quinta-feira, 29 de julho de 2010

Daqui e dali... Manuel António Pina

A crer no Ministério da Educação, é para garantir "igualdade de oportunidades" a todos os alunos que, "em estreita colaboração com associações de pais (...) e autarquias", irão ser encerradas a partir de Setembro mais 701 escolas do 1º Ciclo, a juntar às 5 172 encerradas desde 2000.
Apesar de o anúncio ter sido feito com meio país a banhos, sucedem-se, de Norte a Sul, os protestos das associações de pais e autarquias "em estreita colaboração" com as quais o ME teria preparado a coisa.
A seguir a centros de saúde, maternidades, urgências e estações de CTT, 701 pequenas comunidades rurais do desertificado interior ficarão agora sem escola e 10 mil crianças dos 6 aos 10 anos serão forçadas a percorrer todos os dias dezenas de quilómetros até chegarem, exaustas e sonolentas, às indiferenciadas linhas de produção educativa que são as "mega-escolas" dos centros urbanos.
O presidente da Câmara de Bragança fala de casos, no concelho, em que as crianças terão que fazer diariamente duas viagens de mais de hora e meia para ir à escola. Só por humor negro alguém pode chamar a isso "igualdade de oportunidades".
Manuel António Pina, JN

2 comentários:

Anónimo disse...

Segundo o despacho, as escolas apenas encerrarão, quando houver concordância das Câmaras e das Associações de Pais. Logo, não percebo qual o problema da Câmara de Bragança. Se não concorda é só dizer isso mesmo, que não concorda e arranjar soluções alternativas, como por exemplo arranjar outros polos que agregue escolas encurtando as distâncias. Não pode vir com a desculpa do Governo...

João disse...

O senhor Manuel António Pina merece-me todo o respeito,embora o conheça apenas por causa de umas crónicas que escreve ,salvo erro, em dois jornais.
Tem direito a defender a sua opinião como eu tenho direito a defender a minha.
Só que a minha é precisamente o oposto da dele.
Eu acho que as reformas na educação e na saúde vão no bom sentido.
Ele vê nelas o postergar de direitos dos cidadãos e eu vejo nelas medidas necessárias a uma maior eficácia dos serviços,a uma racionalização e economia de meios que leve a uma maior sustentabilidade.As reformas irão permitir melhores serviços e permitem uma melhor adequação às mudanças entretanto ocorridas.
JLM