sexta-feira, 28 de maio de 2010

Gestão de bacias hidrográficas discutida em Mirandela

Contribuir para a consciencialização pública para a gestão sustentável da água na bacia hidrográfica do rio Douro.
É o principal objectivo do simpósio internacional sobre gestão de bacias hidrográficas e respostas à escassez de água e secas em futuros climáticos incertos que decorre, em Mirandela.
Este simpósio reúne investigadores, gestores e técnicos que vão reflectir sobre as suas experiências e apontar soluções para uma gestão integrada dos recursos hídricos para enfrentar um problema que deixou de ser "típico" dos países do Sul e ganhou escala europeia.
Essencialmente é alertar para os problemas associados à seca e escassez de água tentando mostrar que é uma realidade que pode acontecer e quais são as forma como isso se deve gerir” explica a directora executiva da Sociedade Portuguesa de Simulação Ambiental e Avaliação de Riscos, que promove este simpósio apoiado pela UNESCO no quadro do Programa HELP.
Cláudia Sil espera que deste simpósio possa sair um documento de referência para responder de forma eficaz à escassez de água e à seca.
Gostaríamos que saísse um documento que traduzisse a realidade regional pois estes fenómenos e o estudo sobre estas situações tem um carácter vincadamente local” afirma.
Já o presidente da câmara de Mirandela, anfitrião deste simpósio, gostaria de ver esclarecido, neste evento, se as barragens são mesmo a única alternativa para a gestão da água.
José Silvano está convencido que essa discussão poderia ser um contributo importante para que a barragem de Foz-Tua não seja construída.
Para Mirandela tem algum sentido saber se as barragens eram a única maneira de regularizar o abastecimento de água” afirma, acrescentando que “foi aqui dito que afinal as barragens são o que menos importa para esta gestão da água”.
“Isto leva-nos a questionar se a barragem de Foz Tua em vez de ser um regulador do caudal do rio não contribuirá para alterar as condições climáticas
” refere o autarca. Por isso “era importante discutir esta questão porque podia ser uma ajuda para manter este tio vivo”.
O simpósio internacional sobre a gestão da bacia hidrográfica do rio Douro e de respostas à escassez de água e alterações climáticas termina hoje com a presença da Ministra do Ambiente na sessão de encerramento.
CIR/Brigantia

31 comentários:

João disse...

Em vez de procurar argumentos contra a barragem,gostaria que o presidente de Mirandela dissesse o que pretende fazer com a linha:modernizá-la?mantê-la só até Mirandela ou até Bragança?mantê-la para fins turísticos ou para tudo?ligá-la a Espanha(ao TGV)para transportar pessoas de Espanha ao Porto?
JLM

Anónimo disse...

Será que o Dr. Silvano vai mandar desfazer a represa do Rio Tua em Mirandela ???
Lá se vai o espelho e o repuxo !!!
Isto há cada um.....

Anónimo disse...

Já que estamos a falar de albufeiras, quando é que a empresa Aguas de Carrazeda limpa os exteriores da barragem de Fontelonga? Esta empresa é uma vergonha para este concelho, assim como decidiu passar as águas para esta referida empresa.TENHAM VERGONGA ÁGUAS DE CARRAZEDA E LIMPEM A BARRAGEM.Olhem para a vizinha barragem de Vila Flor, que diferença.

mario carvalho disse...

citação
(de comentário a noticia sobre a JCP)

Quanto ao professor,não sei se ele ainda poderá ser denominado de comunista. Eu próprio andei lá perto e agora estou longe.As pessoas têm direito a mudar.
Mas isto tudo não deixa de ser interessante:é a vida,como diria o Guterres.


comentário a esta notícia

Em vez de procurar argumentos contra a barragem,gostaria que o presidente de Mirandela dissesse o que pretende fazer com a linha:modernizá-la?mantê-la só até Mirandela ou até Bragança?mantê-la para fins turísticos ou para tudo?ligá-la a Espanha(ao TGV)para transportar pessoas de Espanha ao Porto?



já nem sei que pensar!!!

Será que muda consoante as pessoas que quer afrontar?
Será que muda conforme as circunstancias ou conforme as conveniencias?

Ou será que diz pura e simplesmente o que lhe vem à cabeça?

Não será melhor justificar os benefícios da barragem, Além de colocar o S Lourenço na redoma?

è conhecida a opinião do Dr Silvano sobre este tema.. basta estar mínimamente informado e lúcido

cumprimentos

Anónimo disse...

De acordo com o Ultimo comentário, aproxima-se a época balnear de Verão e muitas pessoas se deslocarão em lazer para essa zona envolvente (da barragem), mas os defeitos das águas de Carrazeda não se ficam, pois é inadmissivel que aquando da ultima SECA, não tivessem efectuado uma limpeza digna desse nome na albufeira e porque não aproveitar para a de reserva, se é que ainda existe!...
para poderem aproveitar mais água para novas situações análogas.

mario carvalho disse...

Lá se vão as promessas ...mais uma vez

Linha do Corgo, Tamega e Douro

Linha do Tua já nem se fala

in Público


Refer suspende obra que já estava adjudicada
Por Carlos Cipriano

Mota Engil estava prestes a começar obras, mas nova política de contenção no Estado mudou planos


--------------------------------------------------------------------------------

PartilharImprimirComentarEnviarDiminuirAumentarA Mota Engil, em consórcio com a empresa Obrecol, é uma das primeiras empresas afectadas pela travagem brusca da Refer nos projectos ferroviários previstos para 2010, à luz da nova política de contenção orçamental.

A gestora de infra-estruturas ferroviárias tinha adjudicado às duas empresas, por 55 milhões de euros, a modernização de um troço da linha do Norte entre Mato Miranda (concelho de Golegã) e Entroncamento, mas acabou por suspender a obra a poucas semanas de assinar a sua consignação.

O consórcio chegou a montar o estaleiro ao lado da via férrea, para onde fez deslocar pessoal, mas mandou regressar os operários depois de a Refer lhe ter comunicado que aquela empreitada fazia parte do pacote de obras suspensas. A empresa pública explicou aos adjudicatários que ainda não está decidido se a obra será relançada no fim do ano ou se o concurso será anulado.

A partir do momento em que o contrato de adjudicação foi assinado, o consórcio poderá pedir uma indemnização caso a obra não avance, mas a Mota Engil, contactada pelo PÚBLICO, não quis esclarecer se irá ou não avançar com essa acção.

O troço de Mato Miranda ao Entroncamento tem uma extensão de 12 quilómetros e a sua modernização custa 55 milhões de euros porque é necessário mudar toda a infra-estrutura, desde os carris, travessas e balastro, até ao próprio leito de via, que está degradado devido à secular proximidade do Tejo. A sua não modernização obrigará, a prazo, a reduzir a velocidade dos comboios por questões de segurança, penalizando assim a operação da CP.

Além desta obra, a Refer está a reanalisar praticamente todos os seus projectos, seguindo orientações do Governo para fazer grandes cortes no seu plano de investimentos, que era de 814 milhões de euros para este ano.

Este valor é o dobro do investimento médio dos últimos dez anos daquela empresa, mas uma terça parte era para ser aplicado em obras directamente relacionadas com a alta velocidade.

O PÚBLICO apurou que uma das maiores preocupações do Conselho de Administração da Refer está relacionada com troços da linha do Norte que precisam de intervenção urgente, nomeadamente no Ribatejo e entre Ovar e Gaia, onde a infra-estrutura está "presa por arames" porque, perante a expectativa da sua modernização, se deixou a manutenção em patamares mínimos. Agora, sem dinheiro, a solução passará por reduzir a velocidade dos comboios adequando-a às condições da linha.

O novo cenário de contenção deverá levar também ao abandono das linhas do Corgo e do Tâmega e ao downgrade do projecto da linha do Douro que se limitará a uma requalificação entre Caíde e Marco de Canavezes, adiando-se a sua electrificação até à Régua.

João disse...

Sr.Mário Carvalho:
O senhor precisa de ter paciência comigo como eu tenho consigo.
Quantas vezes acontece o senhor colocar uma qualquer nota sobre a barragem onde menos se espera?Por enquanto,os proprietários dos blogues têm condescendido,com uma condescendência sem limites, com essa sua obsessão.
Por que razão não existe da sua parte paciência para "argumentar", as vezes que forem precisas, para convencer os outros das suas ideias?
Estou hesitante(e posso continuar porque não tenho que ser eu a tomar a decisão)entre uma barragem que pouco acrescenta ao potencial energético do país e uma linha que não sei para o que poderá vir a servir.
Esta hesitação leva-me a colocar muitas hipóteses,do seu ponto de vista,estapafúrdias.
Quanto às convicções de cada um,tenho para mim que todos os dias mudamos de opinião,tão grandes são as mudanças nos pressupostos delas.
Só conheci um homem,que(dizem mas
eu não acredito)foi coerente do princípio ao fim da vida:Salazar.
Quanto a dizer o que me vem à cabeça,concordo.Realmente,as minhas ideias vêm do meu cérebro e não do coração,como chegou a entender-se na antiguidade.
Com respeito e consideração,
JLM

Anónimo disse...

pelo que se viu, o senhor mário carvalho prefere alguém, como o professor alegre, que já foi a favor, depois contra a barragem e depois nim, do que joão de matos que é a favor, com argumentos. mas nem todos entendem a fina ironia de joão.

Anónimo disse...

Por mais seca que haja, a barragem nada valerá, vejam o exemplo deste ano, onde foram buscara a água? ao Tua? ao Douro? Não! foram a uma barragem de abastecimento para os lados de Mirandela, visto ser em termos sanitários e economicos mais viável, por isso quem acha que esta barragem será para colmatar falhas de água está muito enganado. Assim com as actividades ludicas das próximas albufeiras já terem sido legisladas de forma a simplesmente não acontecer.

Cris

mario carvalho disse...

Foram-se hospitais, escolas, serviços, linhas de caminho de ferro e agora?? foram-se as pessoas... como não há ninguém vão-se os concelhos...

será que agora os autarcas vão começar a defender ... alguma coisa?.. ou pelo menos a defender-se...

http://www.elmundo.es/mundodinero/2010/05/27/economia/1274989968.html

NUEVA MEDIDA DE AUSTERIDAD HELENA
Grecia suprime dos tercios de sus ayuntamientos para recortar el gasto públicoActualizado jueves 27/05/2010 21:52
Atenienses se manifiestan contra el denominado "Plan Kallikratis", que unificará municipios en entidades más grandes. | Efe
Efe
Atenas.- El Parlamento griego ha aprobado por ley la reducción de su número de ayuntamientos de 1.034 a 355, lo que supondrá un ahorro de 1.185 millones de euros anuales para el país.

Ahogado por el endeudamiento del país, el gobierno ha decidido reformar su administración con ayuntamientos con más poder que tengan un mínimo de 10.000 habitantes y puedan ofrecer mejores servicios a los ciudadanos.

Los parlamentarios del oficialista partido socialista Pasok, junto a tres legisladores disidentes, votaron a favor de la normativa, que fue aprobada por 160 votos a favor, 124 en contra y una abstención.

Para aligerar la administración, el severo recorte de personal reducirá a la mitad los actuales 50.000 cargos políticos municipales griegos.

La nueva ley establece además que, a partir de 2014, las elecciones municipales se celebrarán cada cinco años, y no cada cuatro como hasta ahora, para hacerlas coincidir con los comicios europeos, lo que supondrá un ahorro estimado de 75 millones de euros.

La reforma administrativa ha sido recibida con fuertes protestas por parte de los empleados locales, que esta semana han bloqueado carreteras y se han manifestado ante el Parlamento.

Grecia aprobó recientemente un plan de austeridad de 30.000 millones de euros, con importantes recortes salariales del sector público y congelación de pensiones para sanear las endeudadas cuentas públicas.

João disse...

Caro anónimo de 30/5,17:57:
Realmente,sou mais a favor da construção da barragem do que da sua não construção.
E isto porque,na fase da construção,dá emprego e movimento a essa zona,tão carecida está de vida, e porque,depois de construída,,por pouco que seja,aumenta o potencial energético do país.
Muitos dizem que o movimento e o emprego a que dá origem duram pouco tempo.É verdade.Mas qual é,nos dias de hoje,o emprego que não é precário:na indústria,na agricultura,nos serviços?
A barragem pode ser aproveitada para fins turísticos(assim nós sejamos capazes de o fazer),podendo tornar o passeio do Tua a Mirandela interessante porque feito de um passeio a pé até à barragem, uma subida de elevador até ao nível das águas,uma viagem de barco até à estação não inundada,e uma ida de metro,por fim.
A linha só a concebo para fins turísticos,porque isso de deixar o TGV em Espanha para chegar pelo Tua ao Porto ou para transportar as pessoas ribeirinhas que não existem não vejo que caiba na cabeça de ninguém.
Se eu gostava que existisse uma linha " com movimento" para fins turísticos entre o Tua e Mirandela,claro que gostava.Mas isso não será deixarmo-nos levar pelos nossos desejos que nada terão a ver com a realidade?
Acho engraçada a ideia,para compatibilizar a barragem com as termas de S.Lourenço,da construção duma espécie de redoma de vidro que defenda as termas das águas.
Acertou:pretendo,por vezes, pôr um pouco de ironia no que escrevo(e digo).Tanta gente diz que adora Eça(com os seus exageros,que também os tinha)e detesta a ironia?
Cumprimentos para si e todos.
JLM
P.S.:Só vejo uma solução que dispensa as barragens e a energia eólica:a construção de uma ou mais centrais nucleares.
Será essa a solução?

Anónimo disse...

Parece ser simples a ideia de salvaguardar o aquífero das termas em relação à albufeira.
1 -Sabe-se a profundidade do aquífero;
2 -Sabe-se qual a cota que interfere com o aquífero.
Sendo assim, a albufeira deve ter um enchimento máximo à cota "X".
Assunto arrumado!
Caso pretendam não ligar "patavina" à realidade apontada, atire-se então a barragem para a cota máxima para maior produção de energia, acabando-se com esta trapalhada!

Anónimo disse...

Factos:

Necessidades Energéticas de Portugal: Portugal no presente ano DEU energia electrica a Espanha!!!
Para além de actualmente estar em curso a preparação do diploma que obriga a todos os novos edificios tenham microgeração associada. (com risco de pagar-mos uma multa na EU se isto não for rapidamente posto em prática) Teremos assim tanta falta de Energia? Se queremos ter futuro, temos de apostar na eficiência Energética!!

Qualidade da água: Violação a Directiva Quadro da Água (mais uma vez, multa da UE)

Turismo na barragem do Tua? IMPOSSIVEL!!! JÁ SE APRESSARAM a legislar e, a ser, será FORTEMENTE condicionadas as actividades aí efectuadas devido á Natureza da própria Barragem , que não dá segurança nem para banhos nem para barcos ( Diploma Legislativo do presente ano ( para além de não ter eclusa, nem estarem previstos acessos))!!! E quem Viria Visitar este ELEFANTE branco em pleno Patrimonio da Humanidade?( isto se depois continuasse a ser....)

E quantas pessoas vão trabalhar lá?
Se barragens é sinonimo de Desenvolvimento, Trás-os-Montes é a zona mais desenvolvida da Europa!! Mas aquilo que tem acontecido é que continuamos a ser a zona mais pobre da Europa, por isso não haja ilusões.

Saude Publica: Humidade relativa- Principal indicador de qualidade de vida humana, assim a ser será fortemente prejudicada, uma vez que será, não só esta mas o somatório de várias albufeiras aqui na zona!!

Com o aumento dos dias de nevoeiro e aumento da cota em que ele estará presente, alguém fez contas do prejuizo ( ou ao aumento do tempo de retorno) que quem apostou ou está a apostar na energia solar vai ter?


Cristina

João disse...

Claro que um dos principais problemas do país é energético.
Talvez exportemos electricidade .Mas o que é que nós gastamos para a produzir?
Ninguém afirma que as barragens provocam desenvolvimento mesmo ao lado do local em que se situam.
Também se poderá dizer que o progresso de Trás Os Montes tem resultado das remessas dos transmontanos, que labutam no estrangeiro,só que isso trouxe consigo a desertificação.
Não nos devemos,no entanto,esquecer que o desenvolvimento,numa sociedade de iniciativa privada,resulta sobretudo desta e não do Estado.
Durante muito tempo, o Estado fez muito pelo desenvolvimento, a iniciativa privada pouco.Fez tanto que, não tendo sido acompanhado pela iniciativa dos cidadãos,vê-se agora obrigado a fechar serviços e até a acabar com autarquias, porque uns e outras não se justificam já,além de que os serviços e as autarquias têm que ser redimensionados para os tempos actuais.
JLM

Anónimo disse...

Afinal para todos os defensores do desenvolvimento das Termas de S. Lourenço, com toda esta conversa, quem se deve estar a rir e a ganhar razão no que fez é Eugénio de Castro, "Naquele buraco nem um centavo".
Pensem que as hipoteses das termas, sejam elas já praticamente nulas neste momento, pois o próprio Povo assim o não quer.
Os poucos que ainda acreditavam já baixaram os braços, pois não há força suficiente para aguentar tantos Barões.
Há sim que aceitar e aproveitar o que vêm a caminho, as Termas são sempre possíveis de recuperar e expandir, quer com ou sem Barragem, para isso basta boa vontade, houve em tempos alguém até que pensom na bombagem da água termal para o Pombal, será que agora não faz sentido?
É com pena que digo isto, pois até a própria ARCPA teve em tempos intenção de construir uma piscina e que a água das termas era uma opção.
Só penso que ideias são sempre bem vindas, mas boas ideias e não só pensar e olhar para a nossa barriga, pois só com disponibilidade e aceitar de novos conceitos e percepção dos nossos pensamentos e a proposição de trabalho nos desafios que todos os dias se avizinham.

Anónimo.

mario carvalho disse...

Estou numlocal onde para conseguir aceder à net sou obrigado a deslocar-me cerca de 20 km e mesmo aí sem qualidade.. Isto apesar de haver quem se orgulhe de pertencer à região que tem mais barragens e mais contribui opara o interesse do país e ... menos deve ao estrangeiro..

Eu não comento pessoas.. aliás tive o cuidado de retirar as iniciais.. comento pensamentos ou comentários.. e embora me irritem aqueles que mudam conforme as conveniencias ( muitos salazaristas em 24 de Abril e comunistas em 25 e depois socialistas ou sociais democratas, conforme) não têm pejo em formular juízo de valor sobre este ou aquele
pretendendo , talvez evidenciar a sua retórica... eu continuo com a paciencia toda

Anónimo disse...

Se eu bem entendi pelo que li no comentário anterior já não sei o que dizer,ou seja, quem fala verdade ou quem fala mentira.Afinal quais são os verdadeiros projectos por parte da CÂMARA MUNICIPAL DE CARRAZEDA na Pessoa do seu Presidente?.Avançar com o desenvolvimento das TERMAS ou fazer que faz como fêz o seu antecessor?.É que é muito importante que o SR Presidente diga ao POVO DO POMBAL quais são os seus verdadeiros ideais para o efeito,pois fartos se mentiras já nós estamos há muitos anos.
Sabe-se que a cota da barragem a ser construida não afecta o desenvolvimento TERMAL,sendo assim não compreendo os obstáculos postos pelo anónimo anterior.
Afinal quem são os verdadeiros inimigos dessa obra?.Sim porque aqui tem que haver alguém que queira travar o seu desenvolvimento.Sinceramente gostava que isso fosse explicado.
Será que o DR SILBANO tem medo que
a ser construida a barragem o espelho de água que ficará no S.LOURENÇO venha a tirar prestigio a Mirandela?.
Agradecia que por favor me tirassem todas as dúvidas às perguntas aqui feitas.
Peço desculpa por ter escrito "SILBANO EM VÊZ DE SILVANO",mas como é assim que oiço falar o SR PRESIDENTE DA CÂMARA DE MIRANDELA penso que não será ofensa.
UMA POMBALENSE E COM MUITO ORGULHO DE O SER.

Anónimo disse...

No que diz respeito às TERMAS DE S. LOURENÇO o SR Presidente da Câmara ainda tem muito tempo para mostrar o que vale,só que ontem era tarde,hoje é tarde e amanhã será mais tarde,por isso quanto mais depressa começar melhor.
Que não passe de mera oportunidade eleitoral é isso que espero,pois como sabe falou delas na sua campanha.
Agora cumpra.

Anónimo disse...

Caro Pombalense, o Dr Silvano mesmo que tenha medo q "o espelho de água que ficará no S.LOURENÇO venha a tirar prestigio a Mirandela" é logo deitado por terra pelo Decreto que este Governo promolgou no inicio do Ano, TODAS AS ACTIVIDADES NA ALBUFEIRA ESTÃO FORTEMENTE CONDICIONADAS! por motivos de segurança

Anónimo disse...

Pergunta a Senhora -Pombalense- quem são os verdadeiros inimigos dessa obra que se chama "Caldas de S. Lourenço"?!
A pergunta parece ter lógica!
Mas, se meditarmos um pouco, se olharmos para tanta coisa que já foi falada, que já foi escrita e comentada, teremos então que dizer, infelizmente, que não há efectiva lógica nesta interrogação.
O mais óbvio PARECE ser (como têm feito até aqui) que nos "atiremos" desde logo aos políticos, que para todos parecem ser esses "malandros" que só andam nisto pelo interesse próprio e não pelo geral como lhes compete...!
Se num ou outro casos há desses políticos, no caso de S. Lourenço, muito mais responsáveis terão sido os próprios Pombalenses!
Esses sim, os directamente imputáveis pela autêntica fraude em que S. Lourenço caiu.
Podem dizer, pois sim, mas foram enganados...
Então deixam-se enganar durante mais de meio século?!
Então falava-se desde antigamente que Pombal era uma terra de gente disto e daquilo, "epitetada" (passe o termo)como gente culta onde havia Engenheiros, doutores, fidalgos, etc. e tal...
e mesmo assim, ENGANADOS durante tanto tempo?
Afinal de que gente se trata esta do Pombal?
Todos espertos, finórios, despertos e mesmo avisados ao longo dos anos eleitorais, e agora ainda vêm armar-se em vítimas????
Vítimas sim, como são vítimas todos os Carrazedenses, mas quando objectivamos a particularidade de S. Lourenço, ATENÇÃO, vão mas devagar!
Como Carrazeddense da chamada "FRIEIRA" (não comilão) mas sim nascida no frio, acho um perfeito disparate que não sejam os do Pombal a resolver as suas insuficiências, os seus traumas. Resolveram a questão cultural e particularmente do teatro graças a TRÊS Pombalenses de quem ninguém fala, e agoram dizem ser vítimas dos presidentes de Carrazeda relativamente a S. Lourenço!
Ora tenham dó!
Sabemos que Eugénio de Castro, para Pombal, não foi flor que se cheirasse, mas, anos a fio, foi lá às merendolas e até ao último dia era desejado!
E então, antes, era o Mário Joaquim e antes era o pai deste e antes deste foi um que até era do Pombal (desculpem não me lembrar o nome)...
Afinal de quem se queixam, ou melhor, de quem se devem queixar os das Caldas de S. Lourenço do Pombal?
DIGAM POR FAVOR!
Claro que não tenho procuração para defender ninguém, mas bem vistas as coisas, quere-me parecer que...

Anónimo disse...

O "fortemente condicionada" nunca significará a negação do que o mesmo Dec. Lei permitirá!
E sabe que, em condições excepcionais, como por exemplo a interioridade, a falta de outras perspectivas de desenvolvimento, etc., nunca deixarão de ser tidas em conta para aquilo que se proponha com razoabilidade para S. Lourenço!

Anónimo disse...

Caro anónimo de 6 de Junho 2010 10.42 leu mal não ele é ELA.
Desculpe a correção.

Anónimo disse...

As actividades na Albufeira podem estar condicionadas agora mas de certeza que não ficarão para sempre.Como sabe o que hoje é amanhã deixa de ser, nos tempos que correm nada e em nada é duradouro e eterno daí que tudo seja de esperar,"GATO ESCALDADO DA ÁGUA FRIA TEM MEDO".

João disse...

Não é correcto pensar que o que nós dizemos é 100% certo ,objectivo e honesto e tudo o que os outros dizem é ínvio,desonesto e carecido de qualquer razoabilidade.
Talvez o que acabo de escrever também se aplique a mim.
JLM

Anónimo disse...

Esta até dá para rir,então a EDP vai contruir uma obra daquelas sem segurança?.APETECE USAR AQUELE TERMO DO GRANDE FERNANDO PEÇA,(E ESTA HEM).

Anónimo disse...

"Ela", disseu eu!
Ou estou a ver tudo trocado?

Anónimo disse...

Deixe-me rir , são feitas linhas de alta tensão, suba até lá e diga que não Avisaram :-) A isto cham-se prevenção, Avisar é Prevenir e este é o Primeiro acto de Segurança! E isto é feito com legislação ... e esta hem?!

Anónimo disse...

SR anónimo de 6 de junho 2010 14:35
Sobre a sua resposta ao meu comentário apraz-me dizer-lhe o seguinte:-
Quer você queira quer não as CALDAS DE S.LOUREÇO têm inimigos por isso tem toda a lógica a minha interrogação.
1º-Inimigo nº1 Eugénio de Castro.
2º-A politica por ele praticada durante todos estes anos porque foi no mandato dele que surgiu a ideia do desenvolvimento das Termas tendo sido até criada uma ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DAS TERMAS DE S.LOURENÇO em que a Câmara era maioritária seguida da Junta de Freguesia etc.
Ora, sendo estes os dois inimigos, claro que temos que noa atirar aos politicos,que querem ocupar os cargos apenas seu prório beneficio,disso não me resta qualquer dúvida.O descaramento foi tão grande ao ponto de ele dizer "NAQUELE BURACO NEM UM TOSTÃO"e depois ter lá investido milhares de contos na antiga moeda com estudos,plano de pormenor instalação de um pré-fabricado,aparelhos e depois quando teve a verba disponível para as obras essa mesma verba acaboo por ser devolvida à BANCA e o S LOURENÇO ficou para trás.
Também diz que os Pombalenses foram os responsáveis,só se foi por terem votado sempre nele pois não sei se sabe que houve um Pombalense emigrado há muitos anos no Brasil que não esquecendo as suas raízes e tendo uma filha arquitecta tendo esta executado um projecto ou maquete agora não posso precisar, o apresentou à Câmara nunca esta o tendo ouvido e ainda por cima diziam que o HOMEM só podia ser maluco.Também no que respeitas aos anteriores PRESIDENTES, também terão a sua quota parte de culpa mas esses nunca prometeram nada a ninguém e no tempo dos mais antigos incuindo o que foi de lá e já agora avivo-lhe a memória chamava-se JOSÉ BALTAZAR DE LIMA ía a calo do Pombal para Carrazeda, as Termas tinham as condições que cada um tinha nas suas próprias casas,como a sociedade evoluiu e as TERMAS pararam no tempo então aí sim ,havia que ter olhado para elas com olhos de ver e não as ter deixado chegar ao ponto em que se encontram que foi o nunca ninguém fêz.
Fala que os Pombalenses também resolveram a questão cultural e do Teatro graças a trés Pombalenses, podia ter dito quem são porque ainda cá há mais que três.No que respeita às merendolas e a eugénio de castro der desejado por as pessoas do POMBAL não sei se seria bem assim, só se fosse pelos "CACIQUES",e esses não eram assim tantos.
Só para terminar afirmando-se como Carrazedense da chaamada "Frieira2 não "comilão" mas "nascida2 no frio nota-se que tem que ser mesmo um boneco ou boneca de gelo ou então serviu-lhe a carapuça.

Anónimo disse...

Um dos 28 comentadores diz que no que repeita ao S.LOURENÇO quem se deve estar a rir é o senhor Eugénio de Castro,eu até acredito que assim seja, dele tudo se pode esperar até porque AS PEDRAS NÃO TÊM LÁGRIMAS, excepto quando chove mas essas não são delas são da Natureza,vem o SOL e!!!.

Anónimo disse...

Sempre a velha questão: DE QUEM É A CULPA? Se mal me engano o velho ditado diz que morreu solteira!
As Termas de S. Lourenço estão vivas e estarão sempre, pelo menos menos nos POMBALENSES, que vivem e sentem a sua TERRA, alguns dos comentadores, não sabe concerteza o que é ser POMBALENSE.
Se querem culpar os POMBALENSES pelo estado actual das Termas, até o podem fazer, mas apontem o dedo aos proprietários daquele local, escusado será dizer nomes, aqueles que ali travaram o seu desenvolvimento, pois só esses o podem dizer de não quererem evoluir ou deixar que houvesse evolução, pois o monopólio é de muito poucos ous esquecerem isso?
A Associação de Desenvolvimento diz um dos comentadores é inimiga? Mas então quem é que quiz desenvolver as Termas e daí o nome?
Será que investiu algum dinheiro nessa Associação? Quer-me parecer que não, pois caso contrário teria ficado sem ele!
Quem fala e não sabe o que diz é porque não conhece a realidade e os passos que foram dados.
Deixe que diga que as Termas estão como estão porque a Associação de Desenvolvimento parou e a C.M. e a Junta de Freguesia deixaram caducar as licenças de conceção, pois caso contrário a situação não seria a mesma!

Anónimo

Anónimo disse...

Gostava que alguém me disesse o que foi feito dessa ASSOCIAÇÃO.
Se alguém souber queira fazer o favor de me informar.
FICO À ESPERA.
POMBALENSE.