segunda-feira, 17 de maio de 2010

Mais uma feira em Carrazeda

A partir de Junho volta a haver três feiras por mês em Carrazeda de Ansiães.
A proposta foi aprovada em reunião de Câmara e ratificada em Assembleia Municipal.
O presidente do Município justifica que os comerciantes da vila concordam que volte a haver três feiras por mês e não apenas duas, como aconteceu nos últimos anos.
“Nós tivemos essa iniciativa tendo em conta um inquérito que a Associação Comercial realizou junto dos comerciantes” refere José Luís Correia acrescentando que “em 80 inquiridos, 61 foram a favor de que voltássemos às três feiras mensais”.
A partir de Junho volta a haver três feiras por mês em Carrazeda de Ansiães, nos dias 10, 20 e 30.
Se calhar ao sábado antecipa-se para sexta e se coincidir com o domingo passa para segunda-feira.
CIR/Brigantia
Foto: Rui Lopes in Ansiães Aventura

10 comentários:

mario disse...

Parabéns

repararam um erro crasso. .. defraudaram as pessoas que contavam com as feiras para se abastecerem de bens na própria vila.

Muitos voltaram-se para Mirandela e Vila Flor e depois de se habituarem.é mais dificil o regresso

a retoma vai ser lenta , para os comerciantes locais.. mas vai haver

depende da forma e da capacidade de cativarem os clientes.. e nesses aspecto.. felicito o SR Faustino..

Parabéns pela obra, pela gestão e pela escola de simpatia e profissionalismo que criou em Carrazeda

Anónimo disse...

Pois: Os feirantes são inteligentes, levam o dinheiro e deixam cá o lixo!!!

mario carvalho disse...

O anónomo anterior deve ser feirante!!!

cumprimentos

mario

Anónimo disse...

O anónomo anterior não é feirante não Senhor, e, não inteligente, mas, não vai cá deixar lixo!!!
Isso garanto-lhe.

Anónimo disse...

Ainda não vi fortes razões que justifiquem 2 feiras em Carrazeda, mas também não vi quantificadas razões para três feiras como acontecia antes!
Era o que era!
Agora é o que é!
Haverá mais dinheiro que entra no comércio, mas também haverá mais dinheiro que sai!
Quantificar e dizer com toda a certeza que os feirantes levam mais do que os comerciantes locais recolhem, também será um exercício difícil de fazer.
As coisas equilibram-e?
Possivelmente!
As pessoas contando com duas feiras, tratam da sua vida segundo essa realidade!
Com 3 feiras acontece a mesma coisa!
E assim, sucessivamente, pois objectivamente nada se vê realmente...

mario disse...

Caro amigo

Quanto mais eeventos, quanto mais pessoas, quanto mais feiras... mais possibilidades tem comprar e vender...Agora depende é da capacidade e competencia de cada um

e pode crer. se as pessoas se habituam a ir comprar a um determinado sítio alguma razão há.. oou pensa que uns tens sorte e outros não... não .. uns trabalham muito e bem e outros nem por isso,..


Necessidade de feiras e comerciantes em Carrazeda ?.. Se calhar atá nem havia.. iam todos comprar a Vila Flor

Agora coloco a questão que deixo à vossa consuderação e imaginação:
- Que fazer para que as pessoas de Vila Flor e concelhos limitrofes venham comprar a Carrazeda?





cumprimentos

Anónimo disse...

Quer então dizer o Senhor Mário que quanto mais eventos, mais gente, mais movimento e trocas comerciais, mais dinheir, etc. tec..
Como em tudo, é verdade que as pessoas sempre irão onde sabem encontrar o que precisam pelos preços e condições que lhes sirvam.
O irem a Vila Flor, Pesqueira, Mirandela ou Macedo, sempre dependerá do tipo de compra ou venda pretendidas.
As trocas comerciais, hoje em dia... fazem-se e se interessa o local no respeitante à distância, muito mais interessará a qualidade e outros parâmetros indicativos de "valer a pena"!
Os de Vila Flor virão a Carrazeda, como os de Carrazeda poderão ir a V. Flor. Assim como assim...
Só que em Vila Flor existe e existiu desde sempre um espírito muito mais comercial do que em Carrazeda. Veja os horticultores da zona baixa de Vila Flor e o que eles se movimentam!
Ao contrário veja os da mesma zona baixa do concelho de Carrazeda. Quantos são os que comercializam em Vila Flor ou noutro sítio?
A diferença começou há muito e à medida que vai havendo menos gente e a que há, caminha para uma velhice de LAR ou concentrada nos Centros Sociais, já nem à feira se vai para comer bem, como antigamente se dizia!
"Perca-se a geira mas não se perca a feira" é uma situação que já foi!
Hoje em dia se se fizesse o chamado "mercado semanal"...se o mercado funcionasse, tudo seria diferente para melhor!
A ruralidade já não é o que era, logo o conceito de feira foi chão que deu uvas!
Acordemos pelo menos com disposição de olhar o mundo pelas vistas dos que nos irão suceder!
Então e de ano a ano façamos feiras iguais às das décadas de 50 e 60 para que a memória exista!

LinhaDoTua disse...

caro amigo

obrigado pelo seu contributo

Argumentar sempre pela positiva no interesse de Carrazeda

Tenho a certeza de que é essa a sua , minha e da grande maioria dos carrazedenses, opinião.

Se Carrazeda for grande e próspera todos os Carrazedenses se sentirão bem e os seus filhos não terão necessidade de ir trabalhar e enriquecer outros países.

Todos os Carrazedenses investirão o seu pouco dinheiro , na sua terra e não na dos outros.

Permita-me.. mercado ou feira .. a diferença será assim tão grande?

o objectivo é que os Carrazedenses se convençam que vale a pena transacionar na sua própria terra
(compradores e vendedores satisfeitos) e se possível que os de fora venham usufruir das vantagens competitivas de Carrazeda , gastando o seu dinheiro, e saindo com vontade de regressar..

cumprimentos

mario

Espero que apareçam muitos carrazedenses interessados em Carrazeda e lógicamente em si mesmos e nas suas famílias

Anónimo disse...

Ao que é sabido os Carrazedenses vão ás compras a Vila Flor, porque em Carrazeda não quiseram o investimento de superficies comercias como o exemplo do Intermarhé, ou já se esqueceram disso, bem como de outras, o que só trava o desenvolvimento, mas actos ficam para quem os pratica...
Como querem que os Carrazedenses voltem ás origem se lhe cortam logo as pernas?
Acham que trabalhar ganhar dinheiro e investi-lo em Carrazeda é futuro? Sinceramente só se for utopia, pois caso contrário e masoquismo!
Tanta gente quer na Vila quer nas Aldeias deste nosso concelho fecharam pequenas industrias, mas que eram produtivas, tais como mini-mercados, padarias e outros serviços, porque será, obra e graça de quem?
Não existem incentivos, temos a zona industrial das mais caras senão a mais cara do Nordeste Transmontano e querem investimento? Expliquem como...
Não há quem aproveite beneficios para o concelho, por isso José Silvano e Companhia se congratula que os mais prejudicdos com uma obra nada daí obtenham mas para Mirandela há-de de haver.
Santa paciência chega de tanta INCOMPETÊNCIA e do diz que disse, hajam os que ainda aí estão para que os outros possam regressar mas tendo meios para puder subsistir e ter e dar uma vida digna aos seus.

Anónimo disse...

Tão astutos e bem falantes, mas todas as palavras terminadas em mente não são acentuadas...
Peço as devidas desculpas, mas não assinem a Língua Portuguesa.