quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Daqui e dali... mARK

Concerto The Mysyery Artist – 31 Agosto em Carrazeda de Ansiães
Ou um clã à parte

Integrado na XII Edição da Feira da Maçã, Vinho e Azeite, que decorre anualmente na vila transmontana de Carrazeda de Ansiães nos finais do mês de Agosto, o próximo concerto há muito que estava marcado na nossa agenda.
Trata-se de uma feira que visa sobretudo, potenciar o consumo e a comercialização dos produtos da terra, com especial destaque para o azeite, para a maçã e para o vinho, ou não estivéssemos nós a falar de uma das zonas demarcadas do Douro Vinhateiro, património da Humanidade.
Há quem diga que Carrazeda de Ansiães tem as maçãs "mais doces" e o melhor vinho de mesa que o Douro produz.
Entre algumas das curiosidades oferecidas pelo certame todos os anos, é o facto de ser possível assistir ao vivo e a cores, ao acto de pisar o vinho, por exemplo. Tarefa essa, ainda muito em voga por estes lados, e que para além de ser uma das formas de reunião e de convívio entre os populares, é também uma das fases mais importantes na arte de bem-fazer o vinho, e que, não obstante o passar dos anos, continua a marcar presença, essencialmente junto dos pequenos agricultores do Douro Vinhateiro.
Por isso, penso que existem motivos mais do que suficientes para que se visite esta zona e esta feira em particular. Naturalmente que a nossa actuação, será apenas mais um!
Quanto a esta deslocação da banda, é óbvio, que desta vez, quem está a jogar em casa sou eu. Por isso, desde cedo que os contornos deste concerto haviam ficado bem definidos com a organização deste certame, no caso, a Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães.
Como é natural neste tipo de eventos, fui informado de que no dia da nossa actuação, estaria também presente uma banda com outro peso no panorama musical nacional e que seria a cabeça-de-cartaz da noite. Os escolhidos para este ano seriam os portuenses CLÃ.
Óptimo, pensei.
Sempre gostei dos CLÃ, e a última vez que os vi ao vivo, creio que foi numa das Queimas das Fitas do Porto, já lá vão uns anitos.
Portanto, seria uma excelente oportunidade de pôr a escrita em dia, com uma das bandas nacionais que melhor faz o denominado Pop-Rock cantado em português e que se tem mantido fiel aos seus princípios, de fazer música simples, mas com enorme qualidade, principalmente, no que diz respeito ao nível da construção escrita dos seus temas.
Para além disso, fui ainda informado, de que à semelhança do que havia sucedido no mês de Julho, nas comemorações da Festa da Juventude (na qual nós havíamos participado em 2006), em que os Bandit´s (uma das bandas de Carrazeda) tiveram a oportunidade de abrir a noite para os Quinta do Bill, também nós iríamos ter o privilégio tocar no palco dos CLÃ. Nem queria acreditar. Era a cereja no topo do bolo! Tocar num palco grande com o som feito por profissionais, e usufruir de todas as regalias que isso significa, como sejam, um sistema de luzes digno por exemplo, é o desejo e a ambição de qualquer banda que se preze.
Mas confesso, que o que me agradou sobremaneira, foi sobretudo a ideia, de termos a possibilidade de trabalhar com profissionais na verdadeira acepção do termo.
Não quero com isto dizer, que pelos sítios onde já tocámos, não houvesse profissionalismo (porque o houve!), e que não fizessem tudo o que estivesse ao alcance para termos as melhores condições possíveis.
Mas a verdade, é que uma coisa é tocar em bares, ou salas de concerto, que por vezes, por muito boa vontade e profissionalismo que exista, nem sempre oferecem condições de acústica ou de espaço condizentes, e por isso torna-se impossível fazer e exigir muito mais, e outra totalmente diferente, é tocar num palco de uma banda profissional que tem o seu próprio staff para o som, para as luzes etc.
Com todas as condições reunidas para proporcionar um excelente concerto, seria uma óptima oportunidade de demonstrar o que de facto valemos em cima de um palco. Para além disso, não é todos os dias que se tem a oportunidade e o privilégio de partilhar o palco com uma banda do calibre dos CLÃ.
Sem dúvida que seria uma experiência com a qual muito iríamos aprender, e sobretudo, seria mais um passo firme no nosso próprio crescimento, enquanto banda de garagem, ainda à procura do seu espaço num mercado cada vez mais difícil e feroz, como é o mercado musical.
Por isso, quando fui informado de todos os pormenores que iam rodear o nosso concerto, congratulei a organização pelo feito e disponibilizei-me a prestar toda a informação referente aos The Mystery Artist, para que nada fosse descurado.
E a verdade, é que umas semanas depois, lá estava eu a falar com os responsáveis técnicos dos CLÃ, dando-lhes toda a informação requisitada, nomeadamente Back-line e até um dos nossos discos, para que pudessem ter uma ideia aproximada do som que nós fazemos, e lhes fosse mais simples trabalhar connosco quando chegasse o tão ansiado dia.
Tudo parecia bem encaminhado, e ficou combinado que umas semanas antes, entrariam em contacto comigo, caso fosse necessário mais alguma coisa.
Sucede porém, que na passada semana fui informado pela Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães, responsável pela organização do evento, que os CLÃ lhes haviam enviado um e-mail pedindo a exclusividade do palco para o dia 31 de Agosto, dando assim o dito pelo não dito.
Motivo apresentado: nenhum.
Apenas exigem a exclusividade do palco.
Por outras palavras, os CLÃ já não estavam interessados em ter mais nenhuma banda em palco que não fossem os próprios, pelo que teríamos de arranjar outro pouso se quiséssemos tocar nesse dia.
Face a este volte face por parte dos CLÃ, a solução arranjada para nós pela organização, foi colocar-nos noutro palco ao lado, que para além de ser mais pequeno, com outras condições de som, luzes etc., (ou seja, inferiores…) vai ser partilhado com uma banda de baile, que essa sim, pelos vistos, vai abrir as hostilidades naquela noite. É óbvio que essa banda me merece todo o respeito, mas convenhamos, não tem nada a ver com o tipo de som que nós tocamos....nem com o som dos CLÃ…
No fundo, nada tem haver com o som que se vai fazer ouvir no recinto durante aquela noite.
Para além disso, fui também informado de que agora só iremos começar a tocar por volta das 00.30 horas, e após o concerto dos CLÃ, que o mesmo será dizer, quando todo o povo já estiver em debandada geral.
Face a estas notícias, a euforia inicial que me havia invadido aquando da negociação deste concerto, depressa deu lugar à agonia.
Respeito a opção dos CLÃ e a solução para nós encontrada por parte da organização, mas não me posso coibir e colocar algumas questões:

1) Se os CLÃ não estavam interessados em partilhar o seu palco, porque é que só agora, a pouco mais de duas semanas do evento, comunicaram tal facto à organização?
2) Porque é que os CLÃ me andaram a fazer perder tempo com reuniões se o objectivo era exigir exclusividade de palco?
3) Qual o problema para uma banda como os CLÃ, com uma carreira musical sólida e com créditos firmados no panorama musical nacional, em partilhar o palco com uma banda de garagem como a nossa? Excesso de vedetismo? Apenas um laivo de vedetismo? Ou receio de perda de protagonismo???
4) Porque é que, pela segunda vez em Carrazeda de Ansiães, vamos partilhar o palco com uma banda de baile, sabendo à priori que os CLÃ, sendo a banda cabeça-de-cartaz da noite, nada têm a ver com esse estilo musical e nós muito menos?
5) Porque é que, pela segunda vez em Carrazeda de Ansiães, vamos tocar após a banda cabeça-de-cartaz? (O ano passado foi após os The Gift...)
6) Após o concerto dos CLÃ, qual é o tipo de público que vai ficar para ver o nosso concerto?
7) Não seria preferível, ainda que num palco ao lado do dos CLÃ, sermos nós a abrir a noite?
8) Será que o facto de ainda sermos uma banda de garagem, não nos dá a legitimidade de merecer ou de exigir outro tipo de trato?
Posto isto, o que vos posso dizer, é que embora tenham descido alguns pontos na minha consideração, vou continuar a ouvir os CLÃ, porque para mim, a música, pouco ou nada tem a ver com clichés de vedetismo a que muitos artistas ou pseudo-artistas, gostam de se agarrar a partir do momento em que entram no meio musical.
Desta vez, os CLÃ ficaram mal na fotografia, mas espero que ao menos, compensem a sua atitude, com um grande concerto, pois como admirador da sua música lá estarei para ver.
Da nossa parte, só tenho de agradecer à organização (principalmente à Ana, thanks!) o convite e a oportunidade de voltar a tocar em casa.
É sempre um prazer.
Nada posso apontar à Câmara Municipal que desde o início nos tem apoiado. No entanto, não posso deixar de fazer um pequeno reparo quanto à formulação dos cartazes, pois continuo a defender, que face à temática musical da noite, deveríamos ser nós a abrir as hostilidades e não uma banda de baile.
Repito, em situações como estas, em que há uma “banda grande” que é cabeça-de-cartaz, não faz sentido sermos nós a fechar a noite.
Quanto aos The Mystery Artist, banda subitamente “desapossada” do palco principal, quando transmiti este volte face aos restantes elementos da banda, é óbvio que o sentimento geral foi de desilusão.
As expectativas criadas tinham subido a um nível bastante elevado. Eu próprio, face ao que inicialmente me haviam “vendido”, e sabendo de que iríamos ter condições únicas ao nosso dispor, havia sido o responsável por incutir junto da banda, de que este seria “O CONCERTO”. Tinha de ser!
Já havia povo que estava disposto a vir do Porto, para assistir ao grande evento, e que agora, face ao horário da nossa actuação, dificilmente se deslocará para ver apenas os CLÃ, pois a hora é proibitiva para assistir aos dois concertos e regressar a horas decentes à Invicta.
O sentimento que reina actualmente entre nós, é de desalento pelo defraudar de expectativas, mas como é óbvio, nada disto vai impedir que a gente se entregue de corpo e alma e que faça tudo para que seja um bom concerto. Nada disto vai servir de desculpa para nada. Pois mesmo nas circunstâncias que se nos deparam, se olharmos para trás, reparamos que já tocámos em condições bem piores.
No fundo, o que temos de fazer, é encarar apenas este episódio de forma natural, aprendendo e crescendo com ele, pois servirá de exemplo para o futuro.
Agora, nestas, como noutras coisas que sucedem ao longo da nossa vida, só há uma coisa de que eu não prescindo: Respeito!
E na minha óptica, os CLÃ não nos respeitaram.
Será que era pedir muito?
mARK
.
Apesar do nosso nome aparecer em letras pequeninas (e com um "i" em vez do "y" que deveria levar em "Mystery"), valha-nos ao menos o consolo de termos ficado por cima do clã Carreira (que actua no dia seguinte...).

17 comentários:

G.F disse...

Estive muito atentamente a lêr toda esta historia, e de facto é lamentavel a atitude dos "Clã" penso que apesar de grande banda que são, isso não lhes dá o direito de pisar os outros, EU VOU ESTAR LÁ PARA VOS OUVIR.. força .....

cumprimentos

Gilberto Ferraz

F.B. disse...

Faço das palavras de g.f(acima) as minhas proprias palavras...

FORÇA...

Anónimo disse...

Tambem não percebi a atitude por parte dos Clã, acredito que vocês em carrazeda tem publico, e vão estar muitas pessoas a assistir.
Eu vou estar a vibrar com o vosso som, se possivel na linha da frente.

Abraço e continuem.


PS: O leitor do vosso MySpace não funciona correctamente!



Rui Pinto

The Mystery Artist disse...

Obrigado pelo apoio meu Povo!
Há que olhar em frente e para nós isto já pertence ao passado.
O que interessa é que o regresso a casa na sexta seja de arrasar!
Até lá!

P.s. Rui Pinto, não tenho conhecimento de que o nosso myspace esteja a dar problemas. Está a rolar normalmente. Vê isso no teu pc.
Thanks.

mARK

Nuno Teixeira disse...

Compreendo tal indignação; Foi bem fundamentada :)

Um bom concerto (apesar de nao gostar da vossa sonoridade).

Anónimo disse...

Nao sei se a indignação foi bem fundamentada. Fui um dos 50 fans a ter direito de assistir ao concerto íntimo dos Clã. E quando quis ler mais e cliquei Clã no google apareceu-me este lamento um pouco lamechas, perdoem-me. Não sei se foi a banda que impediu os Artist de actuarem, posso duvidar até de que a banda saiba. É que os Clã têm management e normalmente são eles que tratam disso. A banda só tem de se preocupar em tocar. Mas como digo não sei, mas pelo menos devíamos dar-lhes o benefício da dúvida e até vocês podiam depois perguntar-lhes pessoalmente porquê, se vai estar na vossa terra. Se não, podem estar a fazer julgamentos precipitados. Pelo que li, hà uma parte ridícula. Essa è mesmo. Desculpem-me. Então, o facto de tocarem à 1 da matina também é da responsabilidade dos Clã ou da oraganização do evento, a quem vocês parecem estar agradecidos? Nisso têm razão. Deviam fazer a 1ª parte, mas não foi a organização que vos relegou para as calendas e assim vos menosprezou? E não percebo o que também faz aí um grupo de baile! Da responsabilidade dos Clã? Deixem-me rir!

roberto caires

The Mystery Artist disse...

Exmº. Sr. Roberto Caires

Em primeiro lugar, gostaria de o felicitar pelo facto de ter tido esse previlégio, e de ter sido um dos 50 contemplados com esse concerto.
Depois, quanto ao teor do seu comentário, é óbvio que não estive à conversa com a Manuela Azevedo! Aliás, penso que fui bastante claro, quando disse, que falei com os responsáveis técnicos dos CLÃ.
Ou V. Exª. acha, que apesar dos CLÃ possuírem, como diz e bem, o seu próprio staff de management, a banda em si não tem uma palavra a dizer, sobre que bandas vão pisar o palco DELES, antes da sua própria actuação?
Ou V. Exª. acha, que os responsáveis técnicos dos CLÃ, iriam colocar uma banda em palco, permitindo a essa banda usufruir do P.A. luzes etc. (propriedade dos CLÃ, ou no mínimo, alugado por eles...) assim à revelia, sem disso darem conhecimento aos próprios CLÃ?
Isso sim, perdoe-me, mas parece-me um juízo algo ingénuo e ridículo da sua parte.
Quanto ao horário da actuação, e sem querer ser o Advogado da organização, parece-me bastante óbvio: se os CLÃ, dão o dito pelo não dito após o que havia sido acordado connosco, e após o que a organização havia acordado com a banda de baile contratada, só poderia sobrar para nós!
A nossa hora de actuação seria outra, caso nos mantivéssemos no palco principal.
Parece-me evidente, que se não tivesse sucedido o que sucedeu, não seríamos nós a fechar o palco principal á meia noite e meia!...
Por último, e embora tenha considerado o meu relato um "lamento um pouco lamechas", talvez devido à sua visão dos factos, algo deturpada pelo afecto evidente que nutre pelos CLÃ (o que eu compreendo...), gostaria de lhe dizer, que me limitei a denunciar uma situação que vai contra os meus princípios.
Pura e simplesmente.
Bem sei, que outros no meu lugar, ficariam calados à espera de voltarem a ser pisados. Lamento, mas eu não sou assim!
Como diz o povo, "Quem não se sente , não é filho de boa gente!"
E eu senti-me!

mARK

The Mystery Artist disse...

Caro Nuno Teixeira,
Não se pode agradar a Gregos e a Tróianos :)
Obrigado pelo apoio na mesma!

mARK

Anónimo disse...

É pá! Não consigo tomar partido neste tipo de situação, mas apoio a banda da terra. Mas afinal?! de quem é o material em que os Clã actuam? De uma empresa de som, claro!! Então mARK, porque nao alugar o vosso proprio material? Assim sempre tinham mais qualidade e têm o som mais parecido com o dos Clã do que com o "grupo de baile". Aliás, pelo que li são eles que vão emprestar o material. Quando vos pedirem, apresentem orçamentos com som e sem som, depois contratam um empresa que tenham o material de som e luz melhor que o de uma banda de baile, simples!

Um abraço e que tudo corra bem. Vou lá estar a apoiar-vos apresar de ainda nao conhecer o vosso som.

Luis Rabaçal disse...

Boas
Amigo Mark, de certa forma compreendo perfeitamente a vossa situação.Depois de tudo combinado haver falhas é chato, e o horário também não é o mais acessivel.Mas o que vocês estao a passar agora os bandits também ja passaram pela mesma situaçao. Durante 3 anos seguidos (se não me engano)tocamos na feira da maçã e do vinho sempre tocamos em material de grupo de baile.E num ano tivemos que nós pagar o aluguer de som e luz, e isso ja vai do acordo que fizeram com a câmara. Mas não te preocupes que ides ter bom som e boas luzes, devias era informar-te qual é o grupo e tentar falar com o responsavel para se limarem os promenores não achas???

abraço...Lá estarei!!!!

The Mystery Artist disse...

Caro Anónimo,

O que diz´, foi feito devidamente a seu tempo. Ou seja, de entre os orçamentos que nós pedimos a empresas do ramo, foi apresentado o orçamento que nos pareceu mais acessível, mas foi recusado pela organização.
Sem mais alternativas, tivemos mesmo que aceitar o proposto pela organização.
Quanto a conhecer o som, é só ir aqui: http://www.myspace.com/themysteryartist
É só um cheirinho mas dá pra perceber a onda.
Obrigado pelo apoio.

mARK

The Mystery Artist disse...

Grande Luís!

Já me informei com o pessoal dos "Supernova" (banda que nos vai ceder o palco) e está tudo controlado nesse campo... ou para lá caminha.
Lá te espero!
Abraço.

mARK

Zás Trás Pimba disse...

Eu não sei, mas "checalha" a malta do grupo de baile não vai gostar muito do que aqui se escreveu.

Zás Trás Pimba

Anónimo disse...

Caro Mark,

chamo-me Manuela Azevedo e sou vocalista dos Clã. Numa procura de informações sobre Carrazeda de Ansiães e a Feira onde vamos participar daqui a dias, encontramos este Blog e o teu texto sobre um encontro que terias tido com a equipa técnica dos Clã, tendo nesse encontro combinado com esta que os "The Mistery Artist" fariam a primeira parte dos Clã.
Logo este facto nos surpreendeu porque ninguém da nossa equipa técnica efectuou qualquer visita de trabalho a Carrazeda de Ansiães. Todos os pormenores técnicos e contratuais do nosso concerto foram tratados a partir da nossa agência de management e não foi necessária qualquer visita ao local.
(A propósito, quem esteve em Carrazeda fui eu e o Hélder Gonçalves, em Junho, para participar numa Oficina de Letras, na vossa biblioteca e, no dia seguinte, para visitar algumas das vossas escolas primárias para sessões de leitura de poesia e conversa com os alunos.)
Ficámos igualmente surpresos e chocados quando lemos as acusações que nos são feitas de termos exigido o afastamento da tua banda do nosso palco, por nenhum motivo, ou simplesmente por estarmos armados em vedetas.
Nós já muitas vezes partilhámos os palcos com outras bandas, já muitas vezes fizemos a primeira parte de outras bandas e nunca em toda a nossa carreira colocámos como condição de participar em qualquer evento não termos outra banda no nosso palco. O respeito pelos nosso colegas, sejam bandas de garagem, de baile ou estrelas internacionais é para nós ponto de honra!
O que pode acontecer em alguns casos é que a ORGANIZAÇÃO do evento, por razões técnicas, de espaço ou outras, decida colocar umas bandas num palco e outras noutro.
O que é grave e lamentável é que se escreva num blog acusações destas sem antes tentar apurar a verdade junto de quem é acusado. É muito fácil encontrar os contactos da nossa agência, onde concerteza terias esclarecido esta questão. E, caso fosse complicado descobrires esse contacto, bastava deixares uma mensagem para a banda no nosso site oficial. Acusar uma banda de sabotar um concerto de outros colegas, chamar-lhes vedetas por cima e fazê-lo nas suas costas é sinal de irresponsabilidade e de falta de respeito. Esperamos que com isto tudo tenhas ficado esclarecido e aguardamos agora as tuas explicações. Contamos também que, com o mesmo empenho com que escreveste esta história sobre os Clã sem qualquer fundamento, publiques no mesmo blog um pedido de desculpas.

Manuela Azevedo/ Clã

P.S. Caso queiras confirmar que este texto foi realmente escrito por mim, contacta por favor a nossa manager, Isabel Dantas, através do e-mail: chavesom@mail.telepac.pt
Vou-lhe enviar cópia do mesmo texto para poderes garantir a veracidade do mesmo.
Agradecia que quando a contactasses lhe dissesses também os nomes das pessoas que julgavas serem a "equipa técnica" dos Clã. Estamos curiosos em saber quem poderá estar por trás de toda esta história absurda.

Anónimo disse...

PPPPEeeeeeeggggggaaaaaaa!!!!!!!!
O Peixe morre pela boca...
Agora resta-te a banda de baile
(Que chatiçe para ti não é?)

The Mystery Artist disse...

Exmº. Sr. Anónimo:

Em primeiro lugar, acho imensa piada aos anónimos, devo dizer-lhe...
Depois, não percebi o seu comentário.
Pega o quê???
E a chatice era não termos palco onde tocar, e pelos vistos temos!
mARK

Anónimo disse...

caro Mark,

É incrivel que depois da resposta dos Clã ( pela própria Manuela Azevedo!), não te dignes a públicar um pedido de desculpas. Para quem tinha tantas certezas nas acusações difamatórias, percebe-se agora, claramente, que "pouco sabes". Continuas sem citar os nomes das pessoas que te dizem que os Clã querem exclusividade e pareces com pouca vontade de limpar a "borrada" que cometeste.
Para quem tem um grupo à tão pouco tempo, não se entende esta atitude tão ressabiada com colegas com quem nunca falaram.
Isso sim é sinal de vedetismo e de falta de humildade.
Desta forma farão muitas inimizades , e a simpatia que algumas pessoas poderiam sentir por vocês terá sido seriamente abalada.
Gosto muito de Carrazeda e envergonha-me ver alguém da própria terra deixar tão má imagem das gentes de Trás-Os-Montes.
Não precisas de responder ao meu comentário, responde sim com honestidade e responsabilidade aos Clã.