eficiência energética". Exemplificando: "Um euro investido para evitar perdas de energia ou para substituir as formas de iluminação corresponde a oito euros de poupança". Contas feitas, assume que "uma boa política energética tem essas prioridades e não passa por atropelar o património cultural e paisagístico", disse.
Francisco Louçã reconhece que a linha do Tua até pode nem ser rentável do ponto de vista comercial, no entanto, classifica-a como uma mais-valia turística que deve ser aproveitada para desenvolver a região. "A rentabilidade também se vê pelas pessoas que visitam, que comem, que ficam e que querem conhecer", frisa.
O dirigente do Bloco de Esquerda considera ainda uma boa ideia a extensão da linha do Tua desde Mirandela até Puebla de Sanábria, em Espanha, passando por Macedo de Cavaleiros e Bragança. No entanto, para que tal aconteça, "é preciso que a linha não seja encerrada no último troço". Eduardo Pinto/JN