domingo, 10 de junho de 2007

Daqui e dali... Manuel Barreiras Pinto

QUALIDADE DE VIDA? SIM!... HÁ QUALIDADE DE VIDA.

No sul do Distrito de Bragança, há um pequeno povoado, que resiste ao tempo e às invasões denominado Carrazeda de Ansiães.
Aquilo é um deserto, dizem os políticos, não há Escolas, não há Hospitais, não há Hoteis, não há Aeroporto – mas já tivemos campo de aviação- Não há Tribunais, nem Gabinete de Zona Agrária ou Centro de Saúde, a trabalhar a tempo inteiro, não há Turistas mas temos posto de Turismo, não há estas coisas, mas há outras.
Nem tudo é mau e triste, não senhor e para afirmar o que digo aqui ficam duas ideias que vos deixo:
A Feira da Maçã e do Vinho este ano de 2007, pela 1ª vez vai realizar-se este certame com o objectivo bem defenido, ou seja é uma feira da maçã e do vinho, onde se pode adquirir aquele apreciado fruto- a maçã - produzido em terras de Ansiães e o vinho que os produtores engarrafadores ou outros das aldeias deste concelho, como Pombal de Ansiães, Ribalonga, Beira Grande e outras, onde se produz o melhor vinho de denominação de origem controlada – Douro de Portugal. Os preços? Bom, eu sugeria que fossem acessiveis à bolsa mais modesta, pois só assim se contibui para a sua divulgação – veja-se o recente exemplo da feira da cereja de Alfândega da Fé, vendiam boa cereja- sem bicho - a 2€ o kilo. – Ah, um outro promenor, a estrada nacional 215 até tem um bom tapete de cirulação rodoviária, outras terras.
A segunda ideia vai para o activo e dinâmico Presidente da Junta da minha Freguesia Carrazeda de Ansiães que anualmente promove os “Passeios Pedestres” que este ano já vai na sua IV edição, participei e gostei, vale a pena, quer pelo convívio, como pelo exercício físico assistido que só dá saúde, foi muito mas muito bom.
Apelo ao Presidente da Junta para promover a “semana dos séniores” rapaziada com mais de 50 anos- onde me incluo- para aproveitar as potencialidades que a Piscina Municipal com àgua quente oferece. Com o devido acompanhamento de monitores especializados, iriam dar aulas de ginástica, e outros exercícios aquáticos à Turma dos Reformados, para que no futuro os mais velhos, vivam mais e se aguentam cá no sítio, porque os outros os mais novos, imigram para o Porto, Braga, Coimbra e Faro.
Os velhos gostam de sopas e de descanso e ficam por cá, na esperança de que lhes dêem o que precisam – muitos como eu – não sabem nadar. Òh Sr. Presidente da Junta, não me decepcione e não só cria mais um posto de trabalho, como a malta dos 60 agradece e eu sei que o Município vai dar o apoio necessário às suas ideias, para que não digam que vivemos num deserto, e num deserto de ideias…

Ainda não temos a certeza de que estas ideias serão aceites ou que passem no funil das promessas, como ainda nos resta a esperança de viver até ao dia em que seja inaugurado o troço da IC5, que passa aqui perto e é uma passagem para a outra estrada o famoso IP 4, este eixo fundamental que vai do Porto a Quintanilha, onde está a ser concluída a famosa ponte que liga Portugal a Espanha.
Termino com um aviso importante. A nossa padroeira e mártir santa Àgueda, aceita a ideia de que o povo de Carrazeda, lhe preste a homenagem que bem merece, fazendo a habitual festa com música, alegria e participação de todos os santos das freguesias do concelho, que costumam aqui vír para a solene procissão.
Como é hábito por estas terras, há uma Comissão de Festas presidida pelos elementos da Junta de Freguesia, Associação Comercial e outros que elaboram o respectivo programa.
Manuel Barreiras Pinto
.
Artigo recebido por mail.

2 comentários:

Zaratustra disse...

Caro amigo Barreiras,

É com gosto que leio as suas crónicas. E é engraçado como se preocupa em continuar a gostar de viver na nossa terra. Isso pode levar-me a concluir algo que me preocupa. Será que já é preciso ginástica para manter a gente sénior por cá?

Carlos-Pombal disse...

Com a aposentação vem um tempo para nos preocuparmos com a qualidade de vida...como te compreendo Manuel Barreiras Pinto...
Mas a qv, (qualidade de vida)como todos sabemos, não é só isso...é também olharmos satisfeitos, (ou não), para tudo o que nos rodeia, na expectativa de chamarmos a nós (meio Carrazedense)muita gente que nos visite agradados com o que de bom possamos ter!
Ao contrário, continuaremos tristes, maldizendo como sempre, a nossa sorte, pese embora a riqueza da nossa história tão insuficientemente contada pelo Professor Doutor José Hermano Saraiva!
Que me dirás ao retrato de Carrazeda apresentado pelo Digno Professor? É que não me recordo de ver comentários a tão fraca "coisa"!

Carlos-Pombal